fbpx

Dia Internacional da reciclagem: Sete em cada dez lares já fazem a separação das embalagens

No Dia Internacional da Reciclagem, que se assinala hoje, dia 17 de maio, a Sociedade Ponto Verde (SPV), vem destacar o empenho dos portugueses. Esta entidade foi criada em Portugal para gerir os resíduos de embalagens e contribuir para a mudança de comportamento em matéria de reciclagem.

Os portugueses não só têm respondido positivamente às campanhas de sensibilização levadas a cabo pela SPV, como graças a esse empenho, e ao ato de separar as embalagens usadas em casa, encaminhando-as para reciclagem, tornam possível que a cada hora que passa uma quantidade de resíduos, equivalente ao do peso de 12 elefantes, seja desviado de aterro. Um gesto simples que permite que os resíduos sejam transformados em matéria-prima secundária, que volta a integrar novos ciclos produtivos, representando um uso mais eficiente de recursos naturais nem sempre renováveis, numa lógica de economia circular. Cada 100 toneladas de plástico reciclado, por exemplo, evitam a extração de uma tonelada de petróleo.

Graças ao investimento realizado pela SPV em campanhas de educação e sensibilização ambientais, Portugal já contribuiu para a reciclagem de 7,5 milhões de toneladas de resíduos de embalagens, em resultado dos sete em cada dez lares que já fazem a separação das embalagens.

Apesar dos resultados positivos alcançados, existe ainda um considerável potencial de crescimento ao nível da adoção do hábito de separação em casa e fora de casa, resultando em maiores quantidades de embalagens usadas a encaminhar e que por si só representam um importante contributo para a desejável transição para um modelo económico circular, em detrimento do modelo assente no princípio de extrair-usar-descartar.

Adicionalmente, as novas metas de reciclagem – que irão passar dos atuais 44% para 65% até 2030 e, em 2035, para 70% – trazem com elas desafios acrescidos e, como tal, a necessidade de um ainda maior compromisso para com esta causa.

Estima-se que as medidas de prevenção dos resíduos, conceção ecológica, reutilização e outras ações “circulares” poderão gerar poupanças líquidas de cerca de 600 mil milhões de euros às empresas da UE (cerca de 8% do total do seu volume de negócios anual), criando 170.000 empregos diretos no sector da gestão de resíduos e, ao mesmo tempo, viabilizando uma redução de 2 a 4% das emissões totais anuais de gases de efeito de estufa.

Reciclagem, como contribuir

Mas o que significa afinal RECICLAGEM?
Reciclar é o processo que tem como objetivo transformar materiais usados em novos produtos. Esta otimização de recursos vai ao encontro da definição de Economia Circular, um conceito estratégico e tão atual, que assenta em princípios de redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia.

A reciclagem de embalagens traz consigo inúmeras vantagens ambientais e económicas. A partir do simples gesto de separar as embalagens por material e colocá-las no contentor com a cor certa, estamos a ter um papel ativo na poupança ambiental uma vez que estamos a contribuir para a minimização da extração de recursos, a economizar água e energia e gerar postos de trabalho inerentes a esta área de atividade.

Basta colocar as embalagens de plástico e de metal no ecoponto amarelo; as garrafas, boiões e frascos de vidro deverão ter como destino o ecoponto verde; já o ecoponto azul deve receber as embalagens de papel cartão, bem como jornais e revistas.

Números da reciclagem de embalagens em Portugal

  • Em duas décadas, Portugal enviou para reciclagem 7,5 milhões de toneladas de resíduos de embalagens, o equivalente ao peso de três Pontes Vasco da Gama;
  • Existem mais de 43 mil ecopontos espalhados pelo território nacional, o triplo das caixas multibanco;
  • 71% dos portugueses fazem diariamente a separação das suas embalagens (ou seja, 7 em 10 lares já envia os seus resíduos para reciclagem);
  • 100% da população tem acesso à recolha seletiva;
  • Ao longo de 20 anos foram investidos pela SPV mais de 50 milhões de euros em ações de comunicação e sensibilização, 1M€ em projetos de responsabilidade social e mais de 2 M€ em investigação e desenvolvimento.

ALGUMAS DICAS PARA RECICLAR MAIS E MELHOR

  • Não precisas de lavar as embalagens antes de as colocares no ecoponto;
  • Deves espalmar as embalagens para otimizar espaço no teu ecoponto;
  • As latas de conserva devem ser colocadas no ecoponto amarelo;
  • Os guardanapos e papel de cozinha devem ser colocados no lixo indiferenciado;
  • Não precisas de retirar os rótulos das embalagens quando as colocares no ecoponto;
  • Os pacotes de bebidas devem ir para o ecoponto amarelo;
  • Se uma embalagem for constituída por vários materiais e não for possível separá-los, podes colocar no ecoponto do material predominante;
  • Os copos de vidro partidos devem ser depositados no lixo indiferenciado;
  • O esferovite deve ser colocado no ecoponto amarelo.
- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Querem aprender a fazer embalagens amigas do ambiente? A Sociedade Ponto Verde ensina

A plataforma digital da SPV reúne um conjunto de dicas e recomendações de ecodesign e otimização dos processos de estudo, desenvolvimento e produção de embalagens e agrega-as em “pack4recycling”.

Sabem como se deve reciclar cada produto? O Continente ajuda

Dividir frasco e tampa, espalmar as embalagens de leite ou escorrer as garrafas dos iogurtes líquidos (antes de colocar no contentor) são algumas das indicações simples que passam a estar presentes nos produtos.

Jovens vão transformar embalagens de plástico usadas em peças de arte

Criar peças de arte a partir de embalagens usadas de plástico é o objetivo do Reborn – The Beauty...
- Publicidade -

Mais Recentes

Celebra o aniversário do Batman com o LEGO do seu Batwing

O novo set de coleção é inspirado no icónico veiculo do filme de 1989.

Câmara Municipal de Lisboa vai continuar a apostar em água reutilizada para lavar as ruas e regar espaços verdes

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a proposta para a construção da Rede de Água Reutilizada de Lisboa na Zona Ribeirinha e Bairro Alto.