Sérgio Godinho – Ao Sol da noite das luzes 

Perante um Coliseu cheio para o receber, Sérgio Godinho entra em palco com a sua banda (com cinco elementos, João Cardoso nas teclas, Sérgio Nascimento na bateria, Nuno Espírito Santo na guitarra clássica, Miguel Fevereiro na guitarra eléctrica e Nuno Rafael no baixo).

- Publicidade -

Num espetáculo com o nome do último disco, Nação Valente, naturalmente que uma mistura entre os clássicos de uma carreira com a profundidade de décadas e os novos temas seria de esperar. E assim aconteceu. Para servir de variação, por vezes novas roupagens aparecem, como uma “Etelvina” em versão despida, surgem. Desta vez, com palmas moderadas do público, talvez a sentir falta de maior ritmo. Do mesmo síndrome viria a sofrer “O Coro das Velhas”.

Passa-se por temas novos, como “Grão da Mesma Mó”, num palco com uma boa cenografia (letras espalhadas, acompanhadas com projeção vídeo numa tela composta por várias telas), ou “Baralho de Cartas”, com um bom arranjo de guitarra, mostram que Godinho ainda mantém intacta a capacidade de criar empatia renovada, comprovado também pela presença de várias gerações.

O simpático portuense sempre foi atreito a colaborações, e isso rapidamente se torna visível com “Artesanato”, em conjunto com Hélder Gonçalves, e, em seguida, uma das atrações da noite, Camané, que entra em palco de cavalete em punho para interpretar a letra da “Balada da Rita”. O poderoso instrumento vocal deste intérprete de exceção não desilude nesta versão bem conseguida, a qual bisa com o novo “Mariana Pais, 21 anos” (com o reforço Filipe Raposo ao piano), e, em especial, num especialmente feliz “Emboscadas”, com o mais velho dos irmãos Moutinho relaxadamente encostado ao piano.

Num espetáculo com grande variedade de tom e atmosfera, o fantasmagórico “Em Dias Consecutivos” (originalmente uma colaboração com o desaparecido Bernardo Sassetti) foi uma boa escolha para o fim da presença de Filipe Raposo.

Daí até ao circo vai um momento, com o alegre arranjo de “Tipo de Contrafacção”, de Nação Valente, e “Benvindo Sr. Presidente”, com a sua fanfarra de inspiração António Mafra ou até do saudoso programa infantil Amigos do Gaspar.

E chega Manuela Azevedo. Manuela está habituada a cantar com o Sérgio, mas não é por isso que deixa (se calhar até é por causa disso) de ser uma injeção de energia e movimento. Sem necessidade de leituras, nem de um, nem de outro, “O Sopro do Coração” e “Espectáculo” são momentos maiores no Coliseu dos Recreios, rejuvenescido. Não é por acaso que gravaram Afinidades juntos, e elas não parecem menores do que em 2001.

Mais em vontade em temas de carácter mais leve ou mais pessoal, a versão de “Vampiros”, com o inevitável aplauso a Zeca, acabou por resultar mais frouxo, mas “O Rapaz da Camisola” Verde e o canónico “Com Um Brilhozinho nos Olhos” garantem o público na mão quando se anuncia a primeira despedida.

Há pateada a pedir mais, temos fãs a sério. Desaparece o cenário e chega “Lisboa que Amanhece”, antes do coro no insubstituível “Liberdade”. Estamos juntos.

Segundo encore com o “Homem-Fantasma” e o “Primeiro Dia”. O final, mesmo final, chega com “A Noite Passada”. Sérgio Godinho continua a cultivar uma carreira com inteligência e bem senso, sabendo rodear-se de qualidade e a dosear bem aquilo que o público gosta. De preferência com Manuela Azevedo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

PES 2022 recebeu uma open beta surpresa para consolas

Disponível até ao dia 8 de julho. Andavam à espera de experimentar alguns aspetos do ansiado PES 2022? Pois bem,...

Icónico The Black Album dos Metallica vai ser reinterpretado por 53 artistas

A reedição do álbum icónico do grupo norte-americano será desvendada no dia 10 de setembro.