Análise – Burnout Paradise Remastered – De volta ao paraíso

Já passaram 10 anos desde que o último jogo da série principal Burnout foi lançado. Há 10 anos, Burnout Paradise foi merecidamente bem recebido pela crítica e pelos jogadores.

Burnout é conhecido por duas razões: velocidade e acidentes. São raros os jogos que nos fazem sentir a adrenalina da velocidade como Burnout, em que qualquer erro pode ser fatal. E são ainda mais raros aqueles que captam a violência rodoviária de uma maneira tão visceral e radical, ao mesmo tempo que apresentam um sentimento satisfatório e de admiração, naquilo que é uma situação triste e desastrosa na vida real.

Burnout Paradise, apesar de ser o “último”, foi também o primeiro a introduzir um mundo aberto na série que se tornou a base dos futuros jogos de corridas dos estúdios da Criterion, que se dedicaram depois a séries como Need For Speed.

Posto tudo isto em cima da mesa e dada a idade do jogo, um regresso ao mesmo seria mais do que merecido, quer num novo jogo ou numa revisitação. E aqui estamos nós, em 2018, de volta a Paradise City, onde a relva é verde e os carros são bonitos.

Para bem e para o mal, esta remasterização é virtualmente o mesmo jogo que conhecemos na era da PlayStation 3 e da Xbox 360. Temos um mundo aberto e livre, quase sem pausas ou recurso a menus.

Em Burnout Paradise, o jogador, assim que começa a controlar controla o carro, basta chegar a um ponto marcado no mapa, fazer um “burnout” e já está a correr em destino ao objetivo. Os modos e os eventos mantêm-se os mesmos, com diferentes eventos para diferentes classes e tipos de veículos.

A estética geral do jogo original não muda em nada. Levando à letra o conceito de remasterização, o jogo propõe apenas uma resolução melhorada e texturas mais definidas. No caso da PlayStation 4 e Xbox One temos suporte 1080p, já na PlayStation 4 Pro e Xbox One X podemos contar com resolução 4K, com todas as versões a correrem a uns impressionantes 60fps. Os modelos e a geometria dos carros mantêm-se as mesmas do original, sendo apenas notória essa diferença de resolução .

Burnout Paradise Remastered

Uma pequena alteração feita ao jogo está na sua palete de cores e no modo como as zonas mais claras e escuras dos jogos se apresentam. Há mais cor e mais brilho, enquanto que as zonas escuras e a iluminação nos períodos de noite são mais acentuadas, tornando a visibilidade um pouco problemática.

A grande diferença, ou adição, nesta remasterização está no conteúdo, que aqui se apresenta num pacote completo com todo o conteúdo adicional incluído.

Em 2008 estávamos numa época em que os jogos começavam a ganhar um formato estratificado, onde os DLCs eram lançados em pequenos segmentos depois do lançamento do jogo. Em Burnout Paradise, o jogador tanto podia comprar um veiculo novo, como um pacote de vários veículos. Já Burnout Paradise Remastered deixa-se de complicações e oferece tudo, como todos os veículos e até a expansão Big Surf Island. O melhor de tudo é que podemos aceder a este conteúdo logo de início.

A jogabilidade de Burnout Paradise Remastered também não muda, sendo interessante verificar como jogos como este pouco mudaram numa década. Se foram feitos ajustes ou afinações, não as encontrei.

É na extensa variedade de veículos e eventos que Burnout Paradise ganha diferentes dimensões. Ainda que seja um jogo simples de jogar na sua execução, são as preferências do jogador e a troca da sua máquina furiosa que tornam o jogo longo, divertido e dinâmico.

No departamento áudio, há um boa noticia para quem jogou o original durante a sua adolescência. A fantástica banda sonora mantém-se intocável, com todos os temas rock-pop que marcaram o final da década de 2000 e que ajudaram na identidade deste Burnout.

Burnout Paradise Remastered

No fundo, Burnout Paradise Remastered é um relançamento que se joga e apresenta como a memória nos lembra. E isto levanta a questão: Se já joguei ou tenho o original, valerá a pena pegar nesta versão?

Jogadores de PC (cuja versão remasterizada será lançada ao longo deste ano) ou da Xbox One (graças à retrocompatibilidade), certamente não encontrarão grandes razões para comprar uma versão mais bonita do jogo, a menos que queiram explorar o conteúdo adicional.

Já se a PlayStation 4 é a vossa consola de eleição, não há outra escolha.

Burnout Paradise Remastered pode não oferecer muito mais, mas uma década depois é bom voltar a Paradise City para queimar pneu e sentirmo-nos em casa.

Burnout Paradise Remastered está disponível para PlayStation 4 e Xbox One.

Burnout Paradise Remastered
Nota: 8/10

Este jogo foi cedido para análise pela Electronic Arts.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,052FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – XIII Remake

Um regresso ao passado que desvirtua a memória do jogo original para um lucro rápido da produtora.

Análise – Just Dance 2021 (PS4)

Com as novas consolas aí à porta, Just Dance 2021 chega just in time, para meter a malta a suar sem sair de casa.

Crítica – Relic

Relic é um daqueles típicos filmes de horror que dividem críticos e audiências um pouco por todo o mundo.

Análise – Gears Tactics

A série Gears troca o caos imersivo da guerra na terceira pessoa por batalhas táticas e cerebrais numa nova perspetiva. Mas mantém todos os outros ingredientes que a definem intactos.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Zodiac

Baseado numa história verídica, Zodiac é eficaz naquilo que mais importa: convencer a audiência a pesquisar mais sobre o caso real mal o filme termine.

Vila 953 Restaurante é o novo restaurante do Vila do Conde Porto Fashion Outlet

É o primeiro espaço a abrir com o look and feel “Beatifully Local”.