Análise – Razer Kraken Tournament Edition

Uma das características mais comuns nos equipamentos da Razer é a iluminação dinâmica, que, sem darmos conta, acaba por acrescentar valor aos equipamentos, tornando-os, por vezes, mais caros do que o desejável.

- Publicidade -

Esse acréscimo pode ser observado em vários periféricos, como ratos, teclados, comandos para consolas e em auscultadores, que, nas suas versões “lite”, conseguem ser suficientemente bons para convencer até os utilizadores mais exigentes.

Um desses exemplos é o Razer Kraken Tournament Edition, um par de auscultadores gaming que coloca de lado funções supérfluas e vai direito ao assunto, tornando-se um dos periféricos mais competitivos na sua gama.

Inspirado na linha Kraken, o Tournament Edition é um par de auscultadores estéreo com fios desenhado a pensar no conforto e qualidade acessíveis, enquanto que pelo meio aproveita para acrescentar outras características que, no papel, prometem amplificar a experiência.

Com o mesmo design dos outros equipamentos da linha Kraken, como indicado no início desta analise, o Razer Chroma fica de fora, ou seja, não temos LED RGB nem cores para personalizar. Para lhe dar uma certa identidade, a marca optou por lançar os Tournament Edition em tons de Verde Neon opaco que revestem grande parte dos materiais.

Bastante bem construído, com bons materiais, onde se destaca o suporte metálico revestido com almofadas e tecidos suaves, o Razer Kraken Tournament Edition é um par bem ergonómico e grande. Ajustando-se facilmente a qualquer cabeça e tapando por completo as nossas orelhas, apresenta um bom efeito acústico na sua utilização.

As almofadas escondem por dentro um gel de arrefecimento para tornar as sessões de utilização longas mais confortáveis, sendo maleáveis o suficiente para permitir o uso de óculos sem qualquer problema.

HDhgmWbyHpHMn 6EyiLVeRRaG3pD3l9GtvW1qtPr0OCXSYTTYQWJKPTC

 

Conta ainda com um microfone retrátil que pode ser usado para sessões de jogo online ou conversas no Skype (e outras aplicações) e, como tem um cabo de quase metro e meio (1.3m) com ficha de 3.5mm e controlador de volume, pode ser usado basicamente com todas as consolas.

Mas os Razer Kraken Tournament Edition têm uma vantagem para os utilizadores de PC. Graças a um adaptador USB, é possível não só controlar alguns aspetos do som, como a intensidade dos baixos e o volume do áudio de jogo em relação ao som do chat, como também ativar um modo de som espacial, o sistema THX Spatial Audio.

Numa primeira utilização, os Razer Kraken Tournament Edition causam logo muito boa impressão. O seu conforto, a abertura das cúpulas que deixa os nossos ouvidos respirar, juntamente com os fortes baixos que estes auscultadores produzem, tornam qualquer jogo ou filme numa experiência pesada com sons encorpados e distintos. De repente, sempre que alguém fala, parece que veio da mesma escola que o senhor que narra trailers de filmes.

Graças ao controlador externo, podemos controlar essa intensidade e, quando é bem equilibrada, os tiros nos jogos ou sons de motores são mais fortes, dando uma sensação de fisicalidade extra, comparado com o uso dos Razer Kraken Tournament Edition ligados apenas com o cabo 3.5mm.

Mesmo com o som em estéreo, a distribuição espacial dos sons é muito bem conseguida. Os sons são claros e distintos, o que é ótimo para quem procura um equipamento para ligar ao comando da Xbox One ou da PlayStation 4.

No PC, é possível usar o sistema THX, que também impressiona numa primeira impressão, amplificando a sensação de direção de cada som e ajustando melhor a diferença de níveis de cada som.

Através do Razer Synapse, podemos controlar até quais as aplicações ou jogos que queremos que tenham o THX ligado quando estamos em ambiente multitarefas, sendo possível criar perfis de equalização dependendo das preferências do utilizador.

HluztvVawRNY9342Chy6KfcDzJrHNKALRSVLQ2B vCUEVVRPHJPeJ29pEBHF7KGWTWaYG7TUaTaaJcmLwLgoHBCjElsAyAvQLYNlB1DkkcHLfPZW YTLvLVnllUSV7qcohqpIyn=w2400

Da mesma forma que podemos criar estes perfis e a experiência acaba por ser subjetiva, também o uso do sistema THX é subjetivo. Dependendo do tipo de jogo ou de conteúdo multimédia que estamos a usar, o THX não é uma solução universal, assim como os fortes baixos no máximo.

Para ver um filme ou ouvir música, o sistema THX pode não ser recomendado, e, em jogos, depende muito da forma como estes usam os sons.

Não quer isto dizer que são más opções, antes pelo contrário, até porque revela que os Razer Kraken Tournament Edition são bastante versáteis e personalizáveis em relação à experiência sonora, o que é uma grande vantagem.

A nível do microfone, os Razer Kraken Tournament Edition comportam-se bastante bem, com uma captura de áudio limpa e com modos de normalização e clareza de voz que permitem que os nossos amigos nos ouçam bastante bem e com uma qualidade muito aceitável para quem produz conteúdos multimédia, como vídeos comentados ou streaming de jogos.

Contudo, todas estas funções requerem o uso de software extra, com o Razer Synapse, que é uma aplicação relativamente pesada por integrar compatibilidade com todos os outros produtos da Razer. É frequente a aplicação deixar de funcionar e o sistema THX não atuar mesmo quando clicando no controlador.

Os Razer Kraken Tournament Edition podem perder um dos ingredientes mais característicos da Razer, mas, no fim do dia, apostam naquilo que é essencial. Com as suas limitações, neste caso enquanto uma solução com fios, oferece tudo o que é possível, e talvez um pouco mais, demarcando-se como um par de auscultadores de alta qualidade, compatíveis com praticamente todas as plataformas de jogos e a um preço bem em conta de 99.99€, quando comparados com a concorrência.

Este produto foi cedido para teste pela Razer.

[penci_review]

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,026FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
788SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.

Análise – R-Type Final 2 (PlayStation 4)

Um regresso há muito esperado de uma das séries mais icónicas do género shoot’em up.

Análise – New Pokémon Snap (Nintendo Switch)

Uma viagem nostálgica e refrescante, mas limitada.

Análise – Returnal (PlayStation 5)

“Vive, morre, repete”, neste jogo de ação frenético da nova geração.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo filme de Dragon Ball Super prestes a ser anunciado

Houve um leak acidental... do site oficial.

First Cow vai ficar disponível em Portugal em exclusivo na MUBI

Quererá isto dizer que não vai chegar aos cinemas portugueses?

Análise – Teclado G.Skill RIPJAWS KM570 RGB

Oiçam o clicar das teclas deste teclado da G.Skill.