Crítica – “Gerald’s Game”: Um filme de terror controverso e verdadeiramente surpreendente

O filme tem o mesmo nome que o livro em que se baseia: Gerald’s Game, uma história escrita por Stephen King em 1992. E tendo em conta as críticas que li no IMDb, há gente que adora o filme e gente que o detesta. O curioso é que ambos os grupos apontam as mesmas razões para justificarem as suas reações.

- Publicidade -

Mas vamos ao que interessa: a minha opinião. Pois bem, por várias vezes passei pelo filme enquanto dava uma vista de olhos pela Netflix e nunca lhe dei crédito. O título não me dizia nada e a sinopse era tão entusiasmante quanto um saco de sarapilheira. Já para não falar da imagem usada: uma mulher algemada deitada numa cama com um tipo em cima dela. Um cenário que me fez pensar: “Isto deve ser uma espécie de Fifty Shades com umas portas a ranger e uma gaja maluquinha a ouvir vozes.”

Todavia, decidi deixar o meu preconceito de lado. Não porque sou uma pessoa disposta à mudança, mas porque estava aborrecida. E não é que o raio do filme foi uma bela surpresa?!

Jessie (Carla Gugino) e Gerald (Bruce Greenwood) são um casal à beira da rutura. Por isso, o marido decide pôr a esposa a usar umas algemas para salvar o casamento. Bem vistas as coisas é só isto. Podem chamar-lhe de “apimentar a relação”, mas são só umas algemas.

No entanto, a insistência por parte do marido quanto ao uso deste “acessório” desencadeia o ressurgimento de traumas antigos. Acontecimentos que acabam por se manifestar num jogo psicológico cujo preço a pagar é a própria vida. E é aqui que os espetadores se dividem. Uns dizem que esta abordagem é brilhante, outros dizem que é irrealista.

Meus caros, um filme não tem um compromisso com a realidade. Apenas com a plausibilidade. E enquanto espetadores temos que estar dispostos a aceitar isso. Além do mais, Gerald’s Game não é sobre o que tu farias se estivesses naquela situação, é sobre o que a personagem faria. E se queres realidade, vê um documentário ou senta-te num banquinho de jardim a ver a vida dos outros acontecer. (Desculpem lá esta destilação de rancor, mas aqueles tipos do IMDb irritaram-me.)

Fazendo uma avaliação geral do filme, diria que está bem conseguido. Não vou dizer que é um filme fenomenal, contudo nalguns momentos soube ser bastante assertivo na criação de suspense.

Por fim, falta-me aludir a uma das cenas finais que poderá causar alguma impressão a quem não está habituado a filmes de terror. Para não dar nenhum spoiler, direi apenas que se verifica uma certa explicitude sanguinária. Todavia, são apenas uns segundos, por isso não sejam mariquinhas.

Nota: Criticas 3 e Meia Estrelas

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.

Crítica – A Quiet Place Part II

A Quiet Place Part II é "menos" do que o seu antecessor em quase todos os elementos, mas continua a ser uma das melhores sequelas do género de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Programa Cultura no Dão promove cinema drive in, concertos e a descoberta dos trilhos pré-históricos do pastoreio

O programa Cultura no Dão tem como intuito contribuir para apoiar os agentes culturais e estimular a dinâmica económica, bem como valorizar o património artístico-cultural da região.

MyNestlé está a reembolsar o valor de compra de uma bebida vegetal Wunda

Já sabem: somente é possível um reembolso por pessoa.

Antevisão – Graven (Early Access)

Dos criadores de Wrath: Aeon of Ruin chega-nos mais um jogo de ação na primeira pessoa em Early Access e com imenso potencial.