MyCloma. A plataforma portuguesa para recolha, compra e venda de roupa em segunda mão

Além de incentivar a compra destes produtos, os responsáveis da MyCloma querem ajudar a reduzir a pegada ecológica do setor têxtil em Portugal.

MyCloma
- Publicidade -

A ideia de todo o conceito é da fundadora Ana Catarina Monteiro, jovem estudante universitária do curso de Contabilidade, no Porto. Por ser alguém com forte sensibilidade para as questões ligadas à sustentabilidade e ecologia, idealizou a criação de uma empresa que contribuísse para reduzir eficazmente o impacto ambiental associado ao excesso de consumo de roupa e acessórios em Portugal.

Assim, e já com a ajuda de mais quatro jovens portugueses, eis que surge a MyCloma, uma plataforma online que tem como principal objetivo promover a economia circular através do prolongamento da vida útil da roupa, reduzindo, assim, o impacto ambiental da roupa que compramos com uma vertente social.

Qualquer pessoa pode solicitar um pedido de recolha de vestuário e/ou acessórios que pretende vender sem sair do conforto de sua casa. Basta preencher um formulário, arranjar uma embalagem e colar uma etiqueta que a plataforma irá enviar via email. Depois é esperar que a transportadora passe pelo local a recolher.

Estas peças serão posteriormente validadas, fotografadas e colocadas à venda na plataforma. No prazo de 10 dias úteis desde a receção das peças, a equipa MyCloma enviará um e-mail com a valorização correspondente. Caso o dono original concorde – após cinco dias assumem a aprovação tácita da tua parte -, a peça ou peças de roupa estão prontas para ter um novo dono.

Caso os produtos enviados não preencham os requisitos de qualidade estipulados, o cliente tem a opção de pedir a sua devolução ou optar que a MyCloma entregue diretamente numa organização sem fins lucrativos (ONG) parceira da empresa.

Após a venda, o cliente poderá reinvestir o ganho das vendas noutros artigos ou, caso pretenda, solicitar a transferência para a sua conta bancária, que pode demorar até 30 dias. Em relação a esta questão dos ganhos, a MyCloma quer dar a quem compra e a quem vende o preço mais justo. Para isso, criaram uma tabela que privilegia as melhores peças de roupa.

Assim, quanto melhor a peça, maior a valorização e maior a percentagem dada ao cliente. Ao valor de cada peça será subtraído um custo de gestão de 2€. Estes valores terão de ser acrescidos de IVA à taxa de lei em vigor.

A plataforma já conta com mais de 400 artigos, sendo atualizada com novas adições diariamente.

No que toca ao pagamento, a MyCloma aceita Multibanco ou MBWay. Já os portes de envio são de 3,99€, valor esse que é oferecido em encomendas superiores a 29,99€.

- Publicidade -

Parceiros

Relacionados

Já é possível comprar roupa em segunda mão em quatro lojas Auchan

E ao entregarem as roupas que já não usam recebem em troca vales de compras.

Toda a roupa da Primark vai ser produzida a partir de materiais reciclados ou de origem sustentável até 2030

A marca promete criar ofertas mais sustentáveis e acessíveis a todos.

Está de volta a coleção do Lidl que levou as pessoas à loucura. E com novidades

A famosa coleção com o logótipo do Lidl está de volta às lojas, a partir do dia 8 de julho, com novos artigos para este Verão.

Famosa coleção de roupa e calçado do Lidl à venda em Portugal

Várias peças chegaram a estar à venda no eBay por 2.000€. Lançada em julho, deste ano, em países como a...
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Blizzard revela um novo jogo de aventura e fantasia para PC e consola

Ainda sem nome, este poderá ser um dos novos jogos lançados sob a nova alçada da Microsoft.

Tabu. Este é o nome do novo programa de Bruno Nogueira

Desta vez, o conhecido humorista pega num formato que fez sucesso lá fora.

AMAL aprova candidaturas de projetos que visam reduzir perdas reais de água na região do Algarve

As candidaturas foram aprovadas no decorrer da 1ª reunião da Comissão de Gestão do PRR, da Comunidade Intermunicipal do Algarve.