Imagina que o Paul McCartney, o Andrea Bocelli, o Kanye West e a Taylor Swift lançavam novos álbuns no Spotify, mas tu não os conseguias ouvir. Isso tem uma razão de ser: não és utilizador premium do serviço de streaming.

Pode parecer algo chocante, mas é o que diz o acordo assinado pelo Spotify e Universal Music (UMG). Ao que consta, o Spotify, que chegou no início de março à bonita marca de 50 milhões de utilizadores premium, vai limitar o acesso inicial a alguns álbuns aos subscritores premium do Spotify.

Esta decisão surge da necessidade de renegociar os acordos de licenciamento das produtoras. Ou seja, quem quiser aceder à totalidade do catálogo do Spotify, ou paga a versão premium, ou, por outro lado, procura uma alternativa no mercado.

 

O objectivo é claro: aumentar o número de subscritores. O Spotify alega que, mesmo com 50 milhões de utilizadores premium, o serviço não consegue dar lucro. Não se sabem quais os artistas do UMG que vão participar na estratégia. E, por enquanto, o UMG foi a única empresa a assinar um acordo com o serviço de streaming. Resta saber as editores que se seguirão.

O Spotify é a plataforma de streaming mais popular no mundo. Em segundo lugar surge o Apple Music com 20 milhões de subscritores e, a grande distância, surge o Tidal, de Jay-Z, com três milhões. Em Portugal, o plano premium do Spotify custa 6.99€ por mês e permite melhorar a qualidade de som e ouvir música offline e sem quaisquer anúncios.