Pachinko – Uma série dramática em tons épicos

Pachinko conjuga drama e estilo épico, num retrato intercultural e intergeracional que resgata do passado e da treva do anonimato o sacrifício dos pais, dos antepassados coreanos.

- Publicidade -

Bem sucedida no seu conjunto, esta coprodução coreana e japonesa que irá estrear a 25 deste mês na Apple TV+ numa temporada de oito episódios retrata a história de uma família coreana nos difíceis tempos da ocupação japonesa.

Pachinko, à partida, designa um jogo que mergulha as suas raízes no velho Oriente (hoje em dia encontra-se vulgarmente nos jogos do tipo slot machine). Mas o facto de dar nome a esta série serve bem de enquadramento à história de várias gerações de uma família coreana cujas personagens têm de tomar difíceis decisões nos momentos mais críticos das suas vidas, tudo num pano de fundo que retrata a história de duas nações em tempos de guerra e inimizade – a Coreia e o Japão. Com uma ação que se inicia no século XIX e culmina na Nova Iorque de 1989, o destino das personagens arrasta-as na voragem do tempo e dos acontecimentos, num retrato pungente das consequências da opressão nipónica e do êxodo forçado de milhares de coreanos que, tal como é dito na sucessão de testemunhos verídicos do genérico final, gerou cerca de 600.000 coreanos apátridas.

Com raízes na realidade social no Oriente oitocentista, a história inicia-se com o relato da vida de uma jovem que é vendida ao marido e, confrontada com a incapacidade de ter filhos, consulta a feiticeira local. Esta augura o nascimento de uma criança bem-sucedida que irá ter um papel crucial no futuro da família. Esta nota supersticiosa confere desde logo uma aura especial à protagonista, Sunja, a criança predestinada que irá atravessar os tempos e marcar várias gerações (primeiro como filha de um homem aleijado, depois como jovem mãe, e por fim como avó de Solomon, o neto que almeja o sucesso e ascensão social numa poderosa empresa nova-iorquina). A história vai sendo sucessivamente relatada sob o olhar da memória, numa teia de acontecimentos com enquadramentos temporais distintos.

pachinko echo boomer 3

Trata-se de uma história com muita força, dinamismo e ação, mas também com pausas poéticas e diálogo desenvolvidos, em que se aprofunda o sentido da existência na voz de personagens emotivas, cheias de orgulho pátrio, espírito de sacrifício e sentido de família; tudo numa teia narrativa simples mas bem urdida, na qual todas as peças se vão completando num cenário de maior alcance: a resistência daqueles que em tempos de má memória se equiparavam a si mesmos a «baratas enterradas» – metáfora recorrente que exprime a condição infra-humana dos coreanos explorados, perseguidos e aterrorizados pelas autoridades japonesas, mas também o espetro da sua própria autoconsciência e auto-censura.

Trata-se, sem dúvida, de um trabalho diferente das produções a que estamos habituados. O enredo nos primeiros episódios adquire até certo ponto uma velocidade morna de novela televisiva, com a história dos amores e casamento forçado de Sunja que a leva, como tantas outras, para o Japão e para longe da sua terra natal. Mas entretanto, a ação marcada pela história contemporânea vai ganhando corpo e ritmo com a ascensão e queda de Solomon, neto de Sunja, na Nova Iorque de 1989 e a sua busca desesperada por Hana, uma ex-colega de escola que, por razões misteriosas, lhe telefona sem chegar a revelar o seu paradeiro. Temos, assim, o retrato de duas épocas distintas que alcançam progressivamente um sentido maior, pela dimensão épica destas personagens e o seu papel no destino coletivo de um povo.

Entre os sacrifícios que Sunja tem de passar para se sustentar a si e à família, depois das peripécias que a levam para Osaka, e os ressentimentos das gerações mais novas, representados pela personagem de Hana, a figura misteriosa que Solomon tenta a todo o custo encontrar, há um drama familiar que se desenrola e só se desvenda no fim. Neste aspeto, nota também positiva para o facto de Pachinko se distinguir das produções ocidentais que têm tendência por narrativas abertas, depois de esticarem demasiado o pano. Neste caso, o final da série é digno de toda uma história processada em perfeito equilíbrio.

pachinko echo boomer 2

Entre as notas poéticas que tocam de perto os espetadores, não podemos deixar de realçar a qualidade excecional da fotografia, com grandes planos tirados de paisagens naturais e exóticas ou a partir de maquetas artísticas que reconstituem muito pitorescamente as velhas cidades de Osaka e Yokohama. Note-se, ainda, a beleza de certos quadros, como uma despedida num cais envolto em nevoeiro, ou a praia pedregosa dos pescadores que recolhem ostras em apneia, elementos que tiram partido da extraordinária beleza exótica do Oriente e pontualmente nos levam para lá da nostalgia de um país esmagado pela pobreza e pela tragédia.

Outro ponto igualmente forte é a banda sonora. Contrastando com a cantiga pop do genérico de abertura (também muito bem escolhida), a música épica de fundo acompanha o ritmo e densidade da ação, assegurando contornos intensamente emotivos.

Outra virtude que prende o interesse do espetador são os simbolismos recorrentes: desde um simples objeto que atravessa toda a história (diz Sunja sobre o relógio que lhe fora oferecido pelo amante da juventude, “este relógio salvou a nossa família”), passando pela tigela de arroz fumegante em cima da mesa que lembra à protagonista a mãe e a pátria deixadas para trás, até aos elementos narrativos mais elaborados que iluminam o significado mais profundo de tudo, o ajuste de contas com a História. É o caso da renitência da velha mulher em vender a sua propriedade à empresa americana e, enfim, uma Coreia moribunda falando pela voz de Hana, a amiga de Solomon que às portas da morte se reconcilia com a vida.

Trata-se, pois, de uma bem conseguida história de amor e ação que conjuga drama e estilo épico, num retrato intercultural e intergeracional que resgata do passado e da treva do anonimato o sacrifício dos pais, dos antepassados coreanos. A não perder!

- Publicidade -

1 Comentário

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Ainda têm uma PlayStation 4? Podem usufruir de três meses de acesso à Apple TV+

Depois da recente PS5, é a vez da velhinha PS4 também ter direito a esta oferta.

Godzilla está a caminho da Apple TV+ com o MonsterVerse

O Universo Cinemático do monstro gigante mais popular do cinema expande-se no streaming.

Crítica – Finch

Finch está longe de ser o filme de sobrevivência num mundo pós-apocalíptico mais impressionante e criativo do cinema, mas não deixa de ser uma história cativante, guiada por personagens convincentes que apresentam uma jornada pessoal importante e emocionalmente ressoante.

Proprietários de TVs LG vão ter direito a três meses de Apple TV+

Ainda não subscreveram o serviço de streaming da Apple e têm uma TV LG? Está na altura. A partir de...
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Galp Smart Store. Nesta loja não existem caixas de pagamento (nem funcionários)

A smart store da Galp está localizada na área de serviço Gago Coutinho e vai estar aberta ao público 24 horas/7 dias a partir de junho.

Grupo espanhol investe 38 milhões de euros em projeto de hidrogénio verde na zona industrial da Tocha

Grupo espanhol investe 38 milhões de euros em projeto de hidrogénio verde na zona industrial da Tocha

Feira Internacional do Artesanato de regresso a Lisboa

Três pavilhões diferentes, num total de 30 000 m² de área expositiva.