Teatro Nacional D. Maria II estará presente em todas as regiões de Portugal continental, Açores e Madeira em 2023

- Publicidade -

Há centenas de propostas, incluindo espetáculos, atividades para escolas, projetos com comunidades locais, formação, lançamentos de livros e muito mais.

Em janeiro de 2023, o Teatro Nacional D. Maria II encerra a sua casa no Rossio para um ano de obras de requalificação, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, e inicia uma verdadeira Odisseia Nacional que vai passar por 93 concelhos de todas as regiões de Portugal continental e ilhas.

A programação desta Odisseia Nacional foi hoje revelada e irá desenrolar-se durante todo o ano de 2023, integrando centenas de propostas agrupadas em cinco programas.

O mais importante é, claro, o programa dedicado às peças.

Peças – Há produções próprias, coproduções e espetáculos internacionais

Integrado no programa Peças, o D. Maria II vai apresentar, ao longo do ano, três produções próprias (Casa Portuguesa, de Pedro Penim; O Misantropo – Por Hugo Van Der Ding e Martim Sousa Tavares a partir Molière, com encenação de Mónica Garnel; e A Farsa de Inês Pereira, com texto e encenação de Pedro Penim, a partir de Gil Vicente); três coproduções com companhias sediadas fora do eixo Porto-Lisboa (LAMA Teatro; Teatro da Didascália e Teatro do Bolhão; e Terceira Pessoa), quatro coproduções com artistas emergentes (Alice Azevedo, Bestiário, Tita Maravilha e Venâncio Calisto), duas coproduções com artistas reconhecidas e de projeção nacional (Djaimilia Pereira de Almeida e Zia Soares; e Raquel Castro), um espetáculo para a juventude (de Estrutura e Dori Nigro) e três espetáculos internacionais (Hopeless., de Sergiu Matis, da Roménia / Alemanha; La vie invisible, encenação da francesa Lorraine de Sagazan; e Silence, Silence, Silence, Please, do ucraniano Pavlo Yurov).

Neste programa englobam-se ainda os projetos de assinatura do D. Maria II, que no próximo ano terão continuidade e uma nova expressão, como é o caso da Rede Eunice Ageas, que integra três espetáculos estreados em 2022 – Ainda Marianas, de Catarina Rôlo Salgueiro e Leonor Buescu / Os Possessos; Outra Língua, de Keli Freitas, Raquel André, Nádia Yracema e Tita Maravilha; e Zoo Story, com direção de Marco Paiva; do Próxima Cena, em parceria com o BPI / Fundação ”la Caixa”, que contará com a estreia do espetáculo Nau Nau Maria, de Alice Azevedo; do PANOS – Palcos novos palavras novas, com coordenação de Sandro William Junqueira e em parceria com o BPI / Fundação ”la caixa”; do Ciclo Antecipar o Futuro, em coautoria com a Associação Cultural Bóia e em parceria com a NTT Data; do Clube dos Poetas Vivos, coordenado por Teresa Coutinho; e de vários outros projetos de continuidade.

Já os restantes quatro programas são os seguintes:

  • Atos: Composto por 43 projetos de participação (divididos em três grandes eixos temáticos: Paisagem, Património e Pessoas), desenvolvidos por 16 estruturas artísticas, que pretendem valorizar o tecido cultural nacional e promover práticas cívicas junto das comunidades;
  • Frutos: Programa dedicado ao universo escolar, composto por quatro projetos estratégicos e complementares, dirigidos a todos os ciclos de ensino – espetáculo Falas Estranhês?, de Inês Fonseca Santos e Manuela Pedroso, com encenação de Catarina Requeijo, dedicado ao pré-escolar; Visitas Encenadas para o 1º ciclo, com coordenação da Plataforma 285; Oficinas de Teatro para o 2º e 3º ciclo, desenvolvidas por diversas atrizes e atores; e um Laboratório Teatral, para o Ensino Secundário, desenvolvido a partir de cinco espetáculos do programa Peças;
  • Cenários: No final de cada trimestre de 2023, o D. Maria II desenvolverá um grande evento de pensamento que irá refletir sobre o percurso da Odisseia Nacional e o trabalho regional, a partir de diferentes prismas: Cenários Passados (Guimarães, em março), Cenários Presentes (Torres Vedras, em junho) e Cenários Futuros (Loulé, em dezembro);
  • Nexos: Programa constituído por ciclos de formação e capacitação, que colocam as competências técnicas e de gestão do D. Maria II ao serviço de equipamentos parceiros da Odisseia Nacional e da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses. Para além de formação Especializada, Generalista e Internacional, o Nexos inclui ainda formações para artistas com e sem deficiência e S/surdos e para educadores de infância.

Ao longo do ano de 2023, a Odisseia Nacional integrará ainda a exposição Quem És Tu? – O Teatro Nacional, a Ditadura e a Democracia, com curadoria de Tiago Bartolomeu Costa e desenvolvida em parceria com a Comissão Comemorativa dos 50 Anos do 25 de Abril e o Museu Nacional do Teatro e da Dança.

A Odisseia Nacional arranca já em janeiro de 2023, na região Norte do país, onde permanecerá até ao final de março. Seguem-se depois o Centro, de abril a junho; os Açores, em julho; a Madeira, em setembro; e as regiões do Alentejo e Algarve, de outubro a dezembro.

A totalidade da programação da Odisseia Nacional pode ser conhecida aqui.

Foto de: Filipe Ferreira

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes