Grutas do Poço Velho vão poder ser visitadas por todos

- Publicidade - trk
- Publicidade -

Alvo de curiosidade há séculos, as Grutas do Poço Velho reabrem ao público.

A histórica necrópole do centro da vila, alvo de curiosidade há largas décadas e durante tanto tempo fechada ao público, vai abrir finalmente para visitas regulares aos fins de semana e feriados.

Não haverá cascalense que não conheça, passe por, ou já tenha estado, na entrada das grutas. O monumento fica na margem direita da Ribeira das Vinhas, a cerca de 500 metros da sua foz, na Praia da Ribeira, em plena vila de Cascais. “E não, as grutas do Poço Velho não vão ter ao Guincho, nem à Boca do Inferno como creêm os cascalenses mais velhos, agora todos podem comprovar isso ao vivo”, referiu Severino Rodrigues, arqueólogo e responsável pela Divisão de Arqueologia e Património Histórico da Câmara Municipal de Cascais.

As obras de requalificação que permitiram reabrir as grutas ao público

Nas duas antecâmaras foram promovidas obras de remodelação do espaço e recolocadas novas portas, que garantem a circulação de ar no interior das grutas, condição fundamental para o não desenvolvimento de fungos e líquenes no seu interior.

A entrada foi requalificada com a criação de duas pequenas salas, uma para arrumos e instalação do quadro elétrico e outra, do lado oposto, onde ficará a receção ao visitante e são guardados os capacetes, de uso obrigatório durante a circulação no interior das grutas.

Nas paredes da antecâmara de entrada foram aplicados painéis onde consta uma breve descrição da formação geológica, do decurso das investigações arqueológicas e do espólio que lhes está associado, que é complementada com a exibição de um pequeno filme sobre as grutas, apresentado num ecrã de grandes dimensões.

No interior da gruta foi criado um circuito para a circulação, com um passadiço construído em plástico, assinalado por uma suave iluminação lateral e limitado por barreiras físicas que não permitem o avanço para áreas não visitáveis. Em toda a gruta foi montado um circuito de iluminação LED, com a instalação de projetores, sempre que possível dissimulados, que potenciam a observação de toda a envolvente. Em situações pontuais procurou-se reproduzir a iluminação bruxuleante de archotes que procuram simular um cenário, mais sensorial, que nos remete para tempos pré-históricos.

Na antecâmara de saída, para além da pintura e limpeza do revestimento de pedra das paredes foram reparados e aumentados os degraus de acesso ao exterior. Esta foi a razão que obrigou à execução de uma nova cobertura metálica sobre toda a antecâmara.

No exterior, no canteiro que se encontra entre as duas antecâmaras, foi também instalada iluminação que durante a noite potencia a imagem do maciço rochoso de calcário no qual se encontra inclusa a gruta.

Aqui nasceu a identidade de Cascais

Tal como se explica aqui, em 1879, o geólogo Carlos Ribeiro (considerado o “fundador” da arqueologia cascalense) explorou pela primeira vez estas grutas, tendo detetado nos sedimentos que preenchiam o seu interior vestígios arqueológicos que vão desde o Paleolítico até à Antiguidade Tardia.

No entanto, a principal ocupação terá sido de época neolítica e calcolítica (4º e 3º milénios a. C.) e corresponde à utilização da gruta como necrópole, tendo sido identificados mais de uma centena de enterramentos.

Entre 1945 e 1947, o engenheiro Abreu Nunes promoveu novas intervenções neste sítio arqueológico, então sob a gestão da Junta de Turismo de Cascais. Os trabalhos de escavação permitiram recolher um diversificado conjunto de espólio funerário, que incluiu artefactos de pedra polida e lascada, artefactos votivos de calcário, placas de xisto decoradas, elementos de adorno e cerâmica. Algum do espólio recolhido neste sítio arqueológico encontra-se em exposição no Museu da Vila de Cascais.

As primeiras expressões religiosas, visíveis nos rituais funerários que nos permitem perceber a grande ligação que Cascais sempre teve ao mar e à exploração dos seus recursos naturais, estabelecem uma relação direta entre as primeiras comunidades humanas estabelecidas neste espaço e a definição de uma estrutura organizacional comunitária que virá a transformar-se muitos milénios depois no Cascais onde nascemos e vivemos atualmente.

Tendo sido ali que nasceu Cascais, o projeto de recuperação deste monumento e a criação de um circuito de visitação que permitirá a todos os cascalenses a visita e o conhecimento deste espaço, é simultaneamente um contributo de primeira importância para o reforço da atratividade da região enquanto destino turístico de excelência no contexto mundial, ao mesmo tempo que em termos pedagógicos potencia a possibilidade de a comunidade educativa de Cascais passar a deter uma ferramenta de interesse extraordinário para que as novas gerações possam conhecer e partilhar a memória comunitária municipal.

Para as visitas, saibam que se realizam aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h, até 30 de setembro. Se não puderem visitar as grutas presencialmente, podem sempre fazer uma visita virtual.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Rede Expressos estreia nova ligação de Cascais e Sintra para o Porto e vice-versa

Este percurso passa, também, por Fátima e Coimbra.

Há uma nova quinta urbana de produção de cogumelos em Cascais

Nasce agora um novo pólo Nãm Urban Farm que utiliza um recurso em fim de vida para dar origem a um alimento novo.

Domino’s Pizza também já tem uma loja em Cascais

A marca está a chegar a cada vez mais cidades.

Auchan investe 40 milhões de euros na nova loja de Cascais

Recorde-se que a Auchan de Cascais abriu portas pela primeira vez em 1973, na altura como Pão de Açúcar.
- Publicidade -
- Publicidade - trk
- Publicidade -

Mais Recentes

Nova Grande Rota em Portugal apresenta percurso circular com 280 quilómetros

Ou seja, é perfeita para os adeptos de caminhadas e BTT.

Análise – Nebula Solar Portable

Um projetor que pode ser adquirido por menos de 500€. Não pensem duas vezes.

Aeroporto do Porto distinguido como Best European Airport 2022

Aposta no desenvolvimento de rotas permitiu atingir em 2022 valores de conectividade próximos de 2019.