Deixem o Pimba em Paz já chegou às plataformas digitais

A novidade foi anunciada ontem por Bruno Nogueira em mais um direto de Como é que o Bicho Mexe.

Deixem o Pimba em Paz

Quem já teve oportunidade de presenciar um concerto de Deixem o Pimba em Paz rapidamente percebeu que este é um espetáculo onde várias músicas populares portuguesas, ou seja, do universo pimba, são desconstruídas. O que acontece em palco é que Bruno Nogueira, Manuela Azevedo, Filipe Melo, Nuno Rafael e Nelson Cascais acabam por criar novos arranjos, dando uma nova vida a temas icónicos.

Pois bem, e se nunca viram este grupo ao vivo ou nem sequer têm o CD, saibam agora que podem ouvir todos os temas nas plataformas digitais.

A novidade foi avançada ontem por Bruno Nogueira, o mentor do projeto, em mais um direto de Como é que o Bicho Mexe no Instagram.

Portanto, podem agora escutar vezes sem conta em plataformas tipo Spotify, Apple Music, TIDAL e outras os 15 temas presentes no espetáculo de Deixem o Pimba em Paz. Podemos destacar canções como “Na Minha Cama Com Ela”, “Comunhão de Bens”, “Porque Não Tem Talo o Nabo”, “Garagem da Vizinha”, “Não És Homem para Mim” e a “Cabritinha”.

O disco de Deixem o Pimba em Paz foi gravado ao vivo em setembro e outubro de 2013, contando com a participação especial de Camané e Marante.

Sigam-nos

10,850FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Já é possível jogar Xbox em dispositivos iOS

Não é o xCloud, mas já é qualquer coisa.

Disney+ já não oferece período experimental gratuito de sete dias

O serviço ainda não está disponível por cá, mas, quando chegar a Portugal, os utilizadores já não poderão experimentar gratuitamente o serviço.

Para quando uma espécie de Hulu em Portugal?

Em Portugal, temos muitos serviços de streaming. Desde a Netflix, HBO, Amazon e, brevemente, o Disney+. Ainda assim, não é disso que vou falar hoje. Mas sim da criação de uma espécie de Hulu em Portugal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Onee Chanbara Origin

Bikinis, Samurais e Zombies – sejam bem vindos ao jogo mais desconfortável, exagerado e desnecessário de 2020.