fbpx

Análise – Battletoads

Battletoads é uma das melhores surpresas do verão no Xbox Game Pass.

Battletoads

Os Battletoads estão de regresso. 26 anos após a sua última aparição em máquinas de arcadas, a Rare e Dlala Studios revitalizaram a série de uma forma inesperada, mas muito assente nos pilares e nos elementos que ajudaram a criar um culto em volta da série original.

É também 26 anos depois que as aventuras de Battletoads continuam, com Rash, Zitz e Pimple a acordarem num mundo muito diferente daquele que se lembram, algo que os fãs do original também vão sentir ao encontrarem um registo visual completamente novo. É assim que o jogo começa por mostrar o seu lado mais meta e descontraído com a sua abordagem, meio reboot, meio sequela, como um piscar de olhos aos jogadores antigos, ao mesmo tempo que se apresenta fresco e interessante para os novos jogadores.

Longe do ar negro, com uma palete de cores limitada e com um design que transbordava testosterona, ao estilo dos cartoons da manhã dos anos 80/90s, Battletoads de 2020 leva o facelift perfeito e surge ajustado às tendências atuais, com um elenco de personagens distintas, coloridas e mais animadas do que nunca.

Battletoads estava prestes a passar-me ao lado do radar, mas foi graças ao novo aspeto que me despoletou interesse. Estava também com expetativas moderadas, com a ideia que ia estar perante um jogo forçado, mas não podia estar mais errado: Battletoads mostrou-me algo que não estava nada à espera.

Além do seu lado jogável, Battletoads é uma série de televisão, daquelas que podíamos muito bem encontrar num Nickelodeon ou num Cartoon Network, com personagens interessantes e motivações próprias, uma aventura pela salvação do Universo cheia de momentos caricatos, hilariantes e algumas reviravoltas e com valores de produção inesperados, onde se destaca a sua excelente animação e um fantástico desempenho de vozes.

Esta ligação e interesse pela aventura de Battletoads foi essencial para a minha jornada de quase quatro horas de jogo, tendo sido um dos elementos que me motivou a avançar na jornada. Quis descobrir o que acontecia a seguir, um pouco como nos jogos de antigamente, onde o maior troféu e conquista não era a pontuação, mas sim o desbloqueio de uma cinemática.

Battletoads

O novo registo visual é traduzido brilhantemente para o aspeto em jogo que, tal como os títulos originais, combina diferentes géneros de forma inesperada e surpreendente, onde a descoberta do próximo nível nos dá aquela pequena ansiedade de rodar uma roleta russa. Mas não é aleatório. Apesar de cada nível ter sido desenhado e colocado com intenções narrativas pela produção, uma primeira viagem em Battletoads dá a sensação que qualquer coisa pode acontecer.

Mantendo o registo 2D, o jogo começa em forma de um beat’em up, com cada personagem a usar o seu set de habilidades únicas. Este podia ser o core do jogo, mas o que a Rare e a Dlala Studios fizeram tornou Battletoads num jogo extremamente interessante de explorar e avançar.

Entre segmentos destes, vamos encontrar novas sequências de mota onde temos que nos desviar de obstáculos, segmentos de plataformas com puzzles de ambiente, jogos de lógica, segmentos de shoot’em-up, quick time events e muitos mais. É um jogo de arcadas sem um género definido, pois há tanta diversidade que simplesmente chamar-me um brawler 2D seria uma ofensa.

Graças a esta mistura de géneros e à forma orgânica como se apresenta em serviço da história, Battletoads não se destaca apenas pelos seus visuais e variedade, mas também pela forma sólida como a jogabilidade se adapta entre segmentos, com pequenas notas de tutorial para aprendermos as bases, em que rapidamente nos adaptamos ao estilo pedido; e também pelo grau de desafio de uma série recordada pela sua dificuldade.

O novo Battletoads é difícil, pois mesmo na dificuldade média vai fazer-vos soar e perder mil e uma vezes. Contudo, o título faz um excelente trabalho em mostrar que a culpa é dos jogadores e não do jogo, motivando a conhecer padrões e a ter calma até nos momentos mais caóticos e complicados. Há uma curva de aprendizagem constante que, aliada à vontade de conhecer o que vem a seguir, torna a jornada muito satisfatória. Há ainda alguns picos de dificuldade e um ou outro nível onde o jogo abusa do seu design, mas, no geral, a dificuldade é de uma solidez incrível, seja a solo ou com amigos.

Battletoads

Battletoads suporta sessões de jogo até três jogadores e é, sem dúvida, a melhor maneira de jogar, ainda que, ocasionalmente, o caos seja em demasia e faça com que seja fácil confundirmos as cores de Rash e Zits. A cooperação é a chave do sucesso, pelo que, por vezes, o sacrifício de um elemento pode não só ser fulcral para chamar a atenção de um inimigo, mas também para resolver um puzzle mais complicado.

Os diferentes segmentos também se ajustam ao lado mais cooperativo do jogo, com alguns a dividirem tarefas pelos jogadores. É algo que torna a aventura ainda mais interessante e diversa, apelando à estratégia e planeamento, especialmente na resolução de puzzles.

Apesar da forte aposta cooperativa, alguns jogadores vão poder preferir jogar a solo. Nesse caso, a gestão da troca das personagens pode ser uma vantagem, trocando entre elas ao longo dos desafios com maior controlo, e, dessa forma, prolongando o tempo no jogo, algo que não acontece tanto em coop, já que cada jogador está associado a uma personagem apenas.

Com uma duração curtinha de três a quatro horas, Battletoads é tão denso em conteúdos durante a sua jornada que parece um jogo bem maior, podendo ser aumentado ou diminuído através das dificuldades escolhidas no início de cada save.

Felizmente para novos jogadores, Battletoads não é um jogo extremamente complicado. É desafiante o quanto basta e conta até com um modo de invencibilidade que pode ser ativo ocasionalmente, nomeadamente quando começamos a perder demasiadas vezes em fácil ou na dificuldade média. Esta decisão de colocar esta função no jogo desta forma é extremamente bem-vinda e pode ser a salvação de muitas frustrações, ao mesmo tempo que não está alcançável de uma forma que pareça uma batota.

Battletoads foi uma surpresa enorme. Um lançamento quase low-key, que até acho que deveria ter sido mais celebrado, especialmente com um lançamento no Xbox Game Pass para PC e Xbox One, onde qualquer curioso pode descarregar e experimentar.

Com imenso charme, uma apresentação muito animada, recheado de humor e personagens interessantes, Battletoads é uma fantástica aventura desafiante, inesperada e motivante. Tem os ingredientes necessários para posicionar-se, também ele, como um título de culto, que vai deixar os novos e velhos fãs com vontade de mais aventuras novas neste universo.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Plataforma: Xbox One e Windows 10 PC
Este jogo foi cedido para análise pela Xbox Portugal.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,788FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
630SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Battletoads está de regresso num novo jogo, já em agosto, no Xbox Game Pass

26 anos depois, os Battletoads saltam para a Xbox e PC.
- Publicidade -

Mais Recentes