Grupo de estudantes da Universidade Coimbra cria lancheira ecológica à base de cortiça

Contudo, ainda existem algumas fases pela frente até o produto chegar ao mercado.

- Publicidade -

Um grupo de estudantes da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveu uma lancheira ecológica – The Cork Food Box – produzida com cortiça e um biopolímero (bioplástico), em colaboração com a Amorim Cork Composites, empresa do grupo Amorim.

O projeto começou a ganhar forma no início de 2020 após um desafio lançado por João d’ Orey, professor convidado da unidade curricular de Gestão e Empreendedorismo do Mestrado Integrado em Engenharia Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC). A ideia, conta o docente, era que os alunos fossem capazes de criar “um modelo de negócio sustentável centrado na economia circular. Mais concretamente, que desenvolvessem um produto inovador que permitisse reduzir a utilização de plásticos, descartáveis e não descartáveis, e outros materiais de uso único, que fosse durável e que simultaneamente tivesse um impacto positivo ao longo do seu ciclo de vida”.

Os estudantes Alexandre Jorge, Ana Silva, Cindi Costa, Francisco Brandão, Margarida Oliveira, Raquel Caracitas e Rodrigo Moreira constituíram equipa e avançaram com o projeto, a que deram o nome R8- the cork food box. A opção pelo uso da cortiça “fazia todo o sentido, já que é um produto 100% natural e endógeno de Portugal, que é o maior produtor mundial de cortiça”, afirmam os estudantes. Além disso, sublinham, “os compósitos de polímero de cortiça podem ser personalizados e moldados de acordo com as necessidades do cliente, são leves e de extraordinária resistência”.

Para criar a The Cork Food Box, a equipa inspirou-se nas práticas sustentáveis utilizadas no passado “por trabalhadores agrícolas na região do Alentejo, que levavam para o campo um recipiente de cortiça para alimentos, chamado Tarro”, explicam.

Esta lancheira integra um conjunto de recipientes de diferentes dimensões para transporte e consumo de alimentos, bebidas e café, sendo por isso um “conceito polivalente que torna a lancheira adequada para o uso diário, serviços de take away e eventos”, referem os estudantes.

Um aspeto diferenciador do projeto, de acordo com a equipa, é o facto de, no final do seu ciclo de vida, “os recipientes serem entregues e reutilizados como matéria-prima na produção de flooring (pavimento flutuante), reduzindo assim o impacto ambiental do próprio negócio”.

Apesar de o modelo de negócio já se encontrar estruturado e de já existirem alguns protótipos, até chegar ao mercado, o projeto ainda tem algumas fases pela frente, uma vez que, como explica João d’ Orey, “temos de garantir que o produto obedece a determinadas características técnicas, como, por exemplo, estar apto para ser lavado na máquina de lavar loiça, para ir ao micro-ondas para aquecer a comida que transporta, e obter a certificação para o uso alimentar, cujo processo já está em marcha, ou seja, estamos na fase de configuração final do produto”. No entanto, o docente acredita que esta lancheira ecológica poderá estar no circuito comercial dentro de um ano.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Há uma nova loja Intermarché em Taveiro, no concelho de Coimbra

Resulta de um investimento de dois milhões de euros.

Concerto de Andrea Bocelli em Coimbra dividido em dois dias

Uma vez que a lotação do Estádio Cidade de Coimbra será de 50%, esta foi a forma encontrada pela promotora MOT e pela Direção-Geral de Saúde para a realização do espetáculo.

Oficial: Concerto de Andrea Bocelli em Coimbra vai mesmo acontecer já em junho

A promotora Memories of Tomorrow deu a boa notícia nas redes sociais.

Já há data para a abertura da Mi Store em Coimbra

A 10ª loja oficial da Xiaomi em Portugal ganha finalmente uma data para a esperada inauguração.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Há um novo restaurante Burger King em Alcochete

É o primeiro na zona e o 10º no distrito de Setúbal.

Serviços públicos essenciais obrigados a ter linhas telefónicas gratuitas

As empresas têm agora até ao próximo dia 1 de novembro para fazer cumprir este decreto-lei.