Cuidado com as fraudes no telemóvel e no Facebook

Num mundo em que tudo é cada vez mais informatizado, é normal que existam pessoas que se queiram aproveitar das outras, tentando roubar dados privados ou dinheiro. Existem vírus, existem malwares que bloqueiam ficheiros no computador e que, supostamente, desbloqueiam com um pagamento de bitcoins…. Enfim, são várias as formas que existem para enganar os utilizadores, até mesmo no Facebook ou através do telemóvel.

Se tens ido às redes sociais nos últimos dias, estarás certamente alertado para este flagelo. O primeiro tem a ver com uma suposta oferta da companhia aérea easyJet. É, obviamente, uma fraude.

Esta “oferenda” fazia referência a dois bilhetes de avião dados ao utilizador no âmbito do 22º aniversário da empresa. Para isso, o utilizador teria de carregar no link do post no Facebook, que seria automaticamente partilhada com os restantes amigos da conta. Basicamente, trata-se de um esquema de phishing que tem por objetivo aceder aos dados pessoais dos utilizadores.

easyjetfraude echoboomer

É bastante fácil identificar estas fraudes. No caso desta oferta falsa, primeiro a imagem partilhada surge no mural dos utilizadores com o texto “Thanks #easyJet!”. Depois, se reparares na imagem em baixo, virás que a seta mostra um link que nada tem a ver com o site oficial da EasyJet. Só isto basta para desconfiar.

Se, por curiosidade, quiseres abrir o link, irás reparar que, na aba do teu browser, irá aparecer o título Marlboro 2017. Pois, tabaco e viagens de avião não combinam. Nem vale a pena continuar. Portanto, verifica sempre a veracidade da página e assegura-te que a oferta está disposta nas páginas oficiais dessa empresa.

Também no Twitter surgiram vários alertas para este esquema fraudulento. E já não é a primeira vez que isto acontece. Em 2016, o nome da Easyjet também foi usado indevidamente, e crimes semelhantes ocorreram com a britânica Virgin Atlantic ou a norte-americana Delta Air Lines, por exemplo.

Fazemos ainda ressalva a outra tendência recente de burla. Neste caso, tratam-se de chamadas do estrangeiro que muitas pessoas estão a receber. Esses números, como é óbvio, são desconhecidos, e, na prática, é mais um esquema para roubar dinheiro.

O modo de funcionamento é simples. Os burlões, de países como Polónia, Bangladesh, Tunísia ou Mónaco, dão um ou dois toques para um número, aguardando que lhes liguem de volta. Se a pessoa ligar e a chamada for respondida, ficará com menos dinheiro no cartão. Tudo depende do teu tarifário e operadora, mas há relatos de pessoas que já perderam sensivelmente cinco euros por devolver a chamada.

Números como +48729774658, +21697799011+37744338308, +237651455905 e semelhantes não só nunca devem ser atendidos nem devolvidos, como bloqueados no imediato.

É preciso ter cuidado, mas, desde que sejas um leitor informado, consegues escapar com facilidade destes esquemas.

Segue-nos nas redes sociais no FacebookTwitter e Instagram.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,454FansCurti
4,046SeguidoresSeguir
531SeguidoresSeguir

Relacionados

Ainda não têm o “novo” Facebook? É normal. Pode depender do browser

Experimentem mudar de browser e digam-nos o que aconteceu.

MB Way. Há em média 34 burlas por dia

Só nos primeiros quatro meses deste ano, GNR e PSP receberam 4111 queixas por estas burlas.

Não, o Paypal não está a dar dinheiro devido à pandemia de COVID-19. É burla

Novo email que circula quer fazer acreditar os utilizadores que estão no direito de receber 100 dólares na sua conta PayPal. Mas não passa de mais um esquema.

O Facebook vai fazer frente ao Twitch com uma nova app de streaming

A nova aplicação já está disponível para dispositivos android.
- Publicidade -

Mais Recentes

Os Tradutores é o destaque no regresso dos cinemas portugueses

Pouco a pouco voltamos à normalidade. Os cinemas já têm autorização para abrir, mas são poucos os que o fazem já esta semana.

eDreams ODIGEO lança funcionalidade que permite identificar o momento mais económico para reservar voos

Os viajantes podem acompanhar as melhores opções de voos para viajar na era pós-COVID-19, comparando os preços atuais com os valores médios de há um ano.