IndieLisboa tem hoje performance que mistura música, cinema e videojogos

Nem só de filmes vive o IndieLisboa, conhecido festival internacional de cinema. O festival, a decorrer até dia 12 de maio, tem hoje à noite uma performance que misturará cinema, música e videojogos.

Chama-se Zone W/O People e trata-se de uma “gaming performance” criada por Oklou e Krampf. Oklou é música e já a conhecemos da curta After School Knife Fight, e Lucien Krampf é membro dos Casual Gabberz.

Este é um espetáculo que foi desenvolvido no programa da RedBull Music Academy e somente foi apresentado apenas duas vezes até ao momento. Oklou canta e ao mesmo tempo joga um vídeojogo criado pelos dois artistas: uma lúdica combinação de videojogo, cinema, música e performance que está muito próxima do universo estético dos franceses Caroline Poggi e Jonathan Vinel.

Aliás, foi esta dupla de realizadores franceses (que são o foco da secção Silvestre deste ano) que teve a ideia de trazer este espetáculo, após a organização do IndieLisboa 2019 lhes ter dado carta branca para programar uma sessão no festival.

A sessão acontece mais logo, às 21h30, nas Carpintarias De São Lázaro. Os bilhetes custam 5€ e estão à venda nos locais habituais.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,558FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
610SeguidoresSeguir

Relacionados

Os filmes que a NOS Audiovisuais quer trazer a Portugal este verão

Há filmes muito antecipados, reexibições e películas portuguesas.

Concertos dos Apocalyptica e Epica em Portugal reagendado para abril

Depois de terem reagendado a tour conjunta devido à pandemia, as bandas de metal Apocalyptica e Epica vão levar a The Epic Apocalipse Tour 2021 a palcos por toda a Europa já no próximo ano.
- Publicidade -

Mais Recentes

ZenZoe. Chegou a Portugal o robô que desinfeta áreas e objetos propícios à transmissão de COVID-19

O ZenZoe foi desenvolvido pela ASTI Mobile Robotics, empresa de tecnologia e robótica sediada em Espanha,...

Crítica – The King Of Staten Island

The King Of Staten Island emprega uma fórmula muito conhecida (e demasiado utilizada) que se estende em demasia, mas Judd Apatow equilibra-a com um sentido de humor negro com a ajuda dos seus co-argumentistas.

Análise – Mr. Driller DrillLand

Uma remasterização do clássico de 2002 que pouco adiciona ao original no que toca a conteúdos.