Ryanair: A bagagem de mão deixa de ser gratuita dentro da cabine

Acabou-se a festa. Farta dos constantes atrasos dos seus voos, a Ryanair mudou a sua política e anunciou uma novidade que não vai agradar a ninguém: a bagagem de mão deixa de ser gratuita no avião. Podes levá-la na mesma, mas terás de pagar uma taxa adicional. Futuramente, apenas malas de senhora e semelhantes, sacos ou mochilas são gratuitos.

- Publicidade -

Até agora, a companhia aérea irlandesa permitia que levasses uma bagagem de mão e uma mala, saco ou mochila para dentro da cabine, sem custos extra associados. No entanto, o problema desta “oferta” era, precisamente, o atraso constante dos voos da companhia.

Portanto, a partir de 1 de novembro, cada passageiro só pode levar uma mochila, saco ou mala de senhora ou equivalente (para colocar debaixo do assento) para dentro do avião, sendo que a mala maior terá de ir obrigatoriamente para o porão, sem custos adicionais. Ou não. Há possibilidade de continuar a levar as duas para a cabine, mas tem um custo extra. Tens de adquirir o embarque prioritário Plus, Flexi Plus ou Family Plus, que custa 5€ no momento da reserva, ou 6€ se adicionares essa opção mais tarde.

Ou seja, caso não queiras pagar, a alternativa é despachar a mala de cabine no “check-in” de forma gratuita, para depois ser recolhida na zona das bagagens à chegada ao aeroporto de destino. Na prática nem soa assim tão mal, mas para pessoas que gostam de chegar atrasadas aos voos de partida e para aqueles que ficarem com as malas extraviadas no destino, é algo que não será assim tão positivo.

ryanairbagagem Echoboomer
Diz adeus a isto.

Porque é que isto acontece? A razão prende-se exatamente com voos lotados em situações em que as mochilas de grandes dimensões não cabem debaixo do assento, ocupando o espaço de armazenamento acima das cabeças dos passageiros. O resultado final é que alguns clientes deixam de ter espaço para a própria mala, obrigando a dita cuja a ser enviada para o porão. Parecendo que não, isso atrasa a descolagem.

De modo a incentivar as pessoas a despachar as malas para o porão, a Ryanair anunciou também algumas mudanças a serem aplicadas a partir de dia 1 de novembro. Neste caso, o peso máximo por mala aceite no check-in aumenta dos atuais 15 para os 20kg, sendo que o custo de despachar a bagagem que já se pagava antes desce dos 40 para os 25 euros. Assim, a bagagem de mão que levavas normalmente para a cabine vai para o porão sem custos, porém, uma outra mala que precises de levar passa a custar 25 euros.

Também a partir de 1 de novembro passam a existir duas filas no embarque: uma para “passageiros com Embarque Prioritário com duas malas” e outra para “passageiros sem Embarque Prioritário com uma mala apenas”. Se um passageiro sem embarque prioritário recusar-se a colocar a mala no porão, ficará em terra e não poderá viajar com a companhia, não tendo direito, sequer, a reembolso. Já quem viaja com bebés poderá levar uma pequena mala de cinco quilos na cabine.

Esta alteração irá custar à Ryanair mais de 50 milhões de euros por ano.

Segue-nos nas redes sociais no FacebookTwitter e Instagram.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Dune falha o Natal e só chega em outubro de 2021

Expectável, mas doloroso.

Algumas companhias aéreas preparam-se para proibir toda a bagagem de mão

Tudo para minimizar o risco de propagação da Covid-19.

Death Stranding para PC adiado para julho

Inicialmente agendado para 2 de junho, Death Stranding chega ao PC no dia 14 de julho, cerca de seis semanas depois do esperado.

Wastelanders, a nova expansão de Fallout 76 vai atrasar uma semana

Inicialmente prevista para dia 7 de abril, Wastelanders para Fallout 76 chega agora no dia 14.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Centro comercial Glicínias Plaza “reabre” totalmente remodelado

Já os cinemas NOS, tão aguardados, só abrem no primeiro trimestre de 2022.

The Weeknd cancela concertos em Portugal

Mas não são necessariamente más notícias.

ID No Limits passa a festival de três dias

E também há novidades no cartaz.