fbpx

Top 5 dos principais embustes de viagens e a forma de os evitar

Os viajantes mais experientes sabem que no verão aumenta o risco de embustes para quem vai de viagem. Os turistas costumam ser fáceis de identificar e são frequentemente vistos como alvos dos golpes ardilosos.

Com o objetivo de prevenir alguns problemas comuns, a AirHelp, empresa especializada na defesa dos direitos dos passageiros aéreos e na obtenção de compensações por perturbações em voos, apresenta algumas sugestões para evitar situações incómodas que podem acontecer durante as viagens no aeroporto, no trânsito e durante os passeios.

Embuste n.º 1: Overbooking

Problema: Ao contrário do que se pensa, muitas pessoas não comparecem aos voos programados. Já a contar com isso, as companhias aéreas costumam vender mais bilhetes do que o número de lugares que têm realmente disponíveis. A lógica é: vender bilhetes extras e ganhar mais dinheiro, porque alguns viajantes não vão aparecer. Esta estratégia cria inúmeros problemas quando os passageiros chegam à porta de embarque e percebem que há mais pessoas do que lugares no avião.

Solução: É importante ter em mente que os passageiros aéreos têm direitos e podem recorrer à lei para serem compensados. Por lei, as companhias aéreas são obrigadas a ressarcir os passageiros por voos com excesso de reservas. No entanto, as companhias negligenciam frequentemente as suas obrigações nestes casos. A AirHelp, tal como outras empresas do género, oferecem assistência gratuita aos viajantes quando isso acontece. Em concreto, a AirHelp intervém para que os passageiros aéreos tenham direito a compensação por voos com overbooking, bem como outros problemas, incluindo atrasos, cancelamentos, ligações perdidas ou bagagem danificada.

Embuste n.º 2: Táxis duvidosos

Problema: Infelizmente, más experiências com táxis e taxistas acontecem muitas vezes. Desde desvios inesperados a taxímetros irregulares (ou inexistentes), os turistas acabam por perder muito dinheiro ao serem levados para locais não previstos ou sendo transportados sem rumo ou confrontados com uma tarifa astronómica que nunca teriam concordado pagar se soubessem antecipadamente.

Solução: Antes de entrares no táxi, é importante ter uma ideia da rota e do tempo necessário para chegar ao destino (o Google Maps pode ajudar). Em seguida, não te esqueças de verificar se o veículo está equipado com taxímetro e se este funciona – nunca uses um serviço de táxi sem taxímetro. Outra dica importante: não contrates um taxista que simplesmente garante que a tarifa será mais baixa sem o taxímetro.

Se nenhuma destas soluções for viável, no mínimo, antes de começar a viagem, o passageiro e o motorista devem acordar o valor a pagar. Melhor ainda, se for possível, mais vale utilizares serviços como a Uber, Lyft, MyTaxi e afins. Dessa forma, terás uma ideia concreta do que podes esperar, sendo que poderás recorrer ao serviço de atendimento ao cliente se a experiência não correr bem. Definitivamente, NÃO deixes que um táxi tente levar-te a uma loja ou outro estabelecimento que não tenha sido planeado previamente. É que isto poderá conduzir-te a outras burlas com o objetivo de te sacar dinheiro.

Embuste n.º 3: Máquinas ATM

Problema: Os turistas usam as máquinas ATM em todo o mundo, mas nem sempre estão suficientemente atentos quando levantam ou trocam dinheiro. Às vezes, há uma fila de pessoas atrás e a operação demora mais tempo para os turistas do que para os habitantes locais. Alguém se aproxima e pergunta se pode ajudar ou até mesmo cambiar dinheiro. Podem oferecer uma taxa melhor do que a do banco ou a possibilidade de uma transação sem uma taxa de processamento.

