Ponte sobre o Rio Mondego cortada ao trânsito durante um ano

- Publicidade -

Já não é possível circular pela ponte.

A Infraestruturas de Portugal está a desenvolver uma empreitada de reabilitação da Ponte sobre o Rio Mondego situada na EN347 a sul de Montemor-o-Velho e a norte de Alfarelos, no concelho de Soure, distrito de Coimbra.

Em resultado das inspeções periódicas ao estado de conservação da Ponte que a IP desenvolveu, foram identificadas diversas anomalias que têm evoluído de forma desfavorável e que urge corrigir, pelo que importa dar início a esta intervenção.

A programação definida pela IP para a realização da empreitada foi condicionada pela existência de uma conduta de gás, de grandes dimensões, instalada na Ponte sobre o Mondego, e que a concessionária dessa infraestrutura teve de, previamente, proceder à sua remoção.

Acresce ainda que, em conformidade com as orientações emitidas pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), para a execução dos trabalhos no leito do Rio Mondego, a primeira fase da obra, que incide sobre o pilar situado no canal de rega do Mondego, terá de ser concluída até 1 de março de 2023. A segunda fase dos trabalhos, no leito do rio, só pode desenvolvida entre março e novembro.

No âmbito da empreitada serão realizados trabalhos de reforço das fundações dos pilares, o prolongamento dos maciços de encabeçamento e a construção de uma estrutura de suporte para as cargas verticais e transversais transmitidas pelo tabuleiro. A obra inclui também a limpeza geral das superfícies do tabuleiro e dos pilares, a reparação e pintura de guarda-corpos metálicos, a substituição das juntas de dilatação e dos aparelhos de apoio, incluindo abertura de roços na laje do tabuleiro e nos encontros, bem como a reabilitação e revestimento nos passeios.

Para a execução destes trabalhos, a IP teve de proceder à interdição de tráfego na ponte sobre o rio Mondego, pelo que desde o passado dia 14 de novembro passou a ser impossível circular por ali. O corte do trânsito tem a duração prevista de 12 meses até à conclusão dos trabalhos.

Durante esse período serão criados os seguintes percursos alternativos, que estarão devidamente sinalizados no local:

Para veículos Ligeiros

  • Utilizar a EN 341 e M601 passando por Verride e Vila Nova da Barca

Para o trânsito de veículos pesados

  • Utilizar a EN342 passando por Soure e Louriçal até à EN109 ou A17;
  • Utilizar a EN347 direção Condeixa até ao IC2 ou A1

O custo desta empreitada é de cerca de 2,4 milhões de euros.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes