Crítica – Insert Coin

Um documentário que conta uma época tão recente, mas que parece ter sido noutra vida, com a evolução astronómica dos videojogos.

Insert Coin
- Publicidade -

Os anos 80 foram marcados intensamente por um boom na indústria dos videojogos. Mais concretamente com o desenvolvimento das máquinas arcade, que vieram substituir as antigas máquinas mecânicas de pinball, febre que se prolongou até finais dos anos 90.

Na viragem do milénio, a evolução de renderização dos gráficos das consolas individuais veio ditar um fim repentino a tudo o que envolvia as clássicas máquinas gigantes, dotadas de joysticks e botões mecânicos super resistentes (até aos jogadores mais frustrados). Com isto, começaram também a desaparecer os salões de jogos, onde tanto tempo passei enquanto garoto.

Insert Coin é um documentário que explora a influência destas máquinas gigantes – que, de certa forma, servem de analogia aos dinossauros, neste caso dos videojogos – na sociedade e cultura Pop. Mais concretamente as arcade da Midway Games, anteriormente conhecida como Williams Electronics, sediada em Chicago, empresa que dominou o mercado dos salões de jogos nos Estados Unidos e faturou biliões em quarters (moedas de 25 cêntimos).

Ao longo deste documentário, assistimos a entrevistas íntimas e recheadas de boa disposição aos responsáveis pela criação e desenvolvimento jogos arcade icónicos, como Total Carnage, Terminator 2, Mortal Kombat e NBA Jam. Percebemos, também, que mais do que uma empresa de videojogos, a Midway Games era um grupo de amigos, amigos esses que, durante duas décadas, foram os grandes rockstars da indústria dos videojogos, sobretudo em solo americano. A influência nos jovens foi gigantesca, à semelhança da faturação, até que do dia para a noite deixou de o ser.

Insert Coin

Desde muito cedo que, para além de lançar os seus jogos em formato arcade, a Midway também os adaptava às consolas individuais da altura (Nintendo, Sega, Atari, entre outras). No entanto, o que fazia vingar as consolas arcade era o facto da indústria dos videojogos estar numa fase muito rudimentar de gráficos, a desenvolver a um ritmo médio, e também porque as consolas individuais ainda eram caras para o consumidor comum. Coisa que mudou no final dos anos 90 e revolucionou essa indústria, deixando de ser rentável continuar a produzir sistemas arcade.

O documentário divide-se em capítulos, em contagem decrescente até os sistemas arcade chegarem a um fim. Os capítulos fazem um paralelismo inteligente, sendo descritos em “créditos”, cujo numerário vai decrescendo ao longo do documentário e até ao fim do mesmo, onde fecha com a clássica frase “Insert Coin“.

Além de revisitar muitos arquivos antigos de ouro, o documentário apresenta sempre testemunhos recheados de boa disposição por parte dos vários responsáveis pelo sucesso dos jogos arcade da Midway, bem como a sua visão e partilha de memórias relacionadas com a proliferação dos videojogos e o seu desenvolvimento acelerado com a viragem do milénio.

É um documentário com mais de uma hora e meia, mas que se vê e digere muito facilmente, graças à sua fluidez e construção simples e cativante. Caso os sistemas de videojogos arcade tenham feito parte da vossa vida como fizeram da minha, vão encontrar satisfação e nostalgia em Insert Coin. Ficam as saudades (bastantes) de conhecer e socializar em pessoa com outras pessoas em salões de jogos, onde moeda após moeda, os laços de amizade iam-se desenvolvendo ao mesmo ritmo que a nossa perícia nos videojogos.

Hoje em dia já é difícil encontrar destas máquinas arcade e, quando encontramos, o mais provável é estarem desligadas, servindo apenas como elemento de decoração. Isto porque a escassez de moedas de 20 escudos (ou 50 cêntimos) dentro desses dinossauros não só deixou de gerar lucro, como passou a dar despesa, não compensando sequer o gasto em eletricidade. Com o desligar da última tomada, morreram milhares de salões de jogos pelo mundo fora, substituindo a convivência orgânica, a socialização e a criação de laços de amizade fortes pelo individualismo e pelas amizades online à distância, muitas vezes com pessoas que nunca vão passar de uma voz nos auscultadores.

Não me interpretem mal. Jogo e compro PlayStation desde a primeira que saiu e, apesar de preferir um bom jogo offline, jogo a minha quota parte online, até porque muitos jogos o exigem para serem aproveitados a 100%. Contudo, acho que o facto de atualmente existir algo mais prático e cómodo matou uma forma de encarar a cultura dos videojogos e mudou a forma como os jogamos (outrora muito importante, hoje cada vez mais escassa): jogar com amigos, na presença deles.

Insert Coin

Pessoalmente, continuo a ser old school ao ponto de, sempre que compro uma nova consola, a minha prioridade (antes de investir em vários jogos) é certificar-me que tenho quatro comandos. Graças a isto, há muitos fins-de-semana em que, na minha sala, os vislumbres de um passado recente recriam o ambiente de um salão de jogos arcade, com a mesma felicidade, partilha e amizade. Claro que numa escala mais pequena, mas a verdade é que, durante essas efémeras horas (que passam a voar), sinto que o tempo para e sou invadido pela nostalgia e felicidade que sentia nos anos 90.

Enquanto via este documentário, só pensava nas saudades que tinha de ir a um salão de jogos gastar moedas de 20 e 50 escudos em consolas arcade. Sem querer, o documentário desbloqueou o meu subconsciente e, do nada, revisitei os últimos 20 anos da minha vida e percebi o que descrevi acima: apesar dos salões de jogos terem morrido, a ideologia, o objetivo e o propósito da cultura criada por eles continua bem viva em cada um de nós. Agora, tudo o que nos resta é passá-la aos jogadores mais novos para que, durante muitos anos, o mote “Insert Coin” continue a ser sinónimo de algo maior do que jogar online (ou seja, sozinho).

Insert Coin está disponível para compra/aluguer na Alamo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Spiral: From the Book of Saw

Spiral pode oferecer sangue, gore e armadilhas/homicídios brutais o suficiente para os fãs da franchise, mas no geral, não deixa de ser apenas mais uma versão preguiçosa e previsível da fórmula de SAW.

Crítica – Wrath of Man

Wrath of Man não é um filme único, fascinante ou mesmo inovador, mas não deixa de ser uma das maiores e melhores surpresas do ano.

Crítica – The Mitchells vs. The Machines

The Mitchells vs. The Machines pode não ter o título mais catchy de sempre, mas é definitivamente um dos melhores filmes de animação dos últimos anos.

Antevisão – Quarta Temporada de The Handmaid’s Tale

Com as decisões certas, esta temporada de The Handmaid's Tale pode tornar-se épica.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

1Click é o primeiro serviço de subscrição mensal de lentes de contacto em Portugal

E promete-se preços competitivos. Nasce com a promessa de descomplicar o dia-a-dia e melhorar a experiência online dos utilizadores de...

MUSA Cascais só regressa em 2022

Fica para julho de 2022.

Shopopop. Esta app permite que qualquer um aproveite as deslocações diárias para entregar encomendas (e paga por isso)

A Shopopop é a primeira empresa do género a atuar em Portugal e já está disponível em Lisboa, Montijo e Setúbal.