O que muitas vezes não reparamos é que a pessoa pode ter visto o nosso pin ou, “ajudando-nos”, decidir cancelar a transação, reiniciar e ficar a assistir enquanto inserimos o código do cartão. Mesmo que não seja esse o caso, estão muito próximos do dinheiro. Podem também tentar distrair o turista de algum dispositivo de cópia de cartões montado na máquina, como os skimmers – aparelhos destinados a copiar os dados para depois criar cartões falsificados que podem ser usados em compras e levantamentos indevidos de dinheiro. Essa tática costuma ser combinada com a colocação de uma câmara minúscula que regista as ações do utilizador quando digita o pin. Antes de o turista se aperceber, já o “prestável” criminoso está a levantar o dinheiro ou a acumular faturas às suas custas.

Solução: Assegura-te de que o leitor de cartões não está solto ou de que o cartão não ressalta ao inseri-lo na máquina. Em seguida, tapa as teclas com a mão quando digitar o pin. Se alguém se oferecer para ajudar, recuse. Nunca permitas que outra pessoa cancele a transação ou esteja perto quando digitar o pin. Entra em contacto com o teu banco se suspeitares de qualquer ato ilícito.

Embuste n.º 4: Rede de Wi-Fi

Problema: Internet sem interrupções durante a viagem continua a ser um problema, mas a grande questão é a aliciante rede Wi-Fi aberta ou desbloqueada que parece ser uma ideia tão boa e uma solução tão simples para as necessidades imediatas em viagem. No entanto, ao conectar-se a uma rede desprotegida, o utilizador deixa as suas informações à mercê de quem queira aceder indevidamente aos seus dados pessoais. Quando nos conectamos a uma rede de Wi-Fi aberta, o “fantasma” por trás da conexão pode roubar as informações pessoais e financeiras armazenadas no nosso dispositivo. Essa é a fórmula perfeita para desviar qualquer identidade e causar danos durante e depois da viagem.

Solução: Resistir à oferta instantânea e esperares até te conseguires ligar a uma rede segura. Se estiver num hotel, café, restaurante, aeroporto ou outro estabelecimento, podes (e deves) pedir acesso à rede oficial. Uma solução que garante segurança adicional é a utilização de uma VPN (rede privada).

Embuste n.º 5: Interações com habitantes locais e ofertas

Problema: Numa altura ou noutra, qualquer viajante acaba por ser abordado por alguém que quer oferecer-lhe uma pulseira, um colar ou outra bugiganga de recordação. Embora isso pareça um gesto inofensivo e amigável, assim que o viajante aceita o “presente”, a pessoa que o ofereceu exige o pagamento. Ainda mais comum é a pessoa seguir o turista, fazendo uma cena enquanto ele tenta salvar-se da confusão.

Solução: Não aceitar “presentes” de estranhos – provavelmente, uma recomendação que já ouvimos desde a nossa infância e que continua a ser um bom conselho.

Para evitar burlas e protegeres-te em viagem, o bom senso ajuda muito. Na dúvida, é importante ter sempre presente a sabedoria popular que diz: “o que parece bom demais para ser verdade, geralmente é”.


 

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Voos de e para fora da União Europeia proibidos até final de junho

É o que diz um despacho publicado em Diário da República.

Bolt já permite definir várias paragens durante a mesma viagem

Esta nova opção de várias paragens irá estar disponível para os utilizadores com a versão mais recente da app da Bolt.

Quantos feriados em 2020 é que eu tenho?

2020 está a bater à porta e, como tal, começa a ser importante planear com antecedência o que fazer nos feriados do próximo ano. Mas afinal, quantos feriados é que existem no novo ano?

FlixBus vai deixar-nos ir até Espanha ou França por menos de 1€

Parece bom demais para ser verdade, mas vai mesmo acontecer. A responsável por esta loucura é a FlixBus, empresa que já nos habituou a preços bem em conta no que toca a viagens de autocarro, mas que agora vai perder a cabeça durante um dia.
- Publicidade -

Mais Recentes

Celebra o aniversário do Batman com o LEGO do seu Batwing

O novo set de coleção é inspirado no icónico veiculo do filme de 1989.

Câmara Municipal de Lisboa vai continuar a apostar em água reutilizada para lavar as ruas e regar espaços verdes

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a proposta para a construção da Rede de Água Reutilizada de Lisboa na Zona Ribeirinha e Bairro Alto.