Análise – Dragon’s Crown Pro

Com um lançamento original que data de 2013 na PlayStation 3 e PS Vita, Dragon’s Crown recebe um port dedicado à PlayStation 4, com melhorias visuais, suporte 4K e uma banda sonora remasterizada com uma versão orquestral ao vivo, dando também a oportunidade de chegar a um novo público.

Na sua versão original, o jogo da Vanillaware foi bem-recebido tanto pela crítica como pelos jogadores. Apresentava-se com uma jogabilidade fluída, fácil de aprender, e tinha a vantagem de nos dar a oportunidade de jogar com amigos no mesmo ecrã, uma função que começa a ser rara nesta geração de consolas.

Dragon’s Crown Pro é, essencialmente, o mesmo jogo que foi lançado em 2013, exceto pelo tratamento de remasterização. Quem já jogou o original irá sentir-se em casa e poderá até continuar a caça aos troféus que tenha deixado para trás na PS3 e na Vita, ou até usar o mesmo ficheiro de save.

Para quem não conhece Dragon’s Crown Pro, pode preparar-se para sentir que está a jogar um jogo, potencialmente, intemporal. Um estatuto que se justifica pelo seu género que data da década de 80/90 e que definiu jogos como Streets of Rage, ou seja, é um beat’ em up.

Mas Dragon’s Crown não se define só pelo estilo de jogo, mas também pela mistura de elementos que carrega. Com esta base, podemos acrescentar camadas de elementos de jogos RPG, de visual novels e, por extensão disso, um foco na narrativa, com decisões que mudam o percurso das diferentes histórias de cada personagem que controlamos.

Em Dragon’s Crown Pro, vamos acompanhar um grupo de aventureiros que viajam para diferentes locais exóticos, masmorras, florestas, entre outros, em busca de uma relíquia valiosa.

Estes locais serão os nossos níveis, que podem ser revisitados vezes sem conta por diversas razões, seja para cumprir objetivos secundários, para abrir novos caminhos escondidos ou para melhorar a nossa pontuação.

Nas nossas aventuras, vamos ter que escolher uma personagem de uma de seis classes. Temos um guerreiro, uma amazona, um feiticeiro, uma bruxa, um elfo e um anão. Podemos aventurar-nos a solo ou deixar-nos acompanhar por um grupo de outras três personagens destas classes, que podem ser controladas pelo jogo ou por amigos.

Cada classe apresenta-se com determinadas habilidades, armas e itens, os quais vamos encontrando e aplicando ao longo das nossas aventuras.

É aqui que entra toda a componente de um “role-playing game” (RPG), onde podemos transformar as nossas personagens em algo muito pessoal, com habilidades adaptadas ao nosso estilo de jogo, acabando por resultar num jogo diferente sempre que exploramos mais um nível.

A jogabilidade de Dragon’s Crown Pro é elevada por todas estas nuances e alterações que podem fazer às personagens, mas, naquilo que é realmente importante, estamos perante um jogo bem old-school. É um jogo 2D com comandos bastante simplificados, onde o ritmo e a direção definem os nossos ataques e defesas. É um daqueles casos em que é fácil de jogar e difícil de dominar. No entanto, não é preciso muito tempo para entender que o ritmo e atenção são essenciais, e que podemos até usar itens caídos no chão ou na posse dos nossos inimigos para nos ajudar a ultrapassar desafios de uma forma mais simples do que carregar repetidamente no quadrado.

A jogabilidade não só torna Dragon’s Crown Pro num jogo divertido e viciante, dando a vontade de fazer só mais um nível nas nossas sessões de jogo, como se torna agradável pela fluidez de jogo e pela diversidade animações no ecrã.

Se há jogos que não se devem julgar pela capa, Dragon’s Crown Pro é um deles. Numa primeira impressão, poderá causar estranheza. As imagens de jogo paradas podem causar alguma claustrofobia e, se olharmos para o design de algumas personagens de proporções exageradas, com especial atenção a músculos e grandes seios, é algo que pode causar desconforto. No entanto, todos estes sentimentos adversos desaparecem assim que pegamos no comando.

Visualmente, Dragon’s Crown Pro é extremamente belo, ganhando na PS4 um brilho extra graças ao desenho aprimorado e mais definido que na versão original. Ainda assim, é necessário colocar as duas versões lado a lado para notar as diferenças.

Esta diferença pouco acentuada entre versões só abona a favor deste jogo, que se mantém belo e atual graças à arte e a todos os desenhos apresentados no ecrã, que dão a sensação de estarmos a jogar algo dentro de um quadro animado.

Uma das novidades de Dragon’s Crown Pro está na sua banda sonora, que, nesta versão, dá-nos a escolher entre a versão normal e uma versão das músicas regravadas com melhor qualidade ao vivo. No início parece não haver grande diferença (particularmente quando escolhemos no menu), mas, de nível para nível, é possível encontrar temas mais encorpados, com instrumentos mais acentuados e um ligeiro eco que ajudam a construir o tom do momento com um registo bem épico, transparecendo um sentimento de escala a Dragon’s Crown Pro muito maior do que aparenta.

Dragon’s Crown Pro chega à PlayStation 4 como um mimo para os fãs deste título da Vanillaware. As novidades podem não ser muitas, mas aumenta o leque de plataformas em que podem jogar este jogo que estará, certamente, na lista de favoritos de muitos jogadores.

Quando aos novatos neste mundo, como eu, podem esperar um jogo bastante divertido, viciante e surpreendente, que vos vai agarrar por muitas mais horas do que aquelas que o jogo propõe na história principal.

Dragon’s Crown Pro
Nota: 8/10

Este jogo foi cedido para análise pela Ecoplay.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,845FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – Xiaomi Mi True Wireless Earphones

Apesar do design um pouco mais robusto e a curta autonomia apresentada, o preço dos Xiaomi Mi True Wireless Earphones faz com que sejam uma opção a ter em conta.

Análise – Angry Video Game Nerd 1&2 Deluxe

Está na hora de regressarmos ao passado para jogarmos dois jogos que pensávamos estarem perdidos no tempo!

Análise – FIFA 21

FIFA 21 vem com muitas novidades e algumas melhorias face ao capítulo anterior, mas falha onde não pode: dificuldade da AI da consola em jogo offline.

Análise – Foregone

Um bom jogo de ação e plataformas que podia ter sido excelente.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Bolt Food já funciona em Portugal. Lisboa é a primeira cidade com o serviço

Já é possível realizar encomendas em mais de 260 restaurantes em Lisboa.

Governo quer nova linha ferroviária para ligar Lisboa e Porto em 1h15

A proposta faz parte do Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030. O investimento é de 4.500 milhões de euros.