Lojas FNAC reabrem já esta sexta-feira

Exceto as lojas FNAC do Aeroporto de Lisboa e do Instituto Superior Técnico.

Lojas FNAC
- Publicidade -

Saudades de ir a uma loja FNAC ouvir alguns discos ou de experimentar alguns produtos tecnológicos? Pois bem, já o poderão fazer a partir desta sexta-feira.

Amanhã, dia 15 de maio, a empresa vai reabrir todas as suas lojas, exceto as do Aeroporto de Lisboa e do Instituto Superior Técnico. Reabrem também, nesta data, as lojas PC CLINIC de Almada, Cascais, Colombo, Linda-à-Velha e NorteShopping.

Na verdade, desde o início de maio que a FNAC tinha optado por reabrir algumas das suas lojas com base no critério da facilidade de acesso às mesmas, cumprindo todas as normas de higiene e segurança vigentes, sendo a principal o acesso máximo de cinco clientes por cada 100 m2 de área de venda.

Todas as lojas vão funcionar em horário restrito das 11h às 20h, com equipas preparadas para simplificar ao máximo cada processo de compra. Como seria de esperar, os fóruns FNAC vão continuar com programação suspensa em loja.

- Publicidade -

Parceiros

Relacionados

Aqui é Fresco abriu lojas de proximidade em Avis e em Tábua

Lojas de proximidade independentes, supermercados e minimercados, espalhadas por todo o país. Assim é a rede Aqui é Fresco.

Xiaomi vai também abrir lojas em Gondomar e Sintra até ao final do ano

Até ao final do ano, a marca vai contar com 17 lojas físicas em Portugal.

Londres recebe duas lojas pop-up dedicadas a David Bowie

O que significa que estarão em funcionamento por tempo limitado.

Meu Super abre três novas lojas

Em 10 anos, o Meu Super abriu cerca de 300 lojas em todo o país.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.

Continente abre primeira loja em Gouveia

Continua a expansão da marca da Sonae.

Lagoa dos Salgados será classificada como área protegida de âmbito nacional

Há 21 anos que, em Portugal, não era classificada nenhuma área protegida de interesse nacional.