Crítica – “The Disaster Artist”

Estávamos em 2003 quando surgia, do nada, um filme que viria a tornar-se uma obra-prima pelos piores motivos. Falamos do clássico The Room, realizado pelo misterioso Tommy Wiseau. Sim, clássico, pois o facto de ser uma película tão má fez com que se tornasse numa espécie de objeto de culto ao apresentar no grande ecrã cenários extremamente mal feitos, péssimas interpretações e um argumento que não lembra a ninguém. Rapidamente apelidaram-no do melhor pior filme de sempre.

Escrito, produzido, realizado e interpretado por Tommy Wiseau, uma figura enigmática, com uma estranha forma de falar e sem qualquer talento para a representação, The Room foi um fiasco de bilheteira enquanto esteve em exibição. Anos mais tarde, foi sendo descoberto por toda a gente, e rapidamente começaram a haver sessões de cinema esgotadas um pouco por todo o mundo.

Tudo isto para dizer que, se ainda não viram, juntem amigos e apreciem. A experiência ganha outros contornos e será impossível não pesquisar de seguida no YouTube por recriações da célebre “I did not hit her, it’s not true! It’s bullshit! I did not hit her! Oh Hi Mark!”.

A conceção e gravação de The Room passou por um período conturbado até chegar, efetivamente, às salas de cinema. Já em 2013 surgiu The Disaster Artist: My Life Inside The Room, the Greatest Bad Movie Ever Made, livro escrito pelo ator Greg Sestero (Mark em The Room) com a ajuda do jornalista Tom Bissell, contando toda a história de bastidores deste famoso filme. Claro, o livro tem sido um sucesso desde então e foi aclamado pelo público e crítica especializada.

Fascinado no filme, no livro e na origem, idade e dinheiro de Wiseau, o ator James Franco resolveu fazer a versão cinematográfica do livro que conta toda a história de The Room. Não tenham a ideia errada; The Disaster Artist nao é um remake ou reboot de The Room, mas sim a história do livro adaptado ao grande ecrã.

Basicamente, The Disaster Artist é a ode de James Franco a esta obra do cinema. E aqui sim, está recheado de verdadeiras estrelas: além de Franco, temos o irmão Dave Franco (faz de Mark), Seth Rogen, Alison Brie e Zac Efron, só para citar alguns.

O filme começa por exibir uma série de entrevistas em que várias celebridades revelam o seu fascínio por The Room. Logo depois, vamos até uma aula de atuação em São Francisco, nos Estados Unidos, onde ficamos a conhecer os dois protagonistas e a sua falta de jeito para a representação. Rapidamente ficam amigos e mudam-se de armas e bagagens para o apartamento de Wiseau em Los Angeles. Tentam a sua sorte enquanto aspirantes a atores, e, ao fim de três anos, e sem perspetivas de futuro, resolvem criar o seu próprio projeto cinematográfico.

A partir daqui, a história faz-nos passar rapidamente pelos seis meses de filmagens de The Room, os seus seis milhões de dólares de orçamento e todos os problemas que foram surgindo. É neste ato que o filme fica realmente interessante, e apenas há a apontar o facto de não existirem tantas cenas assim que irão perdurar na nossa memória.

É um dado adquirido que Franco não é um realizador extraordinário. Já como ator, temos de lhe tirar o chapéu. Em The Disaster Artist tem, muito provavelmente, o papel da sua carreira, pelo menos até à data. Franco imita na perfeição o mistério e a bizarrice de Wiseau, conseguindo ser hilariante e arrancar-nos verdadeiras gargalhadas em alguns momentos e levar-nos ao desespero por parecer a cópia chapada deste. É divertido ver este trabalho de representação, mas, acima de tudo, muito prazeroso.

Já Dave Franco, no papel de Mark, surge forte na sua personagem e atua como uma espécie de contraponto de Wiseau. Há química entre os atores, claro, ou não fossem Dave e James irmãos, mas, acima de tudo, a personagem do mais novo acaba por funcionar como ancora e porto de abrigo.

Ao ver The Disaster Artist, cresce a vontade de rever The Room. Acima de tudo, este novo filme dá-nos a perspetiva de como certas cenas nasceram e do quão difícil foi filmá-las. Além de, como referi, não existirem assim tantas cenas de destaque, talvez o outro problema de The Disaster Artist seja o facto de romancear em demasia The Room, o que faz com que quase vejamos Tommy Wiseau como um herói.

The Disaster Artist é uma boa homenagem a todos os envolvidos no processo de criação de The Room, e não é, de todo, nenhum desastre, indo agradar não só a quem viu o icónico filme, mas também a quem ainda não conhece nada deste mundo.

The Disaster Artist estreia a 4 de janeiro nos cinemas nacionais.


 

- Publicidade -

Sigam-nos

10,478FansCurti
4,050SeguidoresSeguir
536SeguidoresSeguir

Relacionados

Matthias & Maxime chega aos cinemas portugueses a 18 de junho

Pouco a pouco, estamos a voltar à normalidade e os cinemas começam também a reabrir.

Crítica – Shirley

Shirley é, sem dúvida alguma, cinema de autor por parte de Josephine Decker, que entrega uma biopic única que quebra todas as limitações impostas pelo género.

Crítica – White Lines

Mistério, drama e romance. A nova produção de Álex Pina tem um pouco de tudo.
- Publicidade -

Mais Recentes

Baloiço do Talegre. Novo ponto de lazer no concelho de Ourém tem uma vista espetacular para a serra de Alburitel

Será questão de tempo até o Instagram estar repleto de milhares de fotos com pessoas sentadas no Baloiço do Talegre e a apreciar a vista.

Digimon Adventure Reboot volta a ser exibido no Japão

Quer isto dizer que, mais perto do final do mês, já teremos um novo episódio.

Lovecraft Country estreia em agosto na HBO Portugal

Lovecraft Country acontece durante o Jim Crow South, na década de 50, após o protagonista, Atticus Black, partir numa viagem à procura do seu pai desaparecido.