Crítica – “Turn Up Charlie”, Idris Elba vira DJ numa comédia com pouca graça

Turn Up Charlie é uma série para os resilientes com fé na indústria do entretenimento porque só esses conseguirão passar do primeiro episódio e ter a oportunidade de perceber que a série não é terrível. É apenas moderadamente má.

- Publicidade -

Bem, o primeiro episódio é uma espécie de lata de sardinhas em termos de conteúdo. Com o intuito de introduzir o maior número possível de personagens e explicar o passado de Charlie (Idris Elba), um Dj com uma carreira estagnada, o espetador assiste a um enxurro de informação a ser despachada em vinte e quatro minutos. A sensação que fica quando terminamos o episódio é que acabamos de ver uma encenação dos apontamentos que um assistente qualquer tirou enquanto o Idris Elba tentava vender a sua ideia à Netflix.

Apesar de tudo, os episódios seguintes vão melhorando. Quer dizer, os diálogos continuam a não ter muita graça, mas, para quem gosta dos filmes de Will Ferrell ou de Kevin Hart, é capaz de ser interessante. Outro ponto positivo é a mudança de ritmo dado que a história passa a desenrolar-se a um passo muito mais agradável. Além disto, a dinâmica entre Charlie e Gabby (Frankie Hervey), uma criança prodígio filha do melhor amigo de Charlie, vai-se afastando da interatividade forçada e artificial criada no primeiro episódio e aproximando-se mais de uma relação orgânica e credível.

Todavia, não há nada neste projeto que acrescente valor ao espetador: a história não é nova, os diálogos são redundantes e as relações entre as personagens são demasiado superficiais para nos fazerem nutrir qualquer apego emocional.

Portanto, no próximo dia 15 de março, data em que a série estreará na Netflix, não se entusiasmem. Mais do que isso, aconselho-vos a reler esta crítica segundos antes de dar uma oportunidade a Turn Up Charlie, uma vez que, desta forma, as vossas expetativas estarão tão baixas que a série poderá agradar-vos.

Dito isto, se costumam gostar de sitcoms e têm um apreço especial por buddy films cujo duo principal remete para o companheirismo entre um adulto e uma criança, esta série poderá ser uma opção válida para os vossos interesses.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Malignant

Malignant é mais um excelente filme de origem de uma nova franchise criada por um dos cineastas de horror mais bem sucedidos do século, James Wan.

Crítica – The Night House (MOTELX)

Não é um filme que pareça trazer algo de novo, mas esconde boas surpresas sob a superfície, com um enredo que é tanto clássico como original.

Crítica – Mad God (MOTELX)

Se aceitarem que um filme pode ser como um sonho, demente, descontrolado e desnecessário de ser explicado, então irão apreciar Mad God.

Crítica – Sweetie, You Won’t Believe It (MOTELX)

Sweetie, You Won't Believe It não é um filme que se propõe a oferecer nada de novo ao género, mas é uma lufada de ar fresco no panorama internacional de comédias de terror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análises de videojogos: Adeus Notas

Porque opiniões são mais do que notas e números.

KEO adia a data do Early Access para o final do ano

O jogo da Redcatpig precisa de afinações de última hora.

Uber investe milhões de euros em Lisboa e quer contratar mais 200 colaboradores até ao final de 2021

A Uber chegou a Portugal em 2014 e, desde então, tem crescido sem parar.