Mrs. Fletcher, a milf de que não estavas à espera

-

Suponho que a Milf seja uma figura recorrente no imaginário de alguns jovens. Suponho também que esta seja idealizada enquanto uma mulher mais velha e atraente que sabe falar sobre as ideias de Sartre e comportar-se de forma confiante e determinada. Calculo ainda que o interesse por esta figura surja principalmente durante a transição de “rapaz” para “homem”. E a questão que levanto, meus caros, é a seguinte: Porque raios é que uma mulher assim estaria interessada em passar o tempo dela convosco?

A verdade é que esta mulher não está interessada. Quem pode estar interessada é uma mulher mais velha, igualmente inteligente, que está a passar por uma descoberta qualquer. Uma mulher que se apercebeu que ainda não viveu o suficiente, que ainda não se descobriu o suficiente. Uma mulher que, possivelmente, e infelizmente, ainda se sente desconfortável com ela própria. Pelo menos, esta é a Mrs. Fletcher (Kathryn Hahn).

Nos primeiros dois episódios, a personagem até me deixava desconfortável. Existe uma certa ansiedade e angústia nela que são inquietantes para quem vê de fora. Às vezes, transmite a sensação de que alguém a fechou dentro do corpo dela, não sabendo como escapar de si mesma. Tudo nela é um pouco constrangedor. 

Mas não é só ela. Quase todas as personagens de destaque estão a passar por uma fase assim. Todas parecem estar a lidar com a realidade de quem são e dos ajustes que têm que fazer face aos novos contextos a que foram expostas. O filho da Mrs. Fletcher (Jackson White) é um exemplo disso. Também ele está a redescobrir-se, mas, ao contrário da mãe, ele não se está a redescobrir através dos seus próprios olhos, mas sim através dos julgamentos dos outros. 

Outrora o miúdo fixe da secundária, ele passa a ser um miúdo quase que indesejado na universidade. Os ideais que o movem são vistos como superficiais e desinteressantes – ele não é estranho o suficiente para ser aceite. Ele torna-se “ básico”. ( Quem está familiarizado com a cultura americana, perceberá a conotação que este termo tem. Quem não está, o meu conselho é que não perca tempo com isso porque o termo é pretensioso e preconceituoso.) 

A série parece-me realista em determinada medida. Digo “parece-me” porque não tenho quarenta anos e, por isso, não sei como é estar nessa fase da vida, mas dado aquilo que vejo e ouço acerca do assunto, acho que se assemelha à realidade. Quanto à personagem do filho, já não tenho tanta certeza. Contudo, tal pode advir das diferenças culturais entre as experiências universitárias da Europa e as dos Estados Unidos.

Honestamente, acho que, em Portugal, o filho da Mrs. Fletcher seria um gajo que idolatra as praxes e anda há dez anos a fazer o curso porque tem a maturidade e a motivação de uma uva passa enrugada. Ou seja, não teria quaisquer problemas em integrar-se, mas sim a desapegar-se.

Mas voltando à mãe dele, a profissão dela foi uma escolha interessante porque o facto dela trabalhar com idosos é um elemento enriquecedor para a série. Houve até uma personagem que me fez pensar sobre a velhice. E não me estou a referir às rugas ou a essas tretas superficiais que no final do dia são insignificantes. Refiro-me, sim, à fragilidade da velhice. Uma das coisas mais assustadoras para mim é pensar que um dia poderei não ser capaz de limpar o meu próprio rabo. Sei que isto pode parecer uma coisa caricata, mas conseguem imaginar a posição indefesa e vulnerável duma pessoa assim? 

Alguém que não é capaz de executar um ato tão mundano e quotidiano como este, é alguém que se torna refém da vontade e da disposição dos outros e isso é uma posição terrível para se estar. 

Embora a personagem em questão não estivesse a passar exatamente por isto, ele também estava à mercê dos outros. O pior é que a fragilidade dele revelava-se duma forma inconveniente para a sociedade. E quando alguém se impõe como uma espécie de ameaça às normas sociais, esse alguém é excomungado para as margens. E não é que isto seja propriamente injusto, até porque é uma forma de proteger a comunidade, mas, ainda assim, é triste. A verdade é que não há espaço para todos ou pelo menos não existe espaço para acomodar toda a gente da mesma maneira. 

Em última análise, a série Mrs. Fletcher esforça-se para retratar as fases de adaptação pelas quais as pessoas passam, mas ainda não decidi se faz um bom trabalho ou não. Ou talvez a verdade seja outra – se calhar, não estou assim tão interessada em acompanhar o despertar sexual duma mulher na casa dos quarenta e também não quero saber das escolhas que o filho idiota dela vai fazer. Portanto, a escolha como sempre é vossa. Já sabem do que a série trata, agora ajam em conformidade.

Mrs. Fletcher está disponível na HBO Portugal.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos nas redes Sociais

9,801FãsGostar
4,005SeguidoresSeguir
478SeguidoresSeguir
- Publicidade -

Mais Recentes

A Padaria Portuguesa passa a utilizar embalagens de cartão nas lojas

Desde o final de 2019 que A Padaria Portuguesa tem vindo a eliminar os descartáveis das suas lojas.

Programa de inovação do Rock in Rio regressa em junho a Lisboa

Falamos, lá está, do Rock in Rio Innovation Week, que regressa em junho deste ano para a sua 3ª edição.

Burger King já chegou a Valongo

Abriu mais um restaurante da Burger King em Portugal, desta vez em Valongo. Fica localizado no Centro Comercial Valongo, na Rua Julião Sarmento.

Novo programa de fidelização da Olá dá gelados grátis a toda a gente

Andavam à procura da oportunidade certa para devorar um Swirl, mas sem que pagassem nada? Pois bem, graças ao novo programa de fidelização da Olá Gelados essa oportunidade chegou.

Site do Rock in Rio Lisboa começa pré-venda bilhetes na próxima terça-feira

É a partir de 21 de janeiro, próxima terça-feira, que passa a ser possível comprar bilhetes diários para o Rock in Rio Lisboa 2020 exclusivamente no site oficial do evento, sem qualquer taxa adicional.
- Publicidade -