Time Out Market vai até ao Rock in Rio-Lisboa

- Publicidade - trk
- Publicidade -

É uma parceria que vai agradar a todo o público que for à Cidade do Rock. Chama-se Time Out Market Rock in Rio e é o primeiro pop-up do food hall implementado no Mercado da Ribeira pela revista Time Out em 2014, com o objetivo de elevar a experiência gastronómica dentro do recinto.

Este pop-up de alta cozinha estreia-se na 8ª edição do Rock in Rio-Lisboa e vai contar com 380 lugares sentados e 14 restaurantes, destacando-se espaços de alguns dos melhores chefs portugueses como Alexandre Silva, Henrique Sá Pessoa, Marlene Vieira e Vítor Sobral. Além disso, estão também confirmadas as presenças d’ O Prego da Peixaria, Sea Me, Asian Lab e Manteigaria – Fábrica de Pastéis de Nata, além da Super Bock, que disponibilizará, num bar privilegiado, todo o portfólio da sua Seleção 1927.

“Numa edição em que o Rock in Rio-Lisboa se prepara para trazer ‘tudo de novo’ e elevar a experiência vivida na Cidade do Rock a um novo patamar, a gastronomia não pode ficar de fora, ainda por mais quando estamos num país como Portugal, com uma tradição gastronómica tão forte”, afirmou Roberta Medina, Vice-Presidente Executiva do Rock in Rio.

Este conceito de cozinha de autor começou na edição portuguesa de 2016 e foi reforçado no Brasil, na edição de 2017 do festival, com a criação de um espaço Gourmet. A aposta no Time Out Market deve-se, também, ao sucesso daquele espaço; em 2017, passaram pelo Mercado da Ribeira cerca de 3,6 milhões de visitantes.

Os espaços cozinha do Time Out Market Rock in Rio serão equipados com eletrodomésticos da Teka, marca que se associa pela primeira vez ao Rock in Rio no ano em que celebra o seu 40º aniversário em Portugal. No festival, a marca também terá um espaço de showcooking no qual decorrerão algumas ações de demonstração por conceituados chefs.

Outra novidade do Rock in Rio-Lisboa, mas desta vez não relacionada com comida, é o facto da EDP patrocinar o festival e, pela terceira edição consecutiva, vai ser name sponsor da EDP Rock Street, a rua mais eclética e animada da Cidade do Rock.

A parceria entre a empresa energética e o festival começou em 2013, na edição do Rock in Rio no Brasil, posicionando a EDP como a primeira empresa portuguesa a fazer ativações numa edição internacional do evento. Já em 2014, a parceria foi reforçada em Lisboa com o patrocínio à edição portuguesa.

A 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa está de volta à capital nos dias 23, 24, 29 e 30 de junho, tendo já confirmado os nomes de Muse, Bastille, HAIM e Diogo Piçarra (23 de junho), Bruno Mars, Demi Lovato, Anitta e Agir (24 de junho), The Killers e The Chemical Brothers (29 de junho).

Os bilhetes para o primeiro fim-de-semana estão esgotados, mas ainda é possível adquirir bilhetes diários para qualquer um dos dias. Quanto ao segundo fim-de-semana, tanto o passe, no valor de 117€, como os bilhetes diários, que custam 69€, estão disponíveis.


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Último dia de Rock in Rio Lisboa está esgotado

Uma edição que vai terminar da melhor forma.

Passaram 137 mil pessoas pelo Rock in Rio Lisboa no primeiro fim de semana

O reencontro está marcado para os próximos dias 25 e 26 de junho no Parque da Bela Vista.

A vitória dos Muse no regresso do Rock in Rio Lisboa

Passaram 74 mil pessoas pelo recinto do Parque da Bela Vista.

Alegro Montijo, Setúbal e Sintra com shuttles para o Rock in Rio. Mas não são grátis

Ainda a definir a melhor estratégia para chegar ao Rock in Rio Lisboa?
- Publicidade -
- Publicidade - trk
- Publicidade -

Mais Recentes

Santa Catarina Sushi Bar. O novo restaurante do Chiado tem tudo para conquistar

Além de sushi, há ainda tacos e ceviche, num restaurante super agradável e que vai ao encontro daquilo que os clientes procuram.

Já podem ter uma party night no Mex Factory

O que significa já podem jantar naquele espaço inserido no icónico LX Factory.

Faro e Oeiras avançam com primeiros contratos PRR para 163 casas

Em Faro, o investimento estimado é de 8,2 milhões de euros, ao passo que, em Oeiras, o investimento é de 19,4 milhões de euros.