A pandemia de COVID-19 obrigou as empresas a acelerar o seu processo de digitalização

Com o teletrabalho tão em voga, mesmo que num momento em que as coisas voltam a funcionar novamente, é perfeitamente natural que a maioria das empresas se tenha adaptado ao digital.

processo de digitalização
- Publicidade -

Embora o teletrabalho seja possível desde há muitos anos – basta uma ligação à Internet para que possam efetuar o vosso trabalho a partir de um computador ou outro dispositivo tecnológico -, foi preciso vir uma pandemia para que realmente os patrões, e funcionários, pudessem compreender que não era preciso estar no escritório para efetuar as tarefas delineadas.

Na verdade, o trabalho remoto só era praticamente promovido por aqueles que trabalhavam por conta própria, tivessem o seu próprio negócio ou fossem freelancers. E trabalhar à distância só veio comprovar que não só os independentes podem trabalhar onde quiserem, mas também os colaboradores de empresas que podem operar em modo totalmente digital.

De facto, a pandemia permitiu perceber que muitas pessoas conseguiram adaptar-se ao trabalho sem quaisquer problemas, e muito desses funcionários pediram aos respetivos patrões para ficarem permanentemente em casa. As vantagens são várias: podem dar-se ao luxo de acordar mais tarde, uma vez que não têm de enfrentar o caos do trânsito diário; poupam dinheiro em deslocações; e, no fundo, acabam por ficar com mais tempo disponível, uma vez que não têm de fazer o trajeto casa-trabalho e trabalho-casa.

E umas vez que os trabalhadores ficam com mais tempo disponível, podem aproveitar não só para cuidarem melhor da sua vida, praticando exercício ou possibilitando a existência de um novo hobby, mas também para se divertirem com casinos online, aproveitando, por exemplo, o Rivalo código de bónus, de modo a que, dessa forma, possam ter um incentivo extra para apostarem o seu dinheiro.

Este tempo extra pode também ser útil para, por exemplo, tirar um curso online. Há estudos que revelam que os portugueses consideram que as formações online são uma ferramenta imprescindível para se instruírem sobre vários temas a curto prazo, com muita gente a ponderar tirar uma outra formação nos próximos tempos.

A verdade é que a pandemia veio mudar, e muito, o panorama das empresas. Embora muitos colaboradores queiram passar a trabalhar exclusivamente a partir de casa, outros preferem regressar ao local de trabalho, à rotina antiga, até porque privilegiam o contacto com outros colegas.

No entanto, a COVID também veio mostrar que as empresas tiveram de se adaptar rapidamente a esta nova realidade. E mesmo que muitos funcionários queiram regressar aos locais de trabalho, ninguém nos garante que, futuramente, não possamos voltar a passar por uma pandemia.

Dito isto, as empresas tiveram de contratar soluções VPN, de modo a encriptar dados sensíveis, tiveram de investir em novas soluções de segurança e, muito provavelmente, tiveram de fornecer portáteis e acessórios para que os seus colaboradores possam trabalhar a partir de casa.

Além disso, ferramentas como o TeamViewer, Microsoft Teams, Zoom e Skype são hoje muitíssimo utilizadas não só para reuniões, como para apoio remoto. As empresas tiveram também de investir em ferramentas dedicadas a passwords, bem como a soluções como o Evernote, para a criação e colaboração de documentos.

Com a pandemia, muitas empresas também compreenderam que, secalhar, não valia a pena apostar num espaço físico dedicado. Hoje em dia, muitas delas até trabalham em espaços de cowork, o que permite reduzir brutalmente os custos com um espaço dedicado, com rendas caríssimas e custos absurdos de despesas gerais.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.

Análise – PIVO, o cameraman inteligente

Chegou a Portugal uma nova ferramenta que vai facilitar a vida aos produtores de conteúdo e aos mais criativos com os seus smartphones.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.