Restaurante ERVA – Aqui não se come só verde

Fomos em busca de uma experiência única e diferente e foi em plena Lisboa que encontrámos o seu “pulmão”, o restaurante ERVA.

- Publicidade -

Diferente de muitos outros restaurantes existentes na área, o ERVA traz uma lufada de ar fresco aos seus visitantes, quer pela sua decoração algo invulgar, quer pela magnífica “fotossíntese” da comida criada pelo chef Carlos Gonçalves. É como um convite para explorar outras artérias da capital lisboeta.

E este convite inicia-se logo fora do próprio espaço. Não é possível entrar a partir do hotel onde o Erva está inserido (o luxuoso Corinthia Hotel), mas sim apenas no exterior do espaço, onde começa a experiência, na rua, quase como se fosse algo mesmo orgânico.

Todo o restaurante alude ao seu nome e faz-lhe jus: um interior ricamente decorado que conjuga plantas e arbustos evocativos da natureza com produtos de arte expostos. O ambiente é, também, convidativo, com um staff muito amigável e prestável e cozinha aberta que permite ver toda a ação a desenrolar-se enquanto os clientes aguardam pelos pratos.

Com esta sensação de proximidade e noção de transparência do ERVA, era altura de iniciarmos a refeição.

Como couvert, começa-se com um fantástico pão de azeitonas, bem quentinho, acompanhado pelo azeite extra-virgem e vinagre Quinta das Bageiras.

Logo depois, a não perder, veio um excelente snack, Gamba marinada com abacate e pele de frango crocante. Uma opção que se revela acertada para aperitivo e que abre logo o apetite – a gamba bem suave que, curiosamente, assenta perfeitamente no crocante de frango, servido como se fosse uma fina tosta retangular. Para um contraste de sabor chegou-nos pouco depois o Tártaro de lulas e batatas bravas com crème fraishe de lime, com as lulas a serem servidas dentro da própria batata. Muito bom.

Já nas entradas, e com o serviço rápido q.b., foi-nos dado a provar Bacalhau fresco com maionese de alho, pickle de cebola e molho unagui, fazendo uma combinação ótima no seu conjunto, mesmo que não pareça. É servido de uma forma muito peculiar.

Como prato principal, e não menos prometedor, esta degustação trouxe-nos Pá de cordeiro de leite assada com batata aligot, ideal para amantes de borrego, cujo sabor é muito idêntico. Mesmo para os que não apreciam esta carne de sabor intenso, vão encontrar aqui um prato que vos vai deliciar.

Para quem preferir, o peixe não se fica atrás: Corvina com arroz de lingueirão e salicórnia, igualmente inesquecível.

Com o estômago já bastante satisfeito, mas ainda com espaço para uma sobremesa, provámos o Brulée de yuzu com ananás dos Açores e merengue. Uma vez mais, o arrojo compensa, surpreendendo o paladar mais exigente: uma combinação fantástica entre o doce brulée e o leve aroma ácido do ananás (realmente delicioso).

Para completar a experiência, é trazido conjuntamente com o café um pastelinho de nata, um gesto simples mas que remete para a velha e reconfortante tradição portuguesa.

Genuíno, urbano, irreverente e natural são as palavras que melhor definem o ERVA. Privilegiando a portugalidade, o produto local, a autenticidade e a boa comida, o ERVA é um espaço muito promissor numa cidade cada vez mais cosmopolita e descentralizada.

O restaurante ERVA está aberto de quarta-feira a domingo das 12h30 às 15h30 e das 19h à 01h. As reservas devem ser feitas ligando para o 217 236 313 ou enviado um email para reservas@erva-restaurante.pt.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Há um novo restaurante McDonald’s na Ribeira do Porto

É a segunda abertura de um restaurante da marca em 2021.

Concorrentes de Hell’s Kitchen abrem restaurante em Vila Verde

Mas este não será um restaurante qualquer.

Taco Bell abre restaurante no Centro Vasco da Gama

A Taco Bell passará a contar com cinco restaurantes em Portugal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.