Dicas para reduzir a pegada ambiental

Querem ter uma atitude mais proativa e têm como meta reduzir a vossa pegada ambiental, ao mesmo tempo que poupam na fatura? Então devem mesmo começar pela vossa casa.

- Publicidade -

Adeus verão, olá outono. É assim desde o passado dia 22 de setembro, altura em que as folhas começam a cair e os dias ficam mais frios, para desilusão daqueles que adoram dias quentes e mergulhos na praia.

Mas se o verão nos levava a passarmos mais tempo fora de casa, com o outono acontece precisamente o contrário. Com os dias mais “tristes”, não existe tanto aquela vontade de passear, e há quem veja ainda isso mesmo como uma boa oportunidade de ficar em casa para aprimorar as suas capacidades enquanto jogador de póquer.

Mas as temperaturas mais baixas são mesmo é convidativas para um chá quente e uma manta, isto para aquelas pessoas que não têm salamandras ou possibilidade de “acenderem a lareira”.

E com os dias mais frios e a passarmos mais tempo em casa, isso significa também uma coisa: um aumento no consumo de eletricidade (logo a fatura sai mais cara) e, consequentemente, um aumento nas emissões de carbono. Mas há formas de reduzir a pegada ambiental. São soluções simples e mais ecológicas.

1. Bombas de calor

Como utilizam energia aerotérmica, as bomba de calor são uma solução de aquecimento ecológico para os sistemas de aquecimento central. Ao extraírem o calor natural do ar, transformam-no em energia capaz de manter as casas numa temperatura confortável. E só por isso são muito eficazes.

2. Uso de dispositivos inteligentes

Hoje em dia não são apenas os smartphones/tvs/tablets que são inteligentes. Também as lâmpadas que temos lá por casa, as fechaduras, os equipamentos que temos na cozinha, os aquecedores… No fundo, podemos dizer que os dispositivos inteligentes não só ajudam a tornar nossas vidas mais fáceis, mas também revolucionam a maneira como pensamos sobre economia de energia.

O que é que isto significa? Bom, imaginem aquelas situações em que possuem aparelhos antigos que vos aquecem a casa, mas que exigem que estejam ligados o dia todo, de modo a que, depois de regressarem do trabalho, o vosso lar esteja com uma temperatura confortável. Ora, isso não acontece com dispositivos inteligentes. Não só funcionam melhor, como podem ser controlados à distância. E só por aí conseguem evitar desperdícios ambientais.

3. Isolamento de janelas

Há quem não dê importância a isto, mas é uma realidade. Com janelas bem vedadas, com boa caixilharia e vidro duplo, conseguem reduzir o desperdício de energia e reduzir a pegada ambiental. Aliás, o Governo apresentou este verão o Programa Edifícios Mais Sustentáveis 2021, que tem como objetivo contribuir para a melhoria do desempenho energético e ambiental dos edifícios, de modo a reduzir em cerca de 30% o consumo de energia primária.

4. Energia solar

Abracem o autoconsumo. Nem todos conseguem ter acesso, mas a verdade é que os painéis solares fotovoltaicos permitem poupar, gerar energia e reduzir as emissões de carbono. Portugal é um dos países que mais beneficia de sol durante grande parte do ano, pelo que apostar na energia solar é uma boa decisão. Sim, o investimento é dispendioso, mas estima-se que os painéis fiquem “pagos” em cerca de 10-15 anos.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Inaugurado primeiro Espaço Cidadão numa unidade de saúde

Algo que vem facilitar ainda mais a vida aos cidadãos.

Clockwork Aquario – Uma nova oportunidade para este clássico perdido

Anteriormente cancelado, o título da Westone regressa à vida graças à conversão da Inin Games.

Crítica – Resident Evil: Welcome to Raccoon City

Infelizmente, ainda não foi desta que surgiu um filme genuinamente bom de uma adaptação de Resident Evil para o grande ecrã.