Garnier doa um milhão de euros para combater o novo coronavírus

É mais uma das marcas a disponibilizar-se para ajudar quem mais precisa no combate à COVID-19. A Garnier anunciou que vai contribuir com 1 milhão de euros para apoiar a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) pelos seus esforços no combate ao novo coronavírus.

Garnier

Com esta parceria, a marca pretende prestar assistência urgente às comunidades mais vulneráveis à pandemia.

Integrada no Programa Europeu de Solidariedade para o Coronavírus desenvolvido pelo Grupo L’Oréal, a Garnier vai também produzir e distribuir gratuitamente vários milhões de unidades de gel hidroalcoólico a todos os clientes europeus na distribuição alimentar, para garantir a segurança de todos aqueles que se mantêm ativos para satisfazer as necessidades básicas dos consumidores.

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) é a maior rede humanitária do mundo, composta por 192 Cruz Vermelha nacionais e sociedades de Crescente Vermelho, que trabalham para salvar vidas e promover a dignidade em todo o mundo.

Fonte:FICV
- Publicidade -

Sigam-nos

10,563FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
610SeguidoresSeguir

Relacionados

Lighthouse é o robô desenvolvido parcialmente em Portugal que combate a COVID-19

Como seria de esperar, o robô recorrer a luz ultravioleta gama C (UV-C) para desinfetar os espaços por onde passa.

ZenZoe. Chegou a Portugal o robô que desinfeta áreas e objetos propícios à transmissão de COVID-19

O ZenZoe foi desenvolvido pela ASTI Mobile Robotics, empresa de tecnologia e robótica sediada em Espanha,...

Portugal passa a Estado de Alerta a partir de 1 de julho, exceto na Área Metropolitana de Lisboa

E tudo isto devido aos novos casos registados na Área Metropolitana de Lisboa.
- Publicidade -

Mais Recentes

Já é possível beber café com infusão a frio com as cápsulas Nescafé Dolce Gusto

Diz a marca que é uma a inovação no setor das cápsulas em Portugal.

Já há datas para o ano letivo 2020/2021

As primeiras cinco semanas servirão para recuperar matéria em atraso. Já as férias da Páscoa serão mais curtas.