Nova linha de alta velocidade entre Porto e Lisboa pode começar a operar somente com comboios espanhóis

- Publicidade -

Tudo devido ao adiamento do perdão à dívida da CP.

É a notícia que está a marcar o dia. Apesar de todos os planos feitos com a nova linha de alta velocidade, que colocará Lisboa a apenas 1h19 de distância do Porto a partir de 2030, parece que, afinal, essa linha pode começar a funcionar somente com comboios… operados por Espanha.

É o que diz o ECO, referindo estar tudo relacionado com o perdão à dívida da CP, que coloca em causa o que terá sido definido para a compra e chegada de material preparado para a nova linha. Ou seja, é provável que as coisas atrasem.

Recorde-se que a nova linha de alta velocidade está dividida em três fases:

  • A Fase 1 compreende o troço entre o Porto e Soure, com um investimento de cerca de 3000 milhões de Euros e conclusão prevista em 2028;
  • A Fase 2, entre Soure e o Carregado, tem um investimento estimado de 1900 milhões de Euros e deverá estar concluída até 2030.
  • A Fase 3, entre o Carregado e Lisboa, tem um impacto pequeno no tempo de viagem, pelo que só deverá ser construída mais tarde. Entretanto, o acesso dos comboios a Lisboa far-se-á pela linha do Norte, que será quadruplicada entre Alverca e Azambuja e terá, assim, capacidade para acomodar os serviços de alta velocidade.

Como podem constatar, prevê-se que a linha comece a operar em 2028. O problema é que, devido ao adiamento do perdão à dívida da CP, esse ano poderá ficar marcado pelo facto de, na linha, somente operarem comboios espanhóis.

Vamos por partes. O Orçamento do Estado para 2022 definiu uma verba de 1,81 mil milhões de euros de forma a reduzir em mais de 80% o passivo da transportadora. A questão é que, e de acordo com o Público, praticamente nada ainda foi feito, e o Governo vai, muito em breve, pedir nova autorização ao Parlamento para injetar mais capital na empresa. Fala-se de um montante de 1,899 mil milhões de euros.

Já no Orçamento do Estado para 2023, está previsto o lançamento de um concurso para a aquisição de 12 novos comboios de alta velocidade, no valor de 336 milhões de euros. Só que, enquanto não for feito o perdão da dívida à CP, a empresa pública não conseguirá ter material para circular na nova linha entre Porto e Lisboa. Isto porque, e uma vez que farão parte do serviço comercial da CP, os novos comboios não poderão ser comprados com financiamento do Estado.

A adicionar a tudo isto, é de realçar que a compra de comboios é um processo desgastante e que leva vários anos. Portanto, não se espera que as novas composições cheguem à CP antes de 2030. E, relembre-se, em 2028 deverá estar concluída a Fase 1 da nova linha de alta velocidade.

Uma coisa é certa: a partir do próximo ano, a espanhola Renfe terá a funcionar um comboio de alta velocidade, o Avril, para circular a 300 km/h na linha entre Ourense e Santiago de Compostela. E assim sendo, 2028 poderá deixar a nova linha de alta velocidade nas mãos daquela empresa…

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes