fbpx

Meizu Zero: O smartphone sem botões e buracos que custa mais de 1100 euros

A Meizu não é uma marca estranha no mercado tecnológico, contando com um leque bastante interessante de smartphones. Aliás, lojas conhecidas como a Worten, PC Diga ou Phone House apostam cada vez mais nestas marcas não tão conhecidas dos clientes em geral, como é o caso da tecnológica chinesa.

Agora, a empresa criou no passado dia 30 de janeiro uma campanha de crowdfunding no Indiegogo que dá aos utilizadores a possibilidade de serem um dos poucos do mundo a ter um Meizu Zero, o primeiro smartphone a nível mundial que não tem nem botões físicos, nem orifícios.

É isso mesmo que leram. É um telemóvel do futuro que larga aquilo a que estamos tão habituados, daí o nome “Zero”. Aqui não existe nem o botão de ligar/desligar nem o de aumentar/diminuir volume, muito menos uma entrada USB para carregamento do smartphone ou entrada para auricular. “Então e como é que se liga o equipamento?”, perguntam. Bem, neste caso existem botões virtuais nas laterais para o efeito, ou seja, o smartphone acaba por reconhecer o toque dos nossos dados para as tarefas que desejamos executar.

Na parte frontal, o dispositivo é quase todo ele só ecrã, existindo ligeiras bordas, uma delas para a câmara frontal. Já na traseira temos uma câmara dupla.

[photonic type=’google’ view=’photos’ album_id=’AIlW2TUfSjTYK_MK_Kc1D7LzTeC1MuHw1mkItLdsjjSxp47wa6_h9vU’ main_size=’1600′ layout=’random’]

Em termos de outras características, sabe-se que tem um ecrã AMOLED FullHD+ de 5,99″, o processador Snapdragon 845 e certificação IP68 para resistência a água e a poeiras. Já o sensor bihométrico está inserido no ecrã, assim como as colunas de som, que, não estando visíveis, estão debaixo do ecrã, restando saber como é que isto irá funcionar na prática.

Na verdade, existem somente dois “buracos”, mas necessários: um para o microfone e outro para fazer hard-reset (estranho), caso seja necessário.

E sim, adivinharam, não há slot para cartões SIM, ou seja, o Meizu Zero funciona com a tecnologia eSIM, dispensando por completo estes cartões a que estamos tão habituado a trocar quando trocamos de equipamento. Ou seja, para quem pensar em adquirir este smartphone do futuro, tem de ter em atenção que, caso o deseje utilizador como equipamento diário, terá de optar por utilizar os serviços de uma operadora virtual que esteja disponível em Portugal.



Por último, para carregar o smartphone, tem de usar um base wireless. Neste caso, a base wireless carrega a uma velocidade de 18W, que, embora não sendo tão rápido a carregar como os mais recentes topos de gama no mercado, carrega mais rápido que a maior parte dos telemóveis no mercado. E atenção, estamos a falar de uma tecnologia sem fios.

Agora, o preço. Na altura de escrita deste artigo, estão disponíveis somente 88 Meizu Zero dos 100 anunciados na campanha do Indiegogo. Um deles pode ser vosso por cerca de 1.135€.

É caro? Sim, mas poderão dizer que, nesta fase, serão dos poucos clientes do mundo a ter um Meizu Zero. Caso comprem, a vossa unidade deverá ser enviada já em abril.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Vivo X50 Pro e X50 Pro+ são os primeiros smartphones com um sistema de câmara gimbal

Na prática, significa que deverão oferecer uma estabilização sem precedentes no que toca à captura de fotos e vídeos.

Samsung Galaxy Z Flip. Afinal, como é ter um smartphone que se dobra em concha?

Durante estes dias, tive oportunidade de usar e abusar do mais recente dobrável da Samsung. Mas será este um smartphone para todos?

OPPO A91 já está disponível em Portugal

À venda nas principais lojas por 359€.
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Urbanista Stockholm Plus

Caso estejam à procura de uma earphones True Wireless cuja relação qualidade-preço faça valer o investimento, os Urbanista Stockholm Plus são uma aposta segura.

Stand Up Sessions está de volta e leva Hugo Sousa e Ana Garcia Martins a Guimarães

E a estes dois junta-se ainda o já amplamente conhecido Nilton.