fbpx

The National no Campo Pequeno – No espaço sideral com amigos de longa data

Antes de o grupo entrar em palco, “Please Stand By” é a frase projetada no ecrã e que serviu de abertura para o 17º concerto dos The National em Portugal. O pedido foi bem sucedido, visto que, durante mais de duas horas, o público ficou e cantou como se fosse a primeira e última vez que a banda de Matt Berninger passaria por terras portuguesas.

Começamos a viagem com “You Had Your Soul With You”, o primeiro single do mais recente álbum I Am Easy to Find, que conta com uma sonoridade dançante na guitarra e bateria e que deixou o público caloroso e preparado para o que viria a seguir.

Seguem-se alguns temas do mesmo disco, como “Quiet Light” ou “The Pull of You”, mas a viagem é, claro, intemporal, e mereceu uma passagem pelo trabalho de 2013, Trouble Will Find Me, com “I Should Live in Salt”, “I Need My Girl”, “Don’t Swallow The Cap” “This Is The Last Time”.

Visto que, minutos antes do concerto começar, a banda esteve em chamada com os astronautas da Estação Espacial Internacional, bem como a Jessica Meir, uma das participantes na missão que “está a 400 quilómetros acima de nós”, revelou Matt. Ao longo do espetáculo, foram várias as referências ao espaço sideral e a quem por lá navega, servindo de mote para que se tocasse a “Looking for Astronauts”, do álbum de 2005, Alligator.

Foi, porém, com “The Day I Die” que Berninger saltou todas as barreiras, literalmente. É no início da música que começa a interagir de forma mais familiar com o público e, descendo do palco, dirige-se às escadas da arena e empoleira-se na rede que protege as bancadas. A passagem foi rápida, porém memorável, num ato confiante e divertido e que deixou, claro, todos aqueles que assistiam à rebeldia tradicional de Matt maravilhados. Quem estava mais perto conseguiu abraçá-lo e agarrá-lo, tornando a experiência mais calorosa. Com “Light Years” e “I Am Easy To Find”, quem observa a banda não resiste e acende as lanternas do telemóvel.

https://www.facebook.com/everythingisnew/posts/10151197030364950?__xts__[0]=68.ARDBxm_WiESMUoN2rYgcIdUy0eLpsvT0T1KDI1RprSwKQwo2ixvakMaJ2G2TPEF4pBKh4nTx5tYg6vpeuSBjKzPqbVC18RCUtoGOkZ-s5olXtQQrD2VFlLAOmN6aHyput1g-6D5QlO9mkrfplY_HYLWkAIInLqbjITjsmC-mTRQjF1xNRc11qTUeNsALHbljQCv-FZQJU8GT7_D-yMva-IMacUwKGLgMcB777xJXexNJRuPQ9dEk3k7KaSZQM9d2kSrvOKFpV1sl_cI8SAPVwpdfq4U3GpZglL5hly8UG_-2VEP2wwzENbO8zY2ixbVasl3Lv07b4e0Pg068qNZR&__tn__=-R

Afinal, estávamos mesmo no espaço, e, diante de Matt, as milhares de estrelas a dançar devagar fazem-no ficar admirado: “Ninguém faz isto por nós, vocês combinaram?”, disse. É notória a relação da banda com o público português, não só pelas constantes visitas ao território, mas também pelas palavras do vocalista. “Vocês sabem quando bater palmas. Os americanos aplaudem as coisas erradas, tal como presidentes”, foi uma das mensagens mais impactantes, bem como “Isto não é sobre ti, é sobre nós”. Para quem sabe processar, a mensagem é explícita, tal como muitas das músicas da banda, como “The System Only Dreams in Total Darkness”, também tocada no dia 12.

No encore, “Pink Rabbits”, dedicada a Kate Stables, da banda This Is the Kit, “Mr. November”, “Terrible Love” e “About Today”, dedicada, também, à astronauta Jessica Meir, satisfazem quem não quer, nem por nada, que o concerto acabe. O grande final deu-se com “Vanderlyle Crybaby Geeks”, cantada pelo público, inteiramente. Ninguém queria que se ouvisse um barulho que não pertencesse à música. Por instantes, aquela arena, que esgotou, estava de corpo e alma a cantar – apenas com o instrumental dos The National, Matt observava o público a cantar. Num cenário arrepiante, quem ali estava sabia a letra de cor e criou-se ali um momento místico e único. “Obrigada por nos darem o melhor último concerto do ano!”.

A presença dos The National já se demonstra regular em Portugal, sendo que são uma das confirmações do Rock In Rio Lisboa 2020.

Foto de: Victor Schwantz Barros

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,780FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Mayra Andrade no Coliseu do Porto – Um regresso pleno de brilho

Foram quase duas horas de um espetáculo emotivo, intenso e de grande partilha.

IDLES vêm apresentar novo álbum a Portugal em junho de 2021

E para isso nada melhor que um concerto em nome próprio, claro.

Música: Álbuns essenciais (maio)

Depois de abril ter sido marcado pelo regresso dos The Strokes, mas principalmente pelo novo álbum de Fiona Apple, o disco mais incrível de 2020, chegamos a maio com as expetativas em alta.
- Publicidade -

Mais Recentes

Câmara Municipal de Almada lança app que permite saber mais sobre o município

Fica disponível este domingo, 27 de setembro, Dia Mundial do Turismo.

Um spinoff de The Boys pode chegar muito em breve

Segundo a Variety, está agora a ser dada prioridade a este projeto devido ao sucesso da segunda temporada da já popular série da Amazon.