Xula Mask é uma máscara social transparente que já está disponível em Portugal

- Publicidade -

A Xula Mask está disponível online, em farmácias, parafarmácias e outros espaços comerciais.

É transparente (permite mostrar sorrisos), leve e inclusiva, até porque permite ler os lábios, característica fundamental na comunicação, concebida para pessoas surdas que precisam dessa particularidade. É ainda essencial para pessoas autistas, com demência senil ou doença de Alzheimer que ficam facilmente desorientadas quando não podem ver o cuidador. Assim se apresenta a Xula Mask, a primeira máscara social transparente a ficar disponível em Portugal.

A Xula Mask garante proteção de nível 2, pois cumpre a nova normativa europeia CWA 17553 e a especificação UNE 0065/2020, com eficácia de filtro de aerossóis superior a 96% e eficácia de filtro de partículas superior a 95%.

Tem, ainda, um novo tratamento repelente de água de alta tecnologia adicionado, o que permitiu melhorar as taxas de impermeabilidade e, portanto, a segurança do utilizador contra gotas externas potencialmente contaminantes.

Feita de um têxtil reutilizável, resiste até 40 lavagens a 60ºC, deve ser lavada à mão ou no programa de sedas e seca com um secador a quente para reativar o revestimento protetor. Por ser um têxtil altamente respirável, a Xula Mask evita a condensação e embaciamento dos óculos.

Em colaboração com a empresa suíça HEIQ, a máscara dispõe da tecnologia antiviral VIROBLOCK como revestimento final. Esta inovação testada em laboratórios europeus, neutraliza a ação de germes, vírus e bactérias em 99,9% num período máximo de 10 minutos.

A Xula Mask está disponível online, em farmácias, parafarmácias e outros espaços comerciais, com preços que vão desde os 16,95€ aos 24,95€ por unidade.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Gelatieiri. A nova gelateria de Vila Real de Santo António tem gelados bem cremosos

E faz-nos lembrar vagamente a La Romana, que fomos experimentar recentemente em Lisboa.

Chuva de reclamações tapa o Sol da Caparica. Afinal, o que se passou?

Mas as palavras de desagrado do público parecem não ter surtido qualquer efeito junto dos promotores.