Public Service Broadcasting dão dois concertos em Portugal

- Publicidade -

Depois de um concerto abençoado pela chuva na edição deste ano do NOS Primavera Sound, os londrinos Public Service Broadcasting dão este domingo, dia 2 de dezembro, um espetáculo em nome próprio no Lisboa ao Vivo. No dia seguinte, seguem viagem até ao Porto para um concerto no Hard Club.

Liderados pelo guitarrista e vocalista J. Willgoose Esq. com a ajuda de Wrigglesworth (bateria e piano) e JF Abraham (fliscorne, baixo, percussão e outros instrumentos), os Public Service Broadcasting praticam um post-rock cinemático, variando também pelo mundo do krautrock e uma electrónica meio synth-pop.

Não são estreantes em Portugal, mas, ao nosso país, vêm apresentar novamente os temas de Every Valley, álbum lançado no início do ano passado e que retrata a história de uma classe trabalhadora marginalizada numa época de turbulência distante.

Para quem já os viu ao vivo, sabe que são conhecidos pelas suas transmissões audiovisuais ao vivo que difundem amostras de antigos programas de rádio e televisão, material de arquivo e material de propaganda, enquanto ensinam as lições do passado através da música do futuro.

Quanto aos concertos, os bilhetes ainda estão disponíveis para ambas as datas, tendo o o preço fixo de 22€. Os concertos começam às 21h e não há banda de abertura.


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Lefty às direitas na apresentação de Andrómeda no Maus Hábitos

Uma banda para continuar a acompanhar e a valorizar.

Há mais bilhetes à venda para o concerto de Tash Sultana em Portugal

O que significa que não haverá restrições na lotação.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Burlões viram-se para a Vinted para roubar dinheiro

O Portal da Queixa identificou um aumento no número de que envolvem burlas online.

Governo criar criar mais 10 mil lugares de creche em todo o país nos próximos anos

O Estado deixa de apoiar exclusivamente as famílias de mais baixos rendimentos (1.º e 2.º escalões) e passa a abranger todas as crianças independentemente do rendimento das famílias.