Monchique Resort & Spa – Um autêntico refúgio no meio das montanhas

- Publicidade -

Com vistas incríveis, um staff muito atencioso e quartos muitíssimo acolhedores, qualquer hóspede irá passar bons momentos no Monchique Resort & Spa.

Bem sabemos que os dias bem quentes já lá vão e que chegou o tempo da chuva (tão e cada vez mais necessária) e de ficar em casa com uma bebida quentinha e aconchegados no sofá a ver algum filme na televisão ou a ler um bom livro. Mas isso não significa que não possamos dar uma escapadinha. É por isso que perguntamos aos nossos leitores: e se aproveitassem o melhor que o nosso país tem para oferecer, mesmo em época baixa?

Ora, é isso que propõe o Monchique Resort & Spa, um hotel “escondido” nas belas serranias algarvias, mais concretamente nos socalcos da belíssima Serra de Monchique, que tem tudo de bom que há para oferecer: magníficos quartos, comida boa, staff impecável e uma maravilhosa piscina aquecida. Mas este é um hotel que já conta com alguma história, uma vez que já teve várias designações e donos.

Tudo começou em 2010 quando, em plena crise económica, foi inaugurado o Longevity Wellness Resort Monchique, um hotel que se demarcou dos restantes do país devido ao seu conceito, focado na medicina antienvelhecimento. Infelizmente, as coisas não correram como o esperado, e o espaço encerrou portas em 2014.

Dois anos depois, o projeto foi vendido ao Discovery Portugal Real Estate Fund, que investiu cinco milhões de euros na renovação do hotel. Passou a chamar-se Macdonald Monchique Resort & Spa, sendo gerido sobre a marca Macdonald Hotels & Resorts.

Mas em 2019 houve uma nova mudança: o hotel, que era gerido pela Macdonald Hotels & resorts, passou para “as mãos” da DHM – Discovery Hotel Management. E com essa mudança, veio também um novo nome, mais simples: Monchique Resort & Spa. E foi com esta designação que pudemos visitar o hotel, numa experiência que vamos querer certamente repetir brevemente.

No que às “especificações” diz respeito, o Monchique Resort & Spa apresenta-se com 185 suites, três restaurantes, um bar, duas piscinas (uma aquecida), Spa e até um Kids Club. Claro que existem áreas verdes e de jardim que não poderiam faltar neste hotel, já que existe uma aposta clara em experiências votadas para a natureza, como por exemplo trackings, que o hotel fornece em conjunto com outras atividades que os hóspedes podem experimentar. Tudo isto é disponibilizado numa agenda aquando do check-in. Podem também fazer ioga, no espaço dedicado para o efeito que existe no exterior, mas para isso é preciso que não esteja a chover.

Uma suite fantástica, com tudo (até com boa Internet)

Ao chegarmos ao sítio do hotel, a primeira coisa a fazer foi ir à receção tratar do check-in, onde nos foi dito que teríamos lugares à disposição na garagem, sem custos acrescidos. Já com o carro estacionado, fomos prontamente ajudados pelo camareiro, que levou as nossas malas até ao nosso quarto. Como estava um tempo chuvoso, a garagem deu, de facto, muito jeito, e trata-se de uma grande mais-valia, que eleva logo o conforto dos hóspedes a outro nível. Fomos então em direção ao piso onde que estava o nosso quarto e, na verdade, a ajuda do camareiro foi bastante útil, já que o hotel conta com três edifícios (ligados entre si) de vários andares, além de vários pontos de acesso para o exterior, algo elucidativo da envergadura deste hotel.

Podíamos salientar apenas que ficámos deveras impressionados com o seu tamanho e estrutura, mas a verdade é que, por vezes, ficámos um pouco “perdidos”, pois o hotel acaba por ser um pouco labiríntico – vimos algumas pessoas também “perdidas” -, apesar de existirem indicações (embora nem sempre totalmente claras) e um staff prontíssimo a ajudar. Acreditamos que, com o passar do tempo, fique mais fácil para os hóspedes se orientarem. Já no nosso quarto, pudemos contar com o habitual “miminho” que sempre nos brindam os hotéis 5*. Neste caso, tivemos direito a um pastel-de-nata com frutos vermelhos e duas garrafinhas de melosa que comemos e bebemos prontamente, respetivamente (uma menção honrosa para a política do hotel que sempre nos repôs as garrafinhas quando estas ficavam vazias, o que ainda aconteceu algumas vezes, já que era a melosa era mesmo fantástica).

Em termos da suite em si, a Panorâmica Terraço, ficámos rendidos. Que suite espetacular! Só a vista merece um destaque especial, pois é impagável acordar ao som daquela natureza toda que nos rodeia, e o facto de termos o quarto em separado de uma sala open space com kitchenette e não uma, mas duas casas de banho, fazem desta suite a melhor onde já estivemos alojados até à data. Achámos que o espaço era mais que perfeito, com uma decoração sóbria, mas elegante, e muito bem equipado para passar umas férias ou fazer um retiro com o melhor dos luxos e tranquilidade.

A cozinha trazia tudo o que era necessário, desde loiça até uma máquina de café Nespresso (com cápsulas de cafe para usar e também saquetas de chá), além de uns snacks da Frubis. Claro que não poderia faltar uma garrafa de Água Monchique para receber os clientes à grande e à portuguesa. A kitchenette está ainda equipada com microondas, torradeira, exaustor e placa de cozinhar, além de uma máquina de lavar loiça. As casas de banho (incrivelmente grandes para casas de banho de hotel) estavam imaculadas e também possuíam algo imprescindível para muitas mulheres, mas que muitos hotéis não costumam ter: bidé. Em termos de amenities tinham shampoo, amaciador do cabelo e um body scrub. No final do banho tomado, há robes à disposição. Não falta mesmo nada.

Já para quem for até ao Monchique Resort & Spa e necessitar de boa Internet para algum trabalho ou, simplesmente, para ficar a par da atualidade do mundo, pode ficar descansado. Em cada quarto está disponível uma ligação exclusiva para cada hóspede, sendo que basta ligar a TV (que neste caso funciona como router) para se ter acesso a uma ligação Wi-Fi de qualidade.

Dependendo da suite, podem ter direito a varanda ou a terraço. Nós ficámos numa suite com terraço, onde se encontrava uma mesa com cadeiras e duas espreguiçadeiras que são excelentes para ficar a apreciar a maravilhosa vista de um modo mais recatado. Resumindo, as suites do Monchique Resort & Spa propõem, de facto, umas férias relaxantes e com todo o conforto possível.

Há uma piscina coberta com água aquecida

O mesmo se passa com o resto do hotel em si que, e apesar de ser um pouco labiríntico, não deixa de ser um espaço que nos agradou bastante, quer seja pela atmosfera cozy ou pelo seu espaço exterior envolvente. Uma das coisas que nós gostamos sempre de testar são, claro, as piscinas, e podemos dizer que, com a chuva, acabámos por ficar a usufruir mais tempo da piscina coberta climatizada, que estava a uma temperatura mesmo agradável. E como era época baixa, tivemos a sorte de estarmos quase sozinhos a usufruir do espaço. O único ponto negativo aqui é que, devido à chuva, pudemos constatar algumas fugas na cobertura, sendo que iam caindo alguns pingos para a água da piscina. Algo a resolver quando o hotel estiver encerrado.

Já tínhamos falado de boa comida no início do texto, mas não chegámos a explicar. O Monchique Resort & Spa tem, de facto, um total de três restaurantes, além de um cocktail bar, mas, dependendo da época, somente poderão estar a funcionar dois deles, ou até mesmo só um. E como visitámos o espaço em setembro, pudemos experimentar dois deles: Serra e a Pizzaria Serra (entretanto já encerrada). Localizados em pontos distintos do hotel e com diferentes cardápios, o que ambos têm de similar é uma vista maravilhosa para a costa algarvia.

Na primeira noite acabámos por selecionar a Pizzaria Serra para o jantar e não ficámos arrependidos: optámos por ficar na esplanada e usufruir de uma refeição com a melhor vista dos arredores. Aliás, adorámos também o facto de o restaurante ter umas janelas amplas que permitem, mesmo não comendo na esplanada, usufruir igualmente da paisagem desde o interior, com toda a luz natural proporcionada. A decoração é extremamente chic e elegante, com quadros que exploram o estilo vintage com um twist moderno. A noite estava agradável e fomos comendo e falando descontraidamente, quase como se estivéssemos na nossa própria casa. Uma nota para o staff, super simpático e muito prestável, com o qual acabámos por ter dois dedos de conversa e aproveitar, ainda mais, uma excelente noite de setembro. Mas vamos ao que interessa concretamente: a comida.

Uns pratos que se destacam, outros nem por isso

Para iniciar pedimos duas entradas, Bruschetta de mozzarella, tomate e chouriço da serra e Pão de alho e queijo. Ambas estavam bastante saborosas – somos suspeitos porque adoramos tudo o que tenha queijo -, mas realmente sentimos que estávamos a dar uma trincadela numa verdadeira bruschetta italiana. A acompanhar com dois saborosos cocktails, foi um início de uma noite perfeita! E claro, não poderiam faltar as belas das pizzas… que infelizmente não foram as melhores que já comemos. Aqui escolhemos uma pizza Mexicana, bastante picante como se quer, mas sem impressionar, e a Diavolla, que, confessamos, nos desiludiu. Trata-se de uma pizza sem molho na base, mas com uma cama de cebola camamelizada. Para começar, a cebola não estava totalmente caramelizada, e depois, a falta de molho denuncia uma pizza que acaba por tornar-se bastante seca, sem graça e sensaborona. É uma opção demasiado simples, pelo que terão melhores opção no menu.

Para encerrar este capítulo da noite, ainda nos chegou à mesa um delicioso Tiramisù (uma das nossas sobremesas favoritas) e uma Panacotta de frutos vermelhos, com a qual também não ficámos muito agradados. Muito líquida e com um sabor somente OK. No fim, acabámos por beber um medronho para fechar a noite ao som das cigarras e de uma bela conversa.

Finda a primeira noite, chegou-se a manhã do dia seguinte, e logo fomos para a zona do Mercado Culinário, onde é servido o pequeno almoço. É um local ótimo para workshops gastronómicos, daí ser indicado para eventos de grupos, mas somente apanhámos o “espaço a funcionar” para o pequeno almoço, onde podem esperar encontrar o típico. Várias variedades de pão, tostas, ovos mexidos, crepes, waffles, toppings e peças de fruta, além de uma variedade de bebidas que podem selecionar de uma máquina automática, bem como águas, sumos e, até, champanhe. Nos dois dias em que estivemos alojados, a oferta foi sensivelmente a mesma. A nossa opinião? Esperávamos mais, na verdade. O hotel deveria apostar em melhores produtos – diversificar a oferta de fruta, por exemplo – e, também, em melhorar as bebidas: sumos que nem pareciam naturais e os cafés e derivados pouco interessantes.

Ao almoço, vez de experimentar o restaurante Serra, novamente com uma vista fantástica à frente dos olhos. Veio uma Sopa do Dia e uma Salada Caprese (com tomate tão frio que parecia ter sido retirado do frigorífico naquele momento), uma deliciosa Sangria, um Serra Burger (pão brioche, 160 grs de hambúrguer de novilho, queijo cheddar, bacon, ovo estrelado, molho barbecue e batata rústica) e um Prego da vazia em bolo do Caco (bife da vazia, presunto, queijo da ilha e batata rústica). Ambos os pratos principais estavam bastante bons, mas temos de destacar o prego da vazia, que estava bem gostoso e com a carne no ponto para poder ser desfeita facilmente.

Para finalizar, Brownie com manteiga de amendoim e sorvete de framboesa e, ainda, bolo regional. Apesar de o bolo regional não ter sido do nosso agrado, o Brownie tinha bastante qualidade, ainda que não estivesse ao nível de outros tantos que já provámos nos diversos restaurantes que experimentámos nas nossas experiências gastronómicas.

Aconteceu-nos ainda algo caricato: como não marcámos mesa para o jantar – falha nossa, na verdade -, chegámos ao restaurante Serra minutos antes das 22h – adormecemos, lá está, novamente falha nossa. E não fomos atendidos. Hora algo tardia para servir jantar? Talvez, mas não deixa de ser estranho uma cozinha não aceitar mais clientes a partir das 22h quando, por norma, as cozinhas dos restaurantes encerram às 23h, ainda para mais quando falamos de um restaurante de hotel. O desleixo foi nosso, é certo, e acabou por não nos incomodar uma vez que ainda tínhamos o estômago demasiado cheio nesse dia, mas não deixa de ser estranha uma política algo… estranha. Por exemplo, se um cliente fizer um late check-in, e com a Pizzaria Serra já fechada, não terá hipóteses de jantar no restaurante. A solução? Sair do Monchique Resort & Spa e ir jantar a um restaurante que fica a alguns minutos de carro. Portanto, sigam o nosso conselho e tentem jantar por volta das 21h. Não arrisquem ir muito mais tarde.

Uma última nota para o SPA. Apesar de não termos experimentado nenhum dos serviços, existem várias massagens e tratamentos à disposição, além de uma piscina interior muito convidativa e na qual poderão passar certamente bons momentos.

No final de tudo, e mesmo que, para nós, a comida tenha sido a parte mais fraca da experiência, não podemos deixar de recomendar uma ida ao Monchique Resort & Spa. Com vistas incríveis, um staff muito atencioso e quartos muitíssimo acolhedores, qualquer um irá passar ali bons momentos, onde irá recarregar baterias, mesmo que seja numa escapadinha.

Atenção: o Monchique Resort & Spa está encerrado de dezembro a fevereiro, voltando a abrir ao público a 1 de março. Até lá, têm até ao final de novembro para aproveitar preços mais em conta.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes