Fonoteca Municipal do Porto tem o maior arquivo sonoro da cidade

Nasceu o maior arquivo sonoro da cidade, com mais de 35 mil discos de vinil.

A Fonoteca Municipal do Porto (FMP) já abriu portas. A inauguração decorreu no sábado passado naquele que era um inóspito armazém até há bem pouco tempo, próximo à Estação de Campanhã.

O propósito é que este acervo riquíssimo, na sua grande maioria proveniente de coleções doadas à Câmara do Porto pela Rádio Difusão Portuguesa e pela Rádio Renascença, seja utilizado o mais possível, não só por melómanos, mas por todos os públicos. Aliás, esse é precisamente um dos compromissos da Fonoteca Municipal do Porto: divulgar toda a coleção através da produção de podcasts, artigos e mostras visuais sobre artistas, temas, géneros, entre outros. E, além da divulgação, há uma segunda linha de compromisso pedagógico.

Assim que as regras impostas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) o permitam e assim que maturada esta vertente, a FMP oferecerá uma agenda de atividades que refletem a intenção de relacionar a história da música com a cultura contemporânea, onde se incluirão concertos de artistas convidados tendo como base o arquivo existente, programas de escuta ativa semanal, visitas escolares e residências artísticas.

Inserido na Arda, complexo dedicado à gravação e produção fonográfica, dirigido por João Brandão, e onde também ficam instalados músicos como André Tentúgal, o projeto da FMP estará sempre em potencial crescimento, já que continua aberto a doações, incluindo as provenientes de privados.

Durante este período e até novas indicações da DGS, será necessário efetuar uma marcação prévia (email ou ligando para o 221146789) para visitar e consultar o arquivo, em sessões com a duração máxima de uma hora e com a lotação de uma pessoa em cada sessão. Todas as visitas serão acompanhadas por um arquivista.

Sigam-nos

10,849FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Escola Digital. Primeiros 100 mil portáteis começam a ser distribuídos em novembro

Os portáteis são destinados a escolas dos territórios educativos de intervenção prioritária e a alunos beneficiários da ação social escolar.