NOS Alive 2018 | Queens of the Stone Age – Podem soar dançáveis, mas ainda desfilam umas boas malhas

Quem tem vindo a acompanhar o percurso dos Queens of the Stone Age, banda de Josh Homme e companhia sabe que, nos anos mais recentes, os rapazes têm-se virado um pouco para um rock mais dançável e não tão destrutivo. Se isso já se notava ligeiramente em … Like Clockwork, de 2013, ficou confirmado com o mais recente Villains, do ano passado, que teve mão de Mark Ronson. E, no NOS Alive, apesar do bom concerto e de nos ter feito esquecer a passagem pelo Rock in Rio Lisboa, já não tivemos uma atitude tão animal como em anos anteriores.

- Publicidade -

Introduzidos ao som da música “Singin’ in the Rain” e, logo depois, pelo tema do filme Laranja Mecânica, os americanos arrancaram ao som de “Feet Don’t Fail Me”, que é, também o primeiro tema do mais recente álbum de estúdio, e que, curiosamente, ainda não tinham vindo mostrar a Portugal.

Como é óbvio, Villains teve algum destaque no alinhamento do concerto – “The Way You Used to Do”, “Domesticated Animals” e “The Evil Has Landed” -, especialmente com o apelo à dança por parte de Josh Homme, ele que, quando quer, é bem mais brando que o desejável, nem parecendo aquele rocker bad boy como tão bem o conhecemos.

Mesmo tendo entrado em palco com alguns minutos de atraso, percebeu-se a euforia dos fãs mais acérrimos por verem a banda novamente – muitos não os foram ver à Bela Vista, e ainda bem – à espera que tocassem aqueles clássicos.

É, também, curioso percebe que, apesar de Villains não ter agradado a todos os fãs da banda, especialmente dado o seu tom mais descontraído, as músicas do álbum soam mais pesadas ao vivo e enchem-nos mais as medidas.

Sem falar muito com o público além do que é “obrigatório” – os habituais “obrigado”, “adoramo-vos” e “foram incríveis” – Josh Homme e os seus rapazes apenas nos queriam brindar com uma boa noite de Rock&Roll.

É, no entanto, com as músicas do belísismo … Like Clockwork, Era Vulgaris, Lullabies to Paralyze e do portentoso Songs for the Deaf que os festivaleiros mais vibram. “No One Knows”, que contou com um incrível solo do baterista Jon Theodore, foi incrível, “Make It Wit Chu” apelou ao amor e ao sexo, “Little Sister” foi a mais celebrada e, no final, a destruição completa com “Go With the Flow” e, qual mais, “A Song for the Dead”.

Ainda que não tenha sido o melhor concerto que vimos da banda por cá, os Queens of the Stone Age foram muitíssimo competentes durante a cerca de hora e meia de espetáculo que deram perante o seu público. Nota-se, porém, que já não existe tanta agressividade, nem por parte da banda, nem por parte do público, mas isso fica para outro texto e, também, para outro festival. Daqui, ficam as memórias de boas malhas e da certeza que eles não vão parar por aqui.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Spiral: From the Book of Saw

Spiral pode oferecer sangue, gore e armadilhas/homicídios brutais o suficiente para os fãs da franchise, mas no geral, não deixa de ser apenas mais uma versão preguiçosa e previsível da fórmula de SAW.

Crítica – Wrath of Man

Wrath of Man não é um filme único, fascinante ou mesmo inovador, mas não deixa de ser uma das maiores e melhores surpresas do ano.

Metz regressam a Portugal no próximo ano

O trio canadiano dará dois concertos: um no Porto e outro em Lisboa.

Crítica – The Mitchells vs. The Machines

The Mitchells vs. The Machines pode não ter o título mais catchy de sempre, mas é definitivamente um dos melhores filmes de animação dos últimos anos.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.