Facebook: Estão a chegar novas medidas no combate a notícias falsas

No último ano e meio, o Facebook comprometeu-se a combater as notícias falsas, combinando tecnologia com revisão feita por pessoas, e removendo contas falsas, apostando em parcerias com verificadores de factos (fact-checking) e promovendo literacia noticiosa. Estes esforços nunca estarão concluídos e ainda há muito a fazer.

- Publicidade -

Como parte deste trabalho contínuo, o Facebook anuncia agora:

  • A expansão do seu programa de revisão de factos (fact-checking) a novos países;
  • A expansão deste fack-checking a fotografia e vídeo;
  • O aumento do impacto do fact-checking com a introdução de novas técnicas, incluindo a identificação de cópias e a utilização do Claim Review;
  • Ações contra novos tipos de reincidentes;
  • Melhoria de métricas e transparência através de parcerias com académicos

Expansão do seu programa de revisão de factos (fact-checking) a novos países

Desde o lançamento do seu programa de fact-checking por terceiros, na Primavera passada, que o Facebook expandiu esta rede a 14 países – aos quais outros se juntarão até ao final do ano. Estas entidades independentes e certificadas avaliam a exatidão das histórias publicadas no Facebook, ajudando a rede social a reduzir a propagação de histórias consideradas falsas em cerca de 80%.

Expansão do fack-checking a fotografia e vídeo

Um dos desafios no combate à desinformação é que esta se manifesta de forma diferente nos diversos tipos de conteúdos e países. Para combater esta questão, o Facebook alargou os seus testes de fact-check de fotografia e vídeo a quatro países – que inclui o que é manipulado (ex: vídeo editados que mostram algo que na realidade não aconteceu) ou tirado do contexto (ex: uma fotografia de uma tragédia anterior associada a outro conflito, noutra data).

Aumento do impacto do fact-checking com a introdução de novas técnicas

Com mais de um milhar de milhão de peças de conteúdo publicadas diariamente, o Facebook está ciente que os revisores de factos não conseguem rever todas as histórias uma por uma. Por isso mesmo, a rede social está a estudar novas formas de identificar notícias falsas e agir a uma escala maior.

O machine learning ajudará a identificar cópias de histórias sem qualquer crédito. Por exemplo, em França, um fack-checker descredibilizou a mensagem de que era possível salvar alguém de um ataque cardíaco, recorrendo a uma agulha para lhe picar os dedos e retirar sangue. Isto permitiu a identificação de mais de 20 domínios e 1400 links que espalhavam esta mensagem.

Os parceiros de verificação de factos passarão também a utilizar o Claim Review da Schema.org, uma framework open-source utilizada por várias empresas tecnológicas e organizações de verificação de dados. Este facilitará a partilha de ratings com o Facebook permitindo uma resposta mais rápida, sobretudo em alturas de crise.

Ações contra novos tipos de reincidentes

Historicamente, o Facebook tem recorrido aos ratings fornecidos pelos fact-checkers para identificar Páginas e domínios que, repetidamente, partilham notícias falsas. Nessa altura o Facebook atua, reduzindo a sua distribuição e retirando-lhes a sua capacidade de monetização. Para ajudar a restringir intervenções externas no discurso público, o Facebook começa agora a recorrer ao machine learning para identificar e reduzir páginas estrangeiras com maior probabilidade de disseminarem embustes com motivação financeira a pessoas de outros países.

Melhoria de métricas e transparência através de parcerias com académicos

Em abril, o Facebook anunciou uma nova iniciativa para ajudar a promover uma pesquisa independente sobre o papel das redes sociais nas eleições – e na democracia em geral. Nas próximas semanas, a comissão vai liderar um pedido de propostas para medir o volume e efeitos da desinformação no Facebook. De seguida, irá gerir um processo de revisão pelos seus pares para selecionar que académicos irão receber fundos pelas suas pesquisas e aceder a conjuntos de dados privados/protegidos. Esta pesquisa externa, validada, ajudará o Facebook perceber que progressos tem vindo a alcançar.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Facebook passa a permitir publicações anónimas nos grupos

A funcionalidade de publicação anónima permite às pessoas publicarem nos grupos, mas sem que tenham de partilhar publicamente os seus nomes.

Acontece este mês o primeiro evento online pago no Facebook em Portugal

Os Eventos Online Pagos do Facebook são uma nova forma de as páginas ganharem dinheiro com eventos online naquela rede social.

Facebook vai restringir o alcance de grupos que violam as regras

Será desta que vamos deixar de ver os famosos diretos de venda de roupa e outros produtos?
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

O hambúrguer Long, do Burger King, virou vegetal

Ao todo, a marca conta agora com três opções vegetais.

Análise – Jabra Evolve2 30

Forma e função num par de auscultadores destinado a quem passa muito tempo a trabalhar em frente ao PC.