fbpx

Zack Snyder vai regressar à cadeira de realizador com um filme de ação com zombies

Zak Snyder (300, Watchmen, Man of Steel, Justice League) foi, em tempos, um dos realizadores mais cobiçados de Hollywood, mas, mais recentemente, a receção aos seus filmes do Universo Cinemático da DC atirou a sua fama por água abaixo.

Depois de se afastar do filme Justice League a meio da produção devido a uma tragédia familiar, o realizador norte-americano prepara-se para regressar à cadeira de realizador com um projeto para a Netflix.

Snyder vai realizar e produzir, juntamente com a sua mulher Deborah Snyder, um filme de ação e com zombies chamado Army of the Dead.

Este é, aparentemente, um projeto original, imaginado pelo próprio realizador, que vai acompanhar as desventuras de um grupo de mercenários que tenta levar a cabo um enorme assalto em Las Vegas, mas que acaba por se envolver e testemunhar a origem de uma ameaça de zombie. Este parece ser um conceito interessante, que mistura elementos de filmes assaltos com filmes de horror, podendo resultar em algo cheio de ação e de estilo.



O anúncio deste projeto foi acompanhado com declarações do próprio realizador, explicando ao The Hollywood Reporter que “não está amarrado com algemas neste projeto”, subtilmente criticando os executivos de filmes anteriores.

Zack Snyder foi supervisor dos filmes da DC desde que realizou Man of Steel e, durante a produção de Justice League, o suicídio da sua filha obrigou-o a afastar-se dos filmes. Nessa altura, o testemunho foi passado ao seu colega Josh Whedon (The Avengers) para regravar cenas e terminar o filme que recebemos nos cinemas.

Projetos com zombies não são águas desconhecidas para Snyder que, na sua filmografia, a primeira longa metragem é Dawn of the Dead, de 2004, um remake moderno do filme original de George A. Romero, que contou com a ajuda de James Gunn na escrita do guião.

Army of the Dead ainda não tem data de estreia.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,788FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
631SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Crítica – Enola Holmes

Enola Holmes oferece uma agradável e refrescante visão de uma franchise que pode ter ganho um novo futuro.

Crítica – The Devil All The Time

The Devil All The Time pode não ser indicado para aqueles que têm uma visão muito pessoal sobre a religião. Já para outros será um filme que tardará a desaparecer da memória.

Candyman adiado para 2021

E não é preciso adivinhar porquê.

Vem aí um filme sobre a vida de Madonna

E o guião está a ser desenvolvido pela própria.
- Publicidade -

Mais Recentes