Kool & The Gang – Celebrámos os bons momentos e foi mesmo “fixe”

Se há uma banda que é verdadeiramente cool, embora com “K”, são os Kool & The Gang.

- Publicidade -

Se alguém tem dúvidas ou pensa que o boogie e o funky são cenas para freaks e velhos nostálgicos, está redondamente enganado. O concerto de 30 de junho na Altice Arena não só fez dançar, como trouxe bom humor neste Verão que está ainda incerto.

A banda de Jersey City (New Jersey), fundada em 1964 pelos irmãos Robert “Kool” e Ronald Bell, prometia uma grande festa. E a festa foi divertida e cheia de dança, com gente bem-disposta, roupas vistosas e músicas antigas e intemporais.

Com mais de 50 anos de história, a banda foi, por força das circunstâncias, retocada no tempo e conta agora com a participação de 11 membros, só para reforçar a ideia de que “quantos mais somos, mais nos divertimos”, num continuum geracional que faz com que a festa nunca vá acabar.

Tendo em conta o número de pessoas que estava a dançar, a Altice Arena parecia quase uma discoteca, já que as cadeiras postas no meio da plateia tornaram-se completamente inúteis. Uma mistura de funk, R&B e disco fez-nos saltar atrás no tempo, especificamente aos dancefloor da América dos anos 70, um imaginário também tão querido ao cinema de Hollywood.

Um exemplo? O de Quentin Tarantino, realizador cuidado com a música dos próprios filmes que, depois de nos ter deixado ouvir no rádio Super Sounds dos anos 70 em Reservoir Dogs, escolheu mesmo “Jungle Boogie” dos K&G como parte da banda sonora da sua obra-prima Pulp Fiction, citando também a banda em Kill Bill.

Quentin à parte, o espectáculo dos K&G na Altice foi impecável, entre antigos session men e novos jovens músicos que, entre eles, trocavam frequentemente os instrumentos e o grande trompetista Michael Bay que, com quase 67 anos, deu-nos “um baile” no palco.

A banda interpretou todos os maiores sucessos, começando por “Tonight”, “Fresh”, “Too Hot” e a romântica “Joanna”. Se desde o início o público ficou de pé, ao cerne do concerto estava já completamente desinibido. De “Sexy (Where’d you get yours)” até ao funk de “Funky Stuff” e “Jungle Boogie”, a música coreográfica dos K&G acabou em crescente tocando os hits mais conhecidos, como “Ladies Night”, a fantástica “Get down on it” e, obviamente, “Celebration”, deixada como música final no encore.

23 álbuns, uma grande quantidade de singles, um invejável êxito comercial com milhões de cópias vendidas, vários prémios ganhos entre os Grammys Awards e os American Music Awards e mais de meio século de carreira. Uma tournée que continua (no passado 2 de julho tocaram no Casino do Estoril), talvez com a ideia de fazer em breve um novo álbum, entre outros projetos.

Está na hora de parar? Não há tempo, há gente que ainda quer dançar.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Ouve aqui o tema principal de The Batman

Michael Giacchino revela ao mundo a sua versão do tema do Batman.

Clã no M.Ou.Co – Foi uma prenda de Natal antecipada

Um bom presságio para 2022? Esperemos que sim.

Os 50 melhores álbuns de 2021

Após um 2020 que obrigou todo o mundo a ficar por casa, tinha a esperança que isso trouxesse muita diversidade de álbuns de qualidade. A minha intuição estava correcta, de facto!

Mão Morta no Festival Back to Back – No Fim Estávamos Quentes

Papinho cheio de ter visto quem nunca desilude. Para o ano é favor repetir.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Festival Afro Nation anuncia novos nomes, entre os quais Chris Brown

A pré-venda dos bilhetes começa dia 27 de janeiro.

Blizzard revela um novo jogo de aventura e fantasia para PC e consola

Ainda sem nome, este poderá ser um dos novos jogos lançados sob a nova alçada da Microsoft.

Tabu. Este é o nome do novo programa de Bruno Nogueira

Desta vez, o conhecido humorista pega num formato que fez sucesso lá fora.