Análise – Carcassonne (Nintendo Switch)

por David Fialho

Chegou recentemente à Nintendo Switch Carcassonne, uma adaptação à consola híbrida da Nintendo de um popular  jogo de tabuleiro do mesmo nome.

Carcassonne é uma mistura de jogo de estratégia com dominó, onde os jogadores terão que construir caminhos, cidades e combinações de peças para ganhar pontos e vantagem em relação aos jogadores.

A versão Switch pode se jogada a solo contra a inteligência artificial do jogo ou com amigos até seis jogadores. Uma das vantagens deste tipo de jogos por turnos é que existe a opção de todos poderem usar os mesmos controlos.

Para quem não conhece as regras de Carcassonne, são superficialmente simples. O jogo começa com uma peça na mesa e, à vez, os jogadores vão tirando de uma pilha peças para começarem a construir o seu império.

Como no dominó, o jogador está limitado pelos lados compatíveis de cada peça, o que requer estratégia para suceder nos seus objetivos ou para estragar as jogadas dos adversários.

Ao longo das partidas, os jogadores terão que ter atenção, por exemplo, às combinações de peças que criam estradas, cidades e campos. As estradas criam-se ao colocar caminhos com caminhos fechados para inícios de cidades, campos abertos ou interceções; as cidades por um conjunto de peças com lados que correspondem ao perímetro das cidades; os campos são as zonas a verde; e há ainda os mosteiros que requerem que o jogador domine toda a região à sua volta.

Para garantir a pontuação na criação destas construções, o jogador pode, a cada jogada, usar um número limitado de pequenas peças adoráveis, os meeples, em forma de pessoas, que se usa para marcar território. Estas peças são depois devolvidas quando um dos seus objetivos é cumprido.

Não é muito fácil colocar em palavras as regras do jogo para quem nunca o jogou, sem efetivamente demonstrar ou experimentar. Para isso, Carcassonne conta com um simples tutorial e, tal como um jogo de tabuleiro, tem uma folha de regras, uma aba que explica as regras do jogo.

Infelizmente, apesar do esforço, o jogo tem alguma dificuldade em clarificar algumas dessas regras, em particular o uso dos meeples, algo que vai requerer muita paciência do jogador ao longo de várias partidas, ou uma ida ao YouTube para ver outros a jogar.

Durante o jogo, temos sempre acesso às nossas pontuações e podemos assistir a todas as jogadas do adversário. Há, até, a possibilidade de ver que peças é que ainda faltam ser jogadas de forma a podermos criar um plano, na esperança que nos calhe as peças pretendidas.

Este título conta com quatro níveis de inteligência artificial, que não estão, de todo, para brincadeiras. Mesmo em fácil, o jogo prega-nos rasteiras, rouba-nos jogadas e, quando menos esperamos, consegue dar a volta à partida.

Em termos de apresentação, é muito simples. Temos uma visão aérea do mapa, indicadores de onde podemos e não podemos colocar as peças, informação em tempo real das pontuações e, também, uma visão alternativa do mapa geral que se vai construindo.

Há algo em Carcassonne de extremamente divertido e viciante que é difícil de explicar. Mesmo com alguma dificuldade em perceber algumas das regras fundamentais, fazer mais uma partida torna-se num ato impulsivo e inconsciente de “vamos lá tentar outra vez”.

Por estas razões, Carcassonne, tal como um jogo de tabuleiro verdadeiro, é melhor jogado contra outras pessoas, recorrendo ao multijogador, em que podemos estar em conversa, discutir jogadas, ver as jogadas matreiras e os falhanços em tempo real, tornando divertido qualquer serão.

Infelizmente, Carcassonne não inclui multijogador online, o que significa que, se não houver companhia, temos que lidar com a inteligência do jogo.

Carcassonne conta ainda com duas expansões que incluem novas formas de jogar uma partida, com novas peças em jogo, mas que, infelizmente, custam um valor adicional e que teria sido interessante terem incluído logo no pacote.

Entre o jogo de tabuleiro e a sua versão digital, ambos têm as suas vantagens, mas, no que toca à versão da Switch, é uma fantástica alternativa, prática e até portátil de juntar pessoas à volta de uma mesa ou ecrã.

Carcassonne está atualmente disponível para a Nintendo Switch por 15,99€.

Deixar uma resposta

Também pode interessar

O Echo Boomer utiliza cookies para dar a melhor experiência possível aos nossos leitores. Aceitar Ler mais

%d bloggers like this: