Short Games Collection – Uma mão cheia de curtas psicadélicas

Juntamente com uma série de estúdios independentes, a Nerd Monkeys leva até à Nintendo Switch uma coleção de jogos abstratos, estranhos e altamente cativantes que se passam em poucos minutos.

- Publicidade -

Cinco jogos, cinco estúdios independentes, cinco experiências, uma moca enorme. Bem, a última parte é apenas a forma como gostaria de ter experimentado a Short Games Collection, um sentimento que cada uma das suas experiências evoca – de alguma forma – graças à visão bizarra, e por vezes provocadora, que aqui encontramos.

A Nerd Monkeys chama-lhe “coleção” (está no seu nome: Short Games Collection), eu chamar-lhe-ia antologia, e se tudo correr bem espero que seja a primeira de muitas. Uma seleção de experiências já lançadas no PC até de forma gratuita, onde se incluem conceitos e ideias criadas em Game Jams, normalmente produzidas em meros dias. É, no fundo, uma celebração para onde a criatividade nos pode levar e como antologia que é, há uma ADN partilhando entre elas.

Nesta Short Games Collection, o psicadélico, o estranho, o bizarro e o grotesco são a cola que une estas experiências, que nos levam a experimentar uma atrás de outra, sem atalhar, cumprindo-as do início ao fim. E tal como uma antologia, se há experiências marcantes e de destaque, há outras que deixam um pouco a desejar.

Short Games Collection - The Good Time Garden
The Good Time Garden

Começando pelo meu favorito, The Good Time Garden, desenvolvido por James Carbutt e Will Todd, é um autêntico “fever-dream” que nos larga num mundo surreal em tons de rosa pastel, onde o desconforto da sua arte grotesca se dilui com uma enorme sensação de calma, numa experiência que parece saída dos canais interdimensionais de Rick and Morty. Há algo de horripilante, e ao mesmo tempo de hilariante, graças às figuras despidas e ao mundo feito de pele e de elementos quase fálicos, à medida que as personagens falam connosco com a maior das sensualidades. Uma experiência que nos larga sem indicadores do que fazer, mas que rapidamente faz o clique e nos deixa a querer algo mais complexo e maior.

Short Games Collection - Swallow the Sea
Swallow the Sea

No campo do grotesco temos também Swallow the Sea, de Maceo bob Mair e Nicolás Delgado. Visualmente violento, é uma curta jornada entre caves, onde controlamos um pequeno embrião que tem que escapar de outros seres e monstros até ao seu nascimento. Apesar de uma pequena curva de aprendizagem e tentativa erro ao controlar o pequeno embrião, nomeadamente nos ataques, Swallow the Sea oferece pequenos momentos de tensão que nos deixam curiosos do segmento seguinte. Infelizmente, esta é uma experiência muito curta – sensivelmente 10 minutos – com uma mensagem bem interessante e provocadora, que adorava ver ser desenvolvida para um jogo bem maior.

Short Games Collection - Ghostein
Ghostein

Dentro dos excelentes conceitos temos também Ghostein, da Parampara, um pequeno jogo inspirado nos terríveis campos de concentração Nazi, mas com um twist fantasioso, onde na “pele” de um fantasma temos que ajudar um menino a fugir. É o jogo com maior teor narrativo, até com twists à mistura, mas que se destaca pela sua curiosa jogabilidade que arrisco a definir como um jogo na segunda pessoa, pois é através de ordens, colocando posters com indicações de ações, que indicamos ao menino se pode avançar ou se deve esconder-se. É um pequeno jogo que resulta bastante com aquilo que quer fazer, com momentos de tensão bem conseguidos e afinados, onde um pequeno erro pode estragar a nossa fuga.

Três em cinco jogos desta coleção estão mais que aprovados e merecem toda a atenção, deixando-nos a querer mais. Mais níveis, mais história, mais aproveitamento de mecânicas. O mesmo não se aplica tão bem às restantes duas experiências, que são exatamente isso, experiências.

De experiências onde o estilo se sobrepõe à substância, onde se aproveita para contar uma pequena história, onde nos podemos deliciar com a sua atmosfera e até onde temos um pouco de crítica social. Há um pouco de tudo e o melhor é que podemos consumi-las todas de forma rápida e intuitiva.

Short Games Collection - A Game Literally About Doing Your Taxes
A Game Literally About Doing Your Taxes

Em A Game Literally About Doing Your Taxes, um jogo com um título auto-explicativo, tratamos dos nossos impostos. Imaginem o Tinder, ao fazermos “swipe left” e “swipe right”, onde para a esquerda vão os impostos e para a direita o lixo e o spam. É uma experiência interessante, que tenta fazer um pequeno comentário sobre a rotina e o aborrecimento da vida, mas falta-lhe foco, uma vez que não nos pressiona ou cria urgência nas suas ações. Se o objetivo era aborrecer, A Game Literally About Doing Your Taxes conseguiu, mas admiro a sua ideia ao terminá-lo.

Short Games Collection - Not a Game Studio
Uranus

Outra ideia que admiro é a aposta da Not a Game Studio com Uranus, um jogo psicadélico que requer reflexos rápidos que dançam caoticamente com os seus efeitos de caleidoscópios. No lado dos pontos positivos temos a excelente arte e estilo desta pequena experiência e até o seu conceito principal, onde controlamos um olho com asas e uma longa cauda a navegar num mapa esférico, onde outro ser como nós navega, mas com o qual nunca poderemos colidir. Uma espécie de “Snake” competitivo, sem a parte de apanhar itens para crescer. É rápido, frenético e, quando jogado a dois, parece divertido. Mas entre a frustração visual ao forçar a vista para perceber o que realmente está a acontecer no ecrã, juntamente com a novidade que desaparece rapidamente, Uranus é um pouco nada, o que é pena. Fica também a nota que a natureza desta pequena experiência pode ser propicia a episódios epiléticos, algo que é imediatamente apresentado assim que entramos no jogo.

Mas nitpicks de parte, a Short Games Collection é um pequeno pacote de ideias e conceitos fantásticos e diferentes, um pacote que adorava voltar a ver no futuro com novos projetos. Um pequeno magazine que remete aos tempos dos sharewares que vinham em CDs de revistas, com experiências que me marcavam e me faziam voltar a revisitar, mesmo sabendo das suas curtas longevidades.

A Short Games Collection surge, contudo, na Nintendo eShop com um peço sugerido de 16,99€ (ou 13,59€ graças aos 20% de desconto até ao dia de lançamento), o que parece ser um pouco demais para uma coleção de jogos que pode ser jogada no PC gratuitamente. Mas há aqui algo de bom que merece a nossa atenção: a sua curadoria e fantástica otimização para a Nintendo Switch, a única consola portátil (por agora) que nos permite levar estas experiências para todo o lado e mostrar aos amigos para dar a conhecer o que se pode fazer na cena indie e a nível artístico e criativo. Nerd Monkeys, queremos mais.

Recomendado

Cópia para análise cedida pela Nerd Monkeys.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Conhece os mundos fantásticos da coleção de indies da EA Originals

O programa EA Originals é um dos mais interessantes projetos da Electronic Arts, que conta com pérolas imperdíveis para todo o tipo de jogadores.

Análise – Out of Line (Nintendo Switch)

Out of Line promete uma experiência muito atmosférica recheada de puzzles ambientais para resolver.

O EA Play Live continua com uma nova transmissão dedicada aos jogos independentes

Os indies da Electronic Arts são o foco da transmissão desta semana.

Há indies com desconto na PlayStation Store

A campanha PlayStation Indies está de regresso à loja digital.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Gleylancer – Da Mega Drive, com Amor

O título da Masaya Games chega finalmente ao ocidente, 29 anos depois da sua estreia.

O novo hambúrguer da Burger Wheels é de comer e chorar por mais

Não só já provámos, como até repetimos.

Blade of Darkness – À lei da espada

Um regresso ao passado competente que merecia algumas melhorias na jogabilidade.