Pearl de VALORANT – Mais do que uma homenagem, uma evolução natural para a narrativa do jogo

- Publicidade -

A equipa da Riot Games juntou o útil ao agradável, desenhando um mapa apaixonante para os jogadores portugueses.

Já falámos aqui várias vezes de Pearl, o novo mapa de VALORANT. E não é para menos, pois o novo campo de batalha é altamente inspirado na cultura Portuguesa, inspirado nas nossas cidades costeiras, com temas aquáticos, referências apaixonantes e elementos que transcendem o mundo virtual, pintando, literalmente, as ruas de Lisboa.

Curiosos com os porquês, tivemos a oportunidade de falar com um dos membros da equipa da Riot Games, Joe Lansford, Líder do Design de Mapas.

Numa breve conversa, refletimos que, com raras exceções, como a presença da nossa bandeirinha em jogos desportivos, Pearl marca quase uma estreia, pelo menos recente, de um mapa oficial num jogo AAA, inspirado na cultura nacional. Segundo Lansford, a passagem por terras lusas já estava, de alguma forma, planeada através de brainstorms, onde olhavam para “onde já estiveram” e “para onde querem ir”.

De acordo com o produtor, revisitar a Europa era o plano e Portugal foi escolhido de acordo com o que “necessitávamos para a narrativa do mapa”, inspirado em nações costeiras e pela oportunidade de representar um país sem grande presença virtual. “Sentimos que há muita cultura e história rica para partilhar com o mundo,” conta-nos Lansford.

Por esta altura, os jogadores mais dedicados e curiosos já limparam o mapa de uma ponta à outra, numa caça ao tesouro a todas as referências nacionais. E não é para menos, pois são às dezenas. Trata-se de um trabalho feito juntamente com a equipa da GOATPixel, a agência portuguesa que representa a Riot Games em Portugal, que não se poupou a abraçar a sua Portugalidade, com, por exemplo, a criação de um fado original para o jogo.

Como seria de esperar, o fadinho é um dos elementos favoritos da equipa, mas, segundo Lansford, a equipa da Riot Games está “muito entusiasmada” para que os jogadores vejam, por exemplo, o elétrico amarelo convertido a um bar e esplanada, os azulejos azuis e brancos que fazem algumas das paredes do mapa, a presença do Galo de Barcelos, entre outras surpresas.

Neste momento, VALORANT tem atraído as atenções dos jogadores, não só portugueses, mas da comunidade internacional, pois Pearl marca também o início de um novo capítulo, a continuação de uma narrativa planeada pela equipa a pensar em futuros eventos. Dá-se assim início ao Episódio 5, intitulado como Dimensions, onde apresenta os agentes (as personagens escolhidas pelos jogadores) como heróis numa realidade alternativa.

Dada a evolução do jogo, lançado originalmente em 2020, e com todas as transformações mecânicas, adição de novos heróis e mapas, não resistimos em questionar se agora é, de facto, a melhor altura para começar a jogar VALORANT.

Sem surpresa, Lansford diz-nos que é sempre uma boa altura para começar a jogar, mas dá-nos também um conselho: “Não se preocupem com o vosso KDA ou em ganhar. Aprendam a jogar e divirtam-se especialmente com amigo, ajuda imenso.”

VALORANT está disponível para PC de forma gratuita e podem conhecer mais sobre o jogo e os seus novos conteúdos no seu site oficial.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Do virtual para o mundo real, a arte urbana inspirada em VALORANT invade Lisboa

Há sete spots em Lisboa para conhecer obras de arte temáticas aos novos conteúdos de VALORANT.

Valorant recebe um mapa “à Portuguesa”. Chama-se Pearl e dá início ao novo episódio

O Episódio 5: Dimensions é um mapa muito especial para a comunidade nacional.

Valorant vai ter uma “Área Secreta” no Rock in Rio Lisboa

O popular jogo da Riot Games não é cabeça de cartaz, mas poderá ser o centro das atenções para os jogadores.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Gelatieiri. A nova gelateria de Vila Real de Santo António tem gelados bem cremosos

E faz-nos lembrar vagamente a La Romana, que fomos experimentar recentemente em Lisboa.

Chuva de reclamações tapa o Sol da Caparica. Afinal, o que se passou?

Mas as palavras de desagrado do público parecem não ter surtido qualquer efeito junto dos promotores.