Ruínas Romanas de Troia reabriram ao público

Ao mesmo tempo, foram iniciadas novas escavações arqueológicas.

Ruínas Romanas de Troia
- Publicidade -

Andavam à procura da altura certa para uma visita às Ruínas Romanas de Troia? Pois bem, temos boas notícias. As vistas reabriram no início deste mês, podendo ser feitas entre quarta-feira e domingos até ao final de outubro. Abril é também o mês em que se iniciaram novas escavações arqueológicas, numa oportunidade para dar continuidade aos trabalhos que têm vindo a ser desenvolvidos pela equipa de arqueologia do Troia Resort desde 2007.

Ao longo destes anos, a equipa escavou várias áreas e identificou 29 oficinas de salga de peixe. Os estudos científicos, reflectidos em mais de duas dezenas de artigos publicados, e, nomeadamente, a comparação com outros sítios designados para a mesma função no mundo romano, permitiram perceber que a Tróia romana era o maior centro de produção de salgas de peixe do mundo romano.

Os trabalhos arqueológicos previstos na Declaração de Impacte Ambiental da UNOP 4 são, assim, a nova oportunidade para se prosseguir a investigação neste sítio de reconhecida relevância histórica e arqueológico.

Os trabalhos já se iniciaram e incidem nas áreas de ocupação contemporânea do sítio, nomeadamente na envolvente do chamado Palácio Sottomayor, construído nos anos 20 do século XX, nos seus pátios e nos edifícios circundantes, e também entre a basílica tardo-romana e a capela de Nossa Senhora de Tróia.

Um dos trabalhos previstos será a escavação de parte do acesso pedonal à capela, que assenta sobre um cemitério do século IV-V com sepulturas que imitam mesas, nas quais se efetuavam refeições em comunhão com os defuntos ou se depositavam oferendas. Durante o decorrer dos trabalhos, cuja perspetiva é de que se prolonguem até ao final de agosto, será criado um acesso alternativo à capela, sendo que, após a sua finalização, o acesso habitual será novamente reposto.

As Ruínas Romanas de Troia, classificadas como Monumento Nacional desde 1910, estão situadas na margem do rio Sado, na face nordeste da península de Troia. A poucos minutos da zona central de Troia, na outrora presumível Ilha de Ácala e que hoje se insere na Rede Natura 2000, os visitantes são convidados a viajar no tempo.

Envolto num ambiente de beleza natural ímpar, as visitas pelas ruínas da “Pompeia de Setúbal”, conforme foi referida por Hans Christian Andersen, dão a conhecer um monumento nacional que sobreviveu mais de 2000 anos, com casas, fábricas, termas, mausoléu e necrópole, que identificam a cidadania romana. Na época romana, este terá sido um dos maiores e mais interessantes complexos fabris de conservas de peixe do Império Romano e do Mediterrâneo Ocidental, com uma extensão de quase dois quilómetros. Da instalação industrial faziam parte oficinas e tanques de salga (cetárias) de peixe e marisco que se destinavam à produção do garum, um condimento muito apreciado pelo povo romano.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Garum é retirado dos tanques das Ruínas Romanas de Tróia

Algo realizado pela primeira vez em mais de quinze séculos.

Vai ser possível visitar os novos trabalhos arqueológicos em Troia ainda em setembro

Mas atenção: é num dia específico e os lugares são limitados.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Nova funcionalidade da Bolt impede uso de trotinetes e bicicletas sob efeito de álcool

A nova funcionalidade tem como objetivo promover viagens mais seguras para os utilizadores e para os restantes ocupantes da via pública.

Harry Potter: Hogwarts Tournament of Houses chega ainda este mês à HBO Portugal

Está a chegar o evento de competição do mundo mágico de Harry Potter apresentado por Helen Mirren.

Mercadona abre supermercado em Valongo

É o 28º supermercado da cadeia em Portugal.