MOTELX – Ivan Cardoso, o TerrirVel

Mais uma estreia nacional, como tantas outras a que o MOTELX já nos tem habituado. Desta vez abordamos o documentário Ivan, o TerrirVel, realizado por Mário Abbade, mais conhecido como crítico de cinema.

- Publicidade -

Em 103 minutos que passam a voar, é dado um panorama sobre a vida de Ivan Cardoso, figura maior de um género peculiarmente brasileiro. O terrir.

Figura da boémia cultural do Rio de Janeiro (adepto fanático do Botafogo, como não podia deixar de ser), Ivan Cardoso celebrizou-se em particular como realizador de As Sete Vampiras, mega sucesso de 1986 que trouxe para o grande público o terrir, ao contrário do seu mais clássico habitat no movimento do Cinema Marginal. Sempre com orçamentos escassos e organização perto de uma lógica de guerrilha, herdeira da influência de José Mojica Marins, o mítico Zé do Caixão com quem Cardoso colaborou. Deste caos nasceram obras onde o humor das chancadas brasileiras se mistura com os clássicos de terror da Universal, o estilo gótico da Hammer e as lógicas delirantes de figuras como o artista plástico Hélio Oiticica ou o poeta Torquato Neto, ligados ao tropicalismo.

O fio condutor do documentário são os relatos do próprio Ivan Cardoso, misturado com material de arquivo, animações e reconstituições de cenas. Ligado desde sempre às artes, Ivan começou como fotógrafo e, por portas travessas, atinge um lugar relevante no meio musical, sendo responsável pelas capas dos discos Fa-Tal, de Gal Costa, e Araçá Azul, de Caetano Veloso. No entanto, e nunca deixando de ser também escultor e pintor, o cinema acabou por ser a sua paixão maior. O cinema mais ligado ao terror e ao confronto com a morte. Diz o homenageado: “Fotos são necrológicos: no fundo, ao retratar uma pessoa, você está guardando algo que vai morrer. E eu vivo em sintonia com esses mortos.”

Esta inquietação é lidada numa lógica sem lógica, no nonsense, ligada a figuras clássicas do género do terror. Exemplo disto é uma das suas primeiras obras, a média metragem Nosferatu no Brasil, de 1971, onde o mítico vampiro, protagonizado por Torquato Neto, abandona Budapeste e vai passar férias ao Rio de Janeiro enquanto se diverte a sugar o sangue das moças locais.

Na primeira longa, O Segredo da Múmia, de 1982, Ivan Cardoso resgata um galã clássico do Brasil, Wilson Grey, no papel de um cientista que descobre a poção da imortalidade e ressuscita uma múmia egípcia. Esta obra foi muito bem recebida pela crítica e viria a premiar realizador e estrela principal.

E depois chega As Sete Vampiras, onde uma professora de dança (Nicole Puzzi) sofre o choque de ver o marido devorado por uma planta carnívora. Após um retiro, acaba por vir a trabalhar num clube nocturno para encenar o espectáculo As Sete Vampiras. Torna-se num sucesso, mas uma série de homicídios segue-se. As salas de cinema encheram-se.

Desde então nunca mais parou, de volta à normalidade anormal. Porém, chegou o reconhecimento internacional, as viagens aos festivais de cinema, as referências por figuras do cânone da 7ª Arte. O riso nunca o abandonou e as colaborações com atrizes como Cláudia Ohana (de fama Vamp nas tardes de RTP 2 para quem nasceu no princípio dos anos 80) ou músicos míticos como Raul Seixas e Tim Maia nunca pararam.

Ivan Cardoso é um dos melhores exemplos daquilo que tem garantido ao MOTELX um lugar à parte no panorama vasto dos festivais de cinema em Portugal: a homenagem em vida a estes heróis de um cinema que tem vivido mais de sombras do que de luz. Aliás, foi um dos primeiros convidados de honra do Festival, em 2007. Torna-se particularmente relevante por ser originário daquele irmão distante e próximo, o Brasil, e como as dificuldades vividas por este tipo de criador é comum dos dois lados do Atlântico. A miséria adora companhia. A miséria em fazer aquilo que se gosta, ainda mais. Tal como é mencionado no documentário o grande Nelson Rodrigues, “Artista tem de ser vaiado”.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Conhecida a programação completa da 14.ª edição do MOTELX

Malasaña 32 é o filme de abertura e The Rental o de encerramento.

MOTELX com dois dias extra na edição deste ano

Tudo para que o público possa desfrutar do festival com todo o conforto e segurança.

MOTELX – Homenagem a Jack Taylor

Tal como há uns meses atrás na Festa do Cinema Italiano, o São Jorge parece uma colmeia, tal a...

“Blood Machines” recebe um fantástico trailer antes da sua passagem pelo MOTELX

Blood Machines passa amanhã no Cinema São Jorge, fazendo parte da programação do MOTELX.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Confirma-se: Apple Music vai ganhar formato Lossless Audio sem custos adicionais

A nova opção fica disponível para os subscritores do serviço já no próximo mês de junho.

Chegou o Dewar’s 8 Caribbean Smooth, um whisky duplamente envelhecido e finalizado em barricas de rum

Reúne o melhor de dois mundos, a Escócia e as Caraíbas, numa mistura despreocupada de culturas e sabores inesperados.