Centro Comercial Colombo e o NorteShopping já têm pop-up stores que vendem as famosas máscaras da MO

É a primeira máscara têxtil testada contra o SARS-CoV-2 pelo Instituto de Medicina Molecular.

MOxAd-Tech
- Publicidade -

Foi em abril que falámos pela primeira vez nestas máscaras desenvolvidas pela Sonae Fashion, através da sua marca de vestuário MO, em parceria com a comunidade científica e industrial, nomeadamente com a fabricante Adalberto, o centro tecnológico CITEVE, o Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa e a Universidade do Minho. A MOxAd-Tech é a primeira máscara com capacidade comprovada de inativar o vírus que causa a Covid-19.

Assim, não é de admirar que este produto seja promovido aqui e ali. A MO tem desde o início deste mês duas pop-stores para venda de máscaras no Centro Comercial Colombo e o NorteShopping.

As pop-up stores estão localizadas no Piso 0 de ambos os shoppings, onde estarão presentes durante os próximos dois meses. De resto, e como já deverão saber, a MOxAd-Tech está hoje disponível para venda nas mais de 120 Lojas MO e online. Cada unidade custa 10€.

- Publicidade -

Sigam-nos

12,770FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Oficial: Máscaras passam a ser obrigatórias na rua

A medida estará em vigor durante pelo menos três meses, podendo depois ser renovada.

MO lançou a já famosa máscara MOxAd-Tech em versão para crianças

Agora toda a família pode usar o mesmo tipo de máscaras.

MO lança linha especial de longsleeves anti-COVID para crianças

A coleção é inteiramente desenhada e fabricada em Portugal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

The Medium recebe um novo vídeo de jogabilidade e requisitos para a versão PC

Descobre o papel de um Medium no novo jogo de horror para as plataformas Xbox.

Balan Wonderworld vai receber uma demonstração no fim deste mês

Vão poder experimentar o novo jogo do criador de Sonic, antes do seu lançamento.

Queixas relacionadas com serviços de entrega de refeições ao domicílio disparam 190%

O que é perfeitamente normal, tendo em conta o elevado volume de encomendas registadas nas plataformas de delivery.