Glovo vai aceitar pagamentos via MB Way ainda este ano

- Publicidade -

E daqui a alguns anos, até poderá ser possível pedir a um estafeta que deixe a nossa roupa suja numa lavandaria, trazendo-a depois de volta quando o serviço estiver terminado.

A Glovo, app de entregas rápidas que sempre se destacou da concorrência por entregar outros tipos de produtos além das refeições, completa este mês cinco anos de existência em Portugal. E o crescimento é assinalável: de quatro funcionários, numa única cidade, e 30 colaboradores, passou para 120 funcionários, uma área de atuação em 94 localidades e um total de 10.000 colaboradores (contando com parceiros).

E se pensavam que a empresa podia, de alguma forma, apresentar sinais de estagnação, desenganem-se, pois não para de evoluir. Em entrevista ao Dinheiro Vivo, Joaquín Vázquez, diretor-geral da empresa, referiu que a expansão da Glovo em Portugal é “impressionante” e que “entre 20 a 25% dos nossos pedidos principais são Prime”, modalidade da empresa em que, mediante um pagamento mensal de 5,99€, oferece entregas gratuitas em restaurantes (pedidos de valor superior a 8€) e em supermercados (pedidos de valor superior a 15€).

O mais interessante da entrevista, porém, terá sido o facto de o responsável ter avançado que os pagamentos via MB Way vão finalmente ser suportados pela app ainda este ano. Esta será uma vantagem importante da Glovo relativamente à concorrência, como a Uber Eats (possui uma carteira virtual, o Uber Money, onde podemos ir depositando dinheiro) e Bolt Food (também com uma carteira virtual, o Saldo Bolt) que somente suportam de momento o pagamento via cartão de crédito ou de débito ou PayPal. Além disso, no caso da Bolt Food, cuja app somente tem uma avaliação de 3 estrelas nos dispositivos Android, a empresa tem sido muito demorada na sua expansão, não se podendo propriamente considerar uma concorrente da Glovo.

Recentemente, a empresa também fechou parcerias importantes com a Domino’s e H3, sendo o único serviço de delivery a efetuar as entregas. De acordo com Joaquín Vázquez, esta exclusividade é o “caminho a seguir nos próximos meses ou anos”.

O responsável indicou ainda que a Glovo vai continuar a ampliar o seu portefólio e saltar para outros serviços, dando o exemplo de testes que estão a ser efetuados noutros países, como “mandar a roupa para a lavandaria e ir depois buscá-la”.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes