Análise – 51 Worldwide Games

Uma dezena de tabuleiros, uma consola.

51 worldwide games review echo boomer
- Publicidade -

A Nintendo Switch recebeu uma das compilações mais interessantes do ano com 51 Worlwide Games. Como o nome propõe, esta é uma gigante coleção de jogos que promete substituir qualquer jogo de tabuleiro que possam ter na vossa prateleira, ao mesmo tempo que é capaz de atiçar o apetite à nostalgia dos jogos de uma era pré-digital.

O conceito é simples. Nesta coleção temos acesso a 51 jogos tradicionais, entre eles de tabuleiro, cartas, lógica e muito mais, num produto ambicioso e divertido, para um, dois ou mais jogadores.

É difícil analisar profundamente cada um dos aspetos ou jogos apresentados, pelo que vou limitar-me a partilhar a minha experiência e abordagem a esta oferta.

Numa primeira impressão há de tudo um pouco. Temos jogos populares, outros mais obscuros e, volta e meia, aquela pérola nostálgica que dá ideia que só nós é que que conhecemos. Em parte, é uma viagem no tempo a uma altura mais simples e livre de ecrãs táteis e digitais. E resulta de forma irónica, uma vez que tiramos partido de quase todas as capacidades da consola híbrida da Nintendo, incluindo até as da Nintendo Switch Lite.

Há, literalmente, de tudo um pouco nesta coletânea. Jogos de desenho, com dados, com tabuleiros de xadrez, 4 em linha, jogos de lógica, dominós, jogos de tabuleiro asiáticos, blackjack, solitário, bilhar, bowling, setas, air hockey, golf e até pesca… isto só para nomear alguns e o tipo de variedade incluída no jogo.

A probabilidade de pensarem num jogo de tabuleiro tradicional e o mesmo encontrar-se aqui é enorme. No tempo que passei com 51 Worldwide Games senti que viajei até aos meus 10-11-12 anos, quando passava tardes inteiras em casa da minha tia com a minha prima a jogar coisas como, por exemplo, Ludo, Mahjong ou um jogo de adivinha que aqui se dá pelo nome de Hit and Blow.

Levou-me também a outras eras, já digitais, onde o único jogo que tinha no computador era o Solitário e as suas variantes. E com isto, tenho a certeza absoluta que é uma coleção que não deixará ninguém desapontado.

Não ido a jogos em especifico, sinto que tenho que gabar a apresentação de 51 Worldwide Games, que leva aquele selo de qualidade Nintendo que evoca toda a estética e leitura do ecossistema da marca. Se me dissessem que este seria um jogo já incluído na Nintendo Switch eu não só acreditaria, como a partir de agora sinto que seria uma aposta excelente para entreter aqueles jogadores que compram consolas sem jogos. Felizmente, há uma demo gratuita na eShop para aliciar os jogadores a experimentarem esta curiosa seleção.

Além da quantidade quase obscena de jogos, incluindo um piano/sintetizador digital no final da lista, a apresentação dos jogos é extremamente cuidada e as motivações para descobrirmos cada um deles é imensa.

Com uma espécie de campanha, ou jornada pelo mundo, podemos ir descobrindo os jogos de acordo com a sua origem geográfica e cultural. Temos sempre um elenco de personagens engraçadas que não só nos ensinam as regras reais do jogo, como também nos ajudam a contextualizar a sua existência e as diferenças que existem entre algumas das suas variações.

Cada jogo inclui níveis de dificuldade diferentes e até regras alternativas, convidando-nos a explorar e experiência completa destas versões digitais.

Há uma enorme vantagem em experimentar 51 Worldwide Games a solo, sem companhia, alguns jogos que requerem dois ou mais jogadores, ao mesmo tempo que há a possibilidade de partilhar comandos, ecrãs e mais do que uma consola para experiências sociais.

As regras e as formas de jogar são, na sua maioria e na teórica, tal e qual como os jogos físicos, com a Nintendo Switch a tirar partido de capacidades giroscópicas, táteis e hápticas de acordo com as regras de alguns jogos que pedem inputs mais físicos.

Por exemplo, o lançamento de dados pode ser feito com a simulação de movimentos com os Joy-Cons, jogar às cartas e dominó pode ser feito com ecrã tátil, mas a sua maioria pode ser jogada confortavelmente com comandos tradicionais.

Também interessante é a direção artística do jogo, com uma aposta no realismo e na apresentação fiel dos jogos de tabuleiro. Alguns jogos são mais “digitais” do que outros, mas aqueles que são mesmo de tabuleiro são extremamente realistas e reminiscentes das versões reais com as quais podemos jogar, criando uma experiência relativamente imersiva ao ponto de substituírem aquele jogo que temos ali na caixa na prateleira.

Apesar da sua simplicidade e casualidade, 51 Worldwide Games é um jogo algo colossal. É um título obrigatório para todos os jogadores de Nintendo Switch, mesmo para aqueles que jogam sozinhos. Mas é ainda obrigatório para quem gosta de fazer game-nights com amigos com jogos mais casuais, desafiantes, mas igualmente fáceis de perceber por todos, até aqueles que não estão tão habituados a videojogos.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Plataformas: Nintendo Switch
Este jogo foi cedido para análise pela Nintendo Portugal.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Life is Strange: True Colors na Nintendo Switch em dezembro

A Deck Nine deu uma nova data ao jogo mais recente da franquia.

A Twitch chegou à Nintendo Switch

Uma rima que é uma delícia para os fãs da Twitch com consola híbrida da Nintendo.

Death’s Door de portas abertas na PlayStation e Nintendo Switch

O aclamado jogo de ação da Acid Nerve salta para novas plataformas.

Pokémon Legends: Arceus não será de mundo aberto

Os trailers do próximo jogo Pokémon, enganaram um pouco os jogadores.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Vodafone disponibiliza 5G a título experimental a todos os clientes

A todos os clientes e em todos os tarifários, importa salientar.

Cinco empresas já têm licença para explorar o 5G em Portugal

Só falta a MEO, que ainda não fez o pagamento.

Passageiros de voos internacionais terão de apresentar um teste negativo no momento do embarque (além do certificado digital) para Portugal

Se este teste não for apresentado, o passageiro pode não embarcar e as companhias áreas ficam sujeitas a coimas.