Ensaio BMW 218d – Quatro Lugares ao Sol

Embora o Verão teime em não chegar em pleno, aventurei-me num descapotável, visto que, desta vez, tive a oportunidade de ensaiar o BMW 218d na sua versão Cabrio.

A versão em ensaio na sua cor Vermelho Melbourne Metalizada, e com os interiores em Pele Dakota, chama à atenção. Confesso que é uma combinação que gosto muito de ver, particularmente quando está com a capota fechada, fazendo o contraste com o preto da mesma.

Como vinha equipado com a versão Line Luxury, conta ainda com as jantes de 17” JLL 724 em cinzento Ferric. E já que falamos das jantes/pneus, uma das coisas que não me agradou muito, em termos estéticos, foi a distância demasiado grande ao solo. Porém, e como falarei mais adiante, este cabrio, sobretudo nesta motorização, não é suposto ser um desportivo, mas um carro para passear. Nesse caso, esta altura ao solo torna-o mais confortável do que se fosse um pouco mais rebaixado.

 

O motor, um 2000cc com 150 cv de potência, não tem o binário e a condução desportiva que outras motorizações da BMW proporcionam. No entanto, permitiu ter um consumo geral neste ensaio de cerca de 5,1 lt/100km, o que foi bastante agradável, tendo em conta autoestrada, estradas nacionais e algum percurso urbano também ao longo dos mais de 500km percorridos com este BMW 218d.

Considero, por isso, que esta é a motorização ideal para quem quer ter um cabrio de quatro lugares. E é realmente de quatro lugares, pois os de trás não são apenas para “fingir”. Ainda assim, permite ter um carro com um consumo de combustível bastante aceitável e concorrente até com outros utilitários.

O Série 2 Cabrio é um carro seguro e previsível em termos de manuseamento. Se entrarmos numa curva muito rapidamente, é mais provável que os pneus dianteiros percorram a linha escolhida, ao invés de o carro cair de repente para o lado e apanhá-lo de surpresa. Isso não quer dizer que seja maçador, uma vez que se orienta com precisão e dá uma noção de agilidade.

Uma nota também para o conforto a bordo, mesmo em estradas mais degradadas. É sempre um ponto positivo, tendo em conta aquilo que já disse de ser um carro feito para passear de cabelos ao vento, sem grande apetência para condução desportiva e necessidade de sentir cada feedback da estrada (pelo menos nesta motorização).

O Série 2 – e, portanto, o Série 2 Cabrio – é baseado no mais recente hatchback do Série 1. Os bancos do Cabrio oferecem boa sustentação e são confortáveis. Já o tablier é simples, claramente definido e de boa qualidade, apresentando uma mistura de plásticos macios e superfícies texturizadas (nesta versão ensaiada, numa imitação de madeira).

Outro ponto positivo é o excelente sistema de infotainment da BMW, o iDrive, que, como padrão, consiste num ecrã colorido de 6,5 polegadas controlado por um botão rotativo e botões de atalho de menu entre os assentos dianteiros. Sat-nav, rádio DAB e bluetooth também estão incluídos.

Vale a pena fazer o upgrade para o sistema Professional da BMW, uma vez que traz um ecrã maior de 8,8 polegadas que também pode ser controlado pelo toque, bem como mais serviços online e uma experiência de navegação simplificada. Gostei bastante de utilizar e achei bastante intuitivo.

Há espaço bastante generoso para dois adultos na frente, um porta-luvas decente, bolsos nas portas e um compartimento central para arrumar os seus pertences.

Tal como acontece com a maioria dos cabrios de quatro lugares, as coisas ficam mais complicadas se quiserem usar os bancos traseiros, mas não é impossível. Para começar, o acesso não é fácil atrás dos assentos dianteiros e, uma vez lá, qualquer pessoa com mais de um metro e oitenta irá, muito provavelmente, queixar-se de falta de espaço para os joelhos, pernas e cabeça (com a capota para cima), especialmente em viagens longas. Ainda assim, adultos de estatura média não deverão ter problemas de maior.

A capacidade de carga do Series 2 Cabrio é de 335 litros com capota para cima. Todavia, o acesso é, por vezes, complicando, dificultando a colocação de itens de bagagem mais amplos no interior.

Em termos gerais, e para finalizar, diria que o BMW 218d Cabrio é um descapotável razoavelmente divertido de conduzir (nesta motorização). Tem uma condução bastante agradável, quer em termos da segurança que transmite, mas também do conforto que os seus ocupantes sentem.

Nesta versão ensaiada, conta com todo o tipo de comodidades que se pode esperar num carro recente desta gama. Volto a salientar as médias de consumo bastante agradáveis que o BMW 218d proporciona, o que creio ser um argumento bastante importante para quem não procura um verdadeiro desportivo.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,679FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
620SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

O novo Toyota Supra acelera em GT Sport

Saudades do icónico Toyota desportivo? A Polyphony Digital...

Ensaio ao Ford Focus 1.5 EcoBlue 120cv Active SW – A arte de “envelhecer” bem

A Ford proporcionou-nos um ensaio à Station Wagon Ford Focus Active 1.5 EcoBlue 120cv com motorização a diesel.

O Fiat 500 vai chegar às peças, em LEGO

A Fiat e a LEGO revelaram recentemente um novo set dedicado aos fãs de carros clássicos. Trata-se do Fiat 500 LEGO Creator Expert.

Ensaio BMW X7 M50d – O bom gigante

Para quem faz sobretudo percursos citadinos, duvido que o BMW X7 M50d seja a melhor escolha. Admito, porém, que foi sem dúvida alguma dos veículos mais luxuosos já testados aqui no Echo Boomer, senão mesmo o mais luxuoso.
- Publicidade -

Mais Recentes