Crítica – “Turn Up Charlie”, Idris Elba vira DJ numa comédia com pouca graça

Turn Up Charlie é uma série para os resilientes com fé na indústria do entretenimento porque só esses conseguirão passar do primeiro episódio e ter a oportunidade de perceber que a série não é terrível. É apenas moderadamente má.

Bem, o primeiro episódio é uma espécie de lata de sardinhas em termos de conteúdo. Com o intuito de introduzir o maior número possível de personagens e explicar o passado de Charlie (Idris Elba), um Dj com uma carreira estagnada, o espetador assiste a um enxurro de informação a ser despachada em vinte e quatro minutos. A sensação que fica quando terminamos o episódio é que acabamos de ver uma encenação dos apontamentos que um assistente qualquer tirou enquanto o Idris Elba tentava vender a sua ideia à Netflix.

Apesar de tudo, os episódios seguintes vão melhorando. Quer dizer, os diálogos continuam a não ter muita graça, mas, para quem gosta dos filmes de Will Ferrell ou de Kevin Hart, é capaz de ser interessante. Outro ponto positivo é a mudança de ritmo dado que a história passa a desenrolar-se a um passo muito mais agradável. Além disto, a dinâmica entre Charlie e Gabby (Frankie Hervey), uma criança prodígio filha do melhor amigo de Charlie, vai-se afastando da interatividade forçada e artificial criada no primeiro episódio e aproximando-se mais de uma relação orgânica e credível.

[photonic type=’flickr’ view=’photosets’ photoset_id=’72157705341231624′ user_id=’162621154@N05′ layout=’random’]

Todavia, não há nada neste projeto que acrescente valor ao espetador: a história não é nova, os diálogos são redundantes e as relações entre as personagens são demasiado superficiais para nos fazerem nutrir qualquer apego emocional.

Portanto, no próximo dia 15 de março, data em que a série estreará na Netflix, não se entusiasmem. Mais do que isso, aconselho-vos a reler esta crítica segundos antes de dar uma oportunidade a Turn Up Charlie, uma vez que, desta forma, as vossas expetativas estarão tão baixas que a série poderá agradar-vos.

Dito isto, se costumam gostar de sitcoms e têm um apreço especial por buddy films cujo duo principal remete para o companheirismo entre um adulto e uma criança, esta série poderá ser uma opção válida para os vossos interesses.

Nota: Criticas 2 Estrelas

- Publicidade -

Sigam-nos

10,580FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
609SeguidoresSeguir

Relacionados

The Crown vai mesmo ter uma 6.ª temporada na Netflix

Parece que ainda falta algum tempo para nos despedirmos dos bastidores da família real mais conhecida do mundo.

Crítica – Palm Springs

Palm Springs não só é uma das melhores rom-coms alguma vez feitas, como é também um dos melhores (se não mesmo o melhor) filmes de 2020 até à data.

Ozark vai ter uma quarta e última temporada dividida em duas partes

Pode-se dizer que a série foi "roubar" a ideia a produções como Breaking Bad ou Mad Men.
- Publicidade -

Mais Recentes

Bruno Nogueira vai regressar à SIC em setembro

O último projeto do humorista com aquela estação foi o programa Som de Cristal, emitido em 2015.

Análise – Xiaomi Mi Box S

Fazer um upgrade de Smart TV ou comprar uma Mi Box S?