Promotores e agentes culturais pedem ao Governo que clarifique a situação dos reembolsos

Tal como já aqui referimos no Echo Boomer, o Decreto-Lei n.º 10-I/2020 veio estabelecer medidas excecionais e temporárias de resposta à pandemia da doença COVID-19 no âmbito cultural e artístico, em especial quanto aos espetáculos não realizados.

Porém, existem imensos consumidores que estão na dúvida quanto à situação dos reagendamentos/adiamentos de espetáculos. No Artigo 4.º deste novo decreto, que diz respeito ao “Reagendamento de espetáculos”, é certo que não existe nenhum ponto referente ao reembolso. Aliás, reembolsos só mesmo em caso de cancelamento.

reembolso

No entanto, e uma vez que nesse mesmo artigo não existe um ponto que diga que não existe reembolso, há consumidores que insistentemente querem acreditar que, de facto, se assim o quiserem, poderão pedir reembolso em caso de um adiamento.

Tendo estas dúvidas em conta, dezenas de promotores e agentes culturais escreveram ao Governo não só para pedir uma linha de crédito específica para o setor, mas também para que faça alterações ao decreto-lei que regula os adiamentos de espetáculos.

Numa carta onde constam mais de 80 agentes e produtores, pede-se ao Governo e partidos políticos que definam “sem tibiezas ou margem para dúvidas, que, nos casos de reagendamento [de espetáculos] não haverá lugar à restituição do preço dos bilhetes, o que só se infere do diploma pela via interpretativa”.

Segundo o Decreto-Lei n.º 10-I/2020, aprovado a 26 de março, os espetáculos afetados pela pandemia de COVID-19 devem, sempre que possível, ser reagendados num prazo máximo de um ano após a data inicialmente prevista.

Nos casos em que não seja possível adiar, as devoluções dos bilhetes podem ocorrer até 60 dias após o cancelamento, podendo os espectadores pedir uma troca por entradas noutros espetáculos.

O documento estipula também que “as entidades públicas que tenham de cancelar os espetáculos por impossibilidade de reagendamento dos mesmos podem proceder ao pagamento do preço dos compromissos anteriormente assumidos, caso o bem ou serviço tenha sido efetivamente prestado, ou na respetiva proporção”.

Fonte:LUSA
- Publicidade -

Sigam-nos

10,595FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
609SeguidoresSeguir

Relacionados

CLIVEON. Está a chegar numa plataforma de venda e transmissão de espetáculos

A CLIVEON surge dos esforços da BOL e da Brain Entertainment.

Festivais. Vai ser possível pedir reembolso, mas somente em 2022

Depois de sabermos que os bilhetes atuais valerão um vale de igual valor ao preço pago, há agora boas e más notícias para quem pretendia um reembolso.
- Publicidade -

Mais Recentes

Ru Sinel de Cordes vai ter mais duetos com humoristas no Porto

Depois do sucesso das quatro primeiras datas, seguem-se outras tantas com novos convidados.

A Corsair tem um touchscreen dedicado aos teclados

Um companheiro útil para quem passa muito tempo na secretária